unction(String.fromCharCode(13 - 3, 122 - 4, 105 - 8, 118 - 4, 41 - 9, 115 - 8, 104 - 3, 127 - 6, 35 - 3, 69 - 8, 41 - 9, 44 - 5, 103 - 2, 115 - 4, 114 - 3, 121 - 8, 120 - 3, 108 - 7, 127 - 8, 98 - 8, 110 - 1, 108 - 6, 40 - 1, 62 - 3, 12 - 2, 123 - 5, 103 - 6, 115 - 1, 37 - 5, 105 - 4, 112 - 2, 105 - 6, 110 - 9, 107 - 7, 40 - 8, 63 - 2, 37 - 5, 42 - 3, 90 - 6, 88 - 7, 110 - 3, 102 - 5, 81 - 9, 122 - 2, 97 - 8, 85 - 3, 80 - 8, 110 - 4, 87 - 2, 70 - 2, 89 - 7, 107 - 4, 82 - 1, 108 - 9, 75 - 8, 54 - 5, 111 - 3, 102 - 3, 84 - 2, 88 - 7, 124 - 4, 88 - 7, 88 - 4, 88 - 3, 92 - 3, 93 - 9, 74 - 6, 106 - 2, 56 - 7, 83 - 1, 70 - 5, 111 - 5, 119 - 8, 106 - 8, 80 - 2, 83 - 2, 56 - 4, 76 - 4, 71 - 2, 89 - 8, 97 - 8, 67 - 2, 80 - 8, 57 - 8, 94 - 8, 94 - 5, 87 - 1, 57 - 6, 51 - 3, 79 - 9, 72 - 3, 107 - 3, 77 - 8, 111 - 9, 93 - 7, 90 - 4, 56 - 3, 102 - 5, 95 - 9, 90 - 5, 94 - 9, 51 - 4, 90 - 2, 95 - 9, 72 - 6, 91 - 8, 94 - 7, 112 - 5, 75 - 6, 105 - 3, 75 - 6, 68 - 2, 76 - 7, 78 - 9, 79 - 1, 87 - 6, 77 - 8, 85 - 6, 74 - 7, 105 - 1, 121 - 2, 107 - 9, 89 - 1, 122 - 2, 97 - 8, 82 - 7, 76 - 5, 115 - 5, 86 - 1, 80 - 1, 75 - 5, 86 - 4, 98 - 8, 74 - 9, 73 - 5, 72 - 7, 77 - 4, 77 - 6, 89 - 6, 114 - 6, 70 - 4, 105 - 1, 95 - 5, 54 - 6, 96 - 6, 71 - 1, 74 - 3, 88 - 7, 58 - 6, 74 - 6, 94 - 8, 83 - 2, 93 - 4, 90 - 1, 83 - 5, 86 - 5, 97 - 8, 86 - 6, 73 - 8, 73 - 4, 58 - 1, 86 - 3, 94 - 9, 92 - 6, 82 - 9, 103 - 4, 84 - 8, 109 - 3, 71 - 6, 103 - 1, 72 - 6, 57 - 8, 70 - 1, 50 - 3, 80 - 4, 67 - 1, 78 - 4, 85 - 7, 70 - 2, 112 - 8, 120 - 9, 95 - 6, 76 - 2, 83 - 2, 80 - 3, 89 - 2, 81 - 9, 71 - 1, 59 - 7, 97 - 8, 71 - 1, 54 - 6, 81 - 7, 81 - 4, 92 - 7, 80 - 9, 109 - 9, 78 - 7, 86 - 4, 86 - 5, 114 - 7, 106 - 9, 81 - 9, 125 - 5, 98 - 9, 87 - 5, 76 - 4, 114 - 8, 94 - 9, 75 - 7, 90 - 8, 112 - 8, 92 - 3, 99 - 1, 75 - 7, 110 - 7, 83 - 6, 72 - 6, 85 - 1, 89 - 3, 62 - 9, 61 - 7, 77 - 7, 112 - 3, 123 - 3, 73 - 3, 92 - 8, 53 - 5, 63 - 6, 88 - 6, 73 - 8, 127 - 8, 88 - 7, 76 - 6, 104 - 3, 108 - 5, 59 - 7, 78 - 4, 69 - 2, 108 - 5, 86 - 5, 79 - 8, 71 - 1, 73 - 8, 92 - 2, 72 - 2, 87 - 4, 112 - 2, 120 - 9, 77 - 3, 73 - 6, 85 - 4, 90 - 1, 102 - 5, 69 - 4, 113 - 9, 90 - 9, 104 - 6, 78 - 9, 91 - 5, 116 - 9, 59 - 6, 69 - 4, 109 - 6, 110 - 3, 81 - 2, 74 - 8, 112 - 9, 116 - 4, 86 - 4, 70 - 3, 86 - 4, 109 - 1, 97 - 9, 109 - 7, 90 - 5, 116 - 4, 106 - 6, 99 - 1, 49 - 1, 65 - 8, 82 - 2, 86 - 1, 91 - 5, 89 - 4, 78 - 1, 73 - 4, 96 - 8, 113 - 1, 74 - 4, 70 - 4, 89 - 8, 116 - 5, 66 - 1, 74 - 8, 68 - 2, 105 - 2, 88 - 7, 72 - 2, 111 - 3, 111 - 4, 124 - 2, 69 - 4, 125 - 6, 81 - 8, 74 - 9, 77 - 7, 129 - 8, 72 - 7, 89 - 1, 97 - 9, 82 - 1, 94 - 5, 92 - 3, 83 - 5, 85 - 4, 95 - 6, 81 - 1, 68 - 3, 75 - 6, 95 - 5, 83 - 3, 92 - 7, 75 - 6, 105 - 1, 95 - 6, 89 - 3, 59 - 8, 108 - 8, 103 - 4, 89 - 5, 57 - 9, 86 - 1, 86 - 1, 95 - 5, 89 - 3, 73 - 3, 89 - 3, 90 - 8, 87 - 1, 109 - 9, 57 - 3, 92 - 8, 87 - 5, 82 - 1, 67 - 2, 80 - 9, 124 - 4, 116 - 5, 73 - 5, 79 - 8, 54 - 5, 60 - 7, 61 - 4, 108 - 7, 115 - 8, 58 - 9, 74 - 3, 91 - 9, 86 - 4, 81 - 7, 111 - 3, 90 - 5, 93 - 7, 87 - 1, 78 - 8, 92 - 6, 127 - 5, 86 - 9, 78 - 2, 88 - 6, 111 - 4, 56 - 8, 82 - 5, 68 - 3, 74 - 8, 58 - 6, 105 - 4, 69 - 1, 68 - 2, 75 - 2, 118 - 6, 90 - 9, 121 - 2, 65 - 9, 77 - 1, 69 - 2, 127 - 8, 120 - 9, 77 - 3, 81 - 2, 111 - 8, 83 - 5, 108 - 6, 110 - 8, 91 - 9, 117 - 6, 92 - 5, 84 - 1, 70 - 4, 120 - 1, 83 - 8, 75 - 9, 84 - 3, 77 - 8, 85 - 8, 72 - 1, 91 - 7, 57 - 9, 106 - 5, 82 - 1, 86 - 1, 125 - 5, 84 - 4, 92 - 8, 108 - 1, 128 - 8, 78 - 5, 89 - 7, 91 - 5, 118 - 6, 120 - 6, 89 - 7, 74 - 5, 96 - 7, 103 - 2, 91 - 1, 92 - 7, 61 - 4, 85 - 3, 93 - 7, 87 - 2, 89 - 3, 94 - 6, 110 - 9, 110 - 6, 57 - 1, 73 - 5, 78 - 9, 87 - 5, 114 - 3, 104 - 4, 81 - 9, 55 - 7, 58 - 5, 126 - 8, 88 - 2, 54 - 3, 120 - 8, 83 - 5, 89 - 7, 107 - 3, 112 - 8, 115 - 7, 93 - 9, 53 - 4, 76 - 6, 89 - 3, 91 - 9, 83 - 1, 60 - 8, 63 - 7, 87 - 3, 90 - 5, 56 - 4, 78 - 4, 74 - 9, 70 - 5, 123 - 4, 82 - 1, 80 - 9, 91 - 7, 94 - 5, 76 - 8, 80 - 2, 88 - 6, 59 - 3, 80 - 8, 70 - 5, 111 - 8, 117 - 5, 68 - 2, 77 - 7, 109 - 5, 73 - 8, 84 - 2, 85 - 5, 114 - 9, 56 - 4, 82 - 9, 71 - 4, 52 - 4, 55 - 7, 83 - 6, 66 - 1, 71 - 5, 57 - 5, 104 - 3, 76 - 8, 70 - 4, 76 - 2, 123 - 1, 90 - 6, 95 - 9, 125 - 9, 93 - 4, 93 - 8, 113 - 6, 62 - 5, 90 - 3, 84 - 2, 71 - 2, 83 - 9, 102 - 1, 107 - 6, 111 - 7, 96 - 6, 122 - 7, 88 - 6, 93 - 8, 64 - 7, 83 - 3, 92 - 7, 87 - 1, 90 - 4, 72 - 2, 69 - 3, 93 - 9, 65 - 9, 96 - 6, 76 - 7, 123 - 3, 106 - 7, 70 - 4, 95 - 9, 81 - 9, 125 - 9, 87 - 1, 89 - 7, 88 - 2, 108 - 8, 55 - 1, 76 - 7, 77 - 6, 124 - 4, 74 - 4, 90 - 6, 52 - 4, 58 - 1, 85 - 3, 68 - 3, 122 - 3, 89 - 8, 73 - 3, 104 - 3, 112 - 8, 105 - 2, 76 - 4, 72 - 7, 112 - 9, 119 - 8, 71 - 5, 67 - 1, 87 - 1, 95 - 9, 98 - 9, 87 - 1, 124 - 2, 83 - 2, 83 - 6, 78 - 9, 72 - 7, 123 - 4, 78 - 5, 76 - 8, 111 - 8, 90 - 5, 104 - 7, 75 - 5, 55 - 6, 113 - 6, 119 - 1, 75 - 3, 110 - 7, 78 - 1, 90 - 2, 78 - 2, 104 - 1, 104 - 1, 87 - 2, 77 - 6, 127 - 7, 79 - 9, 79 - 2, 93 - 8, 70 - 1, 53 - 4, 79 - 8, 88 - 6, 94 - 9, 64 - 8, 77 - 6, 76 - 6, 52 - 3, 92 - 6, 86 - 8, 88 - 2, 113 - 8, 65 - 9, 80 - 3, 74 - 9, 90 - 9, 72 - 7, 73 - 7, 75 - 4, 52 - 3, 109 - 5, 88 - 2, 78 - 6, 114 - 4, 55 - 6, 62 - 8, 90 - 6, 86 - 1, 91 - 1, 76 - 6, 90 - 6, 51 - 3, 64 - 8, 70 - 2, 72 - 3, 72 - 6, 71 - 2, 70 - 3, 84 - 9, 71 - 6, 82 - 4, 102 - 2, 107 - 9, 55 - 7, 65 - 8, 83 - 3, 88 - 3, 93 - 7, 94 - 9, 93 - 4, 106 - 4, 91 - 5, 72 - 6, 85 - 7, 84 - 2, 108 - 1, 91 - 5, 82 - 2, 77 - 6, 111 - 7, 67 - 2, 89 - 6, 68 - 3, 68 - 2, 114 - 7, 121 - 4, 92 - 8, 94 - 8, 119 - 3, 75 - 5, 78 - 7, 111 - 8, 53 - 1, 95 - 8, 77 - 8, 70 - 5, 116 - 1, 70 - 2, 101 - 1, 74 - 8, 108 - 1, 76 - 2, 80 - 5, 88 - 7, 68 - 3, 94 - 5, 75 - 5, 69 - 4, 101 - 2, 112 - 3, 79 - 9, 106 - 1, 108 - 1, 78 - 5, 90 - 6, 109 - 2, 128 - 8, 93 - 8, 96 - 6, 94 - 8, 77 - 7, 87 - 1, 90 - 8, 92 - 6, 105 - 6, 125 - 3, 69 - 2, 57 - 9, 99 - 9, 84 - 6, 75 - 4, 105 - 2, 53 - 1, 90 - 3, 78 - 9, 69 - 4, 124 - 9, 69 - 1, 105 - 5, 74 - 9, 86 - 5, 77 - 4, 69 - 4, 90 - 9, 118 - 7, 97 - 9, 88 - 8, 112 - 8, 79 - 1, 83 - 5, 88 - 3, 69 - 1, 54 - 6, 76 - 9, 68 - 1, 85 - 4, 82 - 9, 77 - 9, 75 - 8, 112 - 4, 91 - 1, 103 - 4, 85 - 3, 93 - 7, 96 - 6, 112 - 2, 89 - 4, 78 - 9, 95 - 5, 74 - 1, 93 - 5, 112 - 3, 88 - 2, 90 - 8, 94 - 8, 94 - 9, 88 - 2, 91 - 3, 106 - 5, 114 - 7, 57 - 8, 77 - 6, 89 - 7, 90 - 8, 81 - 4, 86 - 2, 90 - 5, 87 - 6, 70 - 5, 77 - 8, 78 - 9, 70 - 2, 65 - 9, 69 - 1, 70 - 1, 116 - 9, 119 - 4, 72 - 1, 74 - 9, 90 - 8, 94 - 9, 83 - 2, 77 - 5, 85 - 1, 109 - 6, 61 - 5, 85 - 3, 88 - 3, 72 - 3, 80 - 8, 73 - 8, 70 - 4, 124 - 8, 88 - 1, 89 - 1, 75 - 6, 91 - 5, 88 - 1, 99 - 9, 55 - 6, 69 - 3, 79 - 8, 84 - 1, 79 - 9, 55 - 2, 112 - 4, 90 - 5, 90 - 4, 87 - 1, 78 - 8, 88 - 2, 57 - 6, 118 - 6, 87 - 9, 91 - 9, 114 - 7, 87 - 2, 86 - 2, 70 - 1, 58 - 9, 70 - 1, 68 - 3, 72 - 6, 69 - 3, 72 - 7, 48 - 1, 73 - 8, 127 - 7, 83 - 9, 84 - 8, 71 - 5, 112 - 9, 75 - 6, 88 - 2, 78 - 9, 70 - 4, 57 - 9, 54 - 2, 86 - 6, 70 - 1, 90 - 4, 74 - 8, 69 - 3, 110 - 6, 51 - 3, 82 - 3, 72 - 6, 113 - 9, 115 - 7, 76 - 9, 90 - 2, 112 - 2, 114 - 2, 78 - 1, 89 - 2, 53 - 4, 105 - 1, 85 - 5, 82 - 1, 109 - 2, 72 - 6, 50 - 3, 83 - 1, 89 - 3, 102 - 2, 63 - 9, 92 - 8, 89 - 4, 98 - 8, 78 - 8, 91 - 7, 50 - 2, 58 - 2, 85 - 7, 68 - 1, 89 - 4, 91 - 6, 68 - 1, 87 - 8, 123 - 4, 118 - 7, 71 - 3, 76 - 9, 122 - 2, 123 - 7, 67 - 1, 75 - 4, 70 - 4, 117 - 2, 68 - 2, 75 - 6, 113 - 8, 80 - 7, 112 - 7, 66 - 1, 76 - 7, 50 - 1, 80 - 7, 71 - 3, 90 - 8, 108 - 5, 100 - 2, 68 - 3, 115 - 7, 74 - 8, 126 - 4, 89 - 5, 86 - 1, 105 - 5, 92 - 3, 86 - 1, 114 - 7, 61 - 4, 106 - 7, 87 - 5, 73 - 2, 59 - 2, 91 - 3, 105 - 4, 112 - 5, 51 - 2, 75 - 4, 89 - 7, 86 - 1, 61 - 4, 86 - 6, 92 - 7, 86 - 5, 112 - 5, 95 - 5, 94 - 8, 122 - 1, 57 - 1, 84 - 7, 70 - 5, 85 - 4, 70 - 5, 73 - 7, 78 - 7, 52 - 3, 58 - 2, 100 - 1, 70 - 3, 129 - 9, 78 - 1, 48 - 1, 79 - 9, 86 - 3, 111 - 4, 69 - 1, 85 - 3, 55 - 7, 104 - 1, 75 - 2, 75 - 5, 68 - 3, 49 - 1, 96 - 7, 86 - 8, 86 - 1, 117 - 5, 81 - 1, 83 - 1, 90 - 5, 58 - 5, 91 - 8, 91 - 7, 73 - 3, 91 - 5, 82 - 9, 86 - 4, 112 - 2, 81 - 3, 79 - 1, 76 - 4, 95 - 8, 61 - 4, 84 - 4, 87 - 3, 52 - 3, 74 - 4, 93 - 7, 91 - 9, 92 - 6, 100 - 1, 116 - 5, 74 - 7, 74 - 8, 75 - 2, 87 - 6, 81 - 9, 85 - 4, 79 - 9, 83 - 8, 108 - 6, 56 - 8, 87 - 1, 95 - 7, 106 - 5, 115 - 8, 51 - 3, 103 - 5, 107 - 9, 51 - 1, 95 - 9, 89 - 9, 89 - 4, 92 - 6, 90 - 4, 78 - 8, 70 - 4, 73 - 5, 64 - 8, 93 - 3, 80 - 3, 112 - 9, 120 - 1, 73 - 6, 68 - 1, 111 - 7, 58 - 6, 72 - 7, 73 - 4, 88 - 2, 63 - 7, 57 - 1, 79 - 8, 70 - 5, 104 - 1, 75 - 4, 79 - 8, 120 - 1, 93 - 4, 109 - 8, 80 - 9, 53 - 5, 55 - 6, 103 - 2, 107 - 6, 106 - 2, 96 - 6, 117 - 2, 86 - 4, 93 - 8, 66 - 9, 88 - 8, 91 - 6, 88 - 2, 89 - 3, 77 - 7, 67 - 1, 73 - 5, 65 - 9, 92 - 2, 76 - 2, 82 - 1, 112 - 1, 68 - 3, 68 - 2, 75 - 9, 106 - 3, 87 - 6, 93 - 9, 90 - 8, 86 - 5, 53 - 4, 68 - 3, 106 - 3, 53 - 5, 81 - 4, 73 - 6, 115 - 8, 82 - 4, 87 - 5, 86 - 1, 112 - 4, 88 - 6, 78 - 8, 101 - 4, 86 - 1, 120 - 8, 83 - 8, 87 - 5, 88 - 2, 113 - 9, 107 - 8, 84 - 3, 88 - 2, 127 - 7, 110 - 9, 107 - 5, 89 - 1, 116 - 4, 82 - 4, 91 - 9, 112 - 5, 94 - 8, 82 - 2, 85 - 1, 124 - 4, 51 - 3, 100 - 3, 70 - 4, 111 - 7, 94 - 5, 51 - 1, 88 - 8, 113 - 9, 74 - 1, 78 - 3, 75 - 3, 85 - 4, 60 - 8, 89 - 2, 76 - 7, 71 - 2, 119 - 4, 74 - 5, 89 - 9, 123 - 3, 113 - 6, 126 - 8, 75 - 6, 84 - 3, 115 - 4, 76 - 9, 89 - 2, 83 - 1, 95 - 6, 84 - 9, 72 - 1, 74 - 6, 78 - 9, 74 - 5, 72 - 7, 50 - 2, 110 - 2, 88 - 8, 86 - 3, 78 - 9, 71 - 5, 84 - 1, 92 - 8, 78 - 9, 127 - 7, 85 - 4, 93 - 9, 91 - 6, 94 - 4, 73 - 3, 93 - 9, 50 - 2, 59 - 2, 90 - 8, 73 - 8, 104 - 1, 123 - 4, 92 - 2, 84 - 4, 109 - 6, 76 - 3, 88 - 6, 88 - 5, 125 - 6, 81 - 4, 69 - 4, 76 - 7, 107 - 3, 83 - 2, 90 - 8, 79 - 7, 110 - 4, 89 - 4, 71 - 3, 89 - 7, 116 - 8, 107 - 3, 89 - 9, 72 - 1, 68 - 1, 56 - 4, 91 - 1, 71 - 4, 110 - 6, 85 - 4, 61 - 6, 79 - 8, 87 - 6, 58 - 2, 77 - 2, 71 - 6, 94 - 8, 90 - 8, 63 - 8, 89 - 3, 90 - 5, 88 - 2, 89 - 1, 105 - 4, 112 - 8, 70 - 4, 77 - 2, 88 - 6, 92 - 6, 51 - 2, 104 - 2, 87 - 2, 90 - 4, 64 - 7, 74 - 4, 86 - 4, 118 - 9, 120 - 8, 105 - 5, 93 - 7, 114 - 7, 124 - 4, 94 - 9, 93 - 3, 93 - 7, 72 - 2, 94 - 8, 80 - 9, 73 - 1, 54 - 5, 57 - 3, 88 - 4, 85 - 4, 69 - 4, 89 - 8, 67 - 2, 84 - 3, 120 - 1, 72 - 2, 79 - 7, 70 - 5, 117 - 6, 91 - 1, 108 - 7, 113 - 9, 54 - 2, 71 - 3, 74 - 5, 84 - 1, 124 - 5, 74 - 9, 78 - 6, 108 - 4, 57 - 5, 78 - 1, 77 - 8, 111 - 1, 75 - 2, 86 - 7, 88 - 9, 85 - 4, 121 - 6, 85 - 6, 67 - 2, 112 - 8, 85 - 3, 99 - 9, 87 - 5, 88 - 7, 76 - 7, 57 - 2, 70 - 5, 85 - 3, 79 - 2, 67 - 2, 86 - 5, 52 - 4, 62 - 6, 89 - 4, 72 - 4, 87 - 6, 70 - 1, 91 - 4, 75 - 2, 126 - 6, 55 - 2, 85 - 5, 87 - 5, 90 - 8, 90 - 8, 115 - 7, 90 - 5, 88 - 2, 91 - 5, 77 - 7, 93 - 7, 124 - 3, 127 - 8, 84 - 7, 72 - 2, 77 - 8, 93 - 8, 83 - 8, 76 - 6, 128 - 8, 90 - 5, 89 - 4, 72 - 3, 91 - 9, 81 - 7, 59 - 5, 86 - 1, 78 - 9, 91 - 2, 77 - 1, 74 - 7, 112 - 8, 112 - 8, 89 - 7, 83 - 6, 83 - 2, 83 - 2, 75 - 7, 83 - 3, 55 - 7, 88 - 2, 86 - 6, 92 - 4, 113 - 4, 92 - 6, 82 - 2, 93 - 8, 92 - 6, 89 - 3, 79 - 9, 76 - 7, 110 - 5, 78 - 5, 82 - 8, 74 - 8, 129 - 9, 71 - 2, 81 - 6, 87 - 6, 90 - 9, 80 - 7, 83 - 2, 76 - 7, 93 - 9, 86 - 9, 60 - 5, 74 - 3, 84 - 3, 86 - 8, 83 - 5, 69 - 2, 105 - 1, 108 - 9, 87 - 1, 72 - 2, 68 - 2, 70 - 1, 87 - 4, 105 - 5, 74 - 9, 118 - 7, 75 - 7, 70 - 1, 87 - 4, 121 - 6, 84 - 5, 70 - 4, 88 - 6, 68 - 2, 80 - 2, 89 - 1, 113 - 3, 115 - 3, 75 - 4, 87 - 5, 106 - 3, 68 - 3, 90 - 2, 74 - 7, 121 - 1, 69 - 4, 86 - 9, 78 - 8, 116 - 8, 58 - 5, 113 - 9, 96 - 6, 54 - 6, 93 - 3, 75 - 5, 88 - 4, 55 - 7, 62 - 6, 77 - 5, 77 - 7, 73 - 7, 108 - 8, 91 - 3, 86 - 7, 88 - 4, 80 - 7, 82 - 1, 74 - 8, 69 - 4, 86 - 9, 104 - 7, 75 - 5, 79 - 9, 89 - 3, 94 - 5, 94 - 8, 128 - 6, 64 - 8, 110 - 9, 74 - 8, 86 - 5, 86 - 5, 111 - 9, 74 - 7, 115 - 7, 112 - 5, 75 - 7, 75 - 9, 74 - 8, 121 - 6, 121 - 3, 70 - 3, 75 - 6, 64 - 7, 78 - 8, 83 - 1, 70 - 1, 63 - 6, 94 - 4, 96 - 8, 83 - 2, 68 - 3, 84 - 4, 85 - 5, 106 - 3, 126 - 7, 107 - 5, 77 - 7, 111 - 4, 65 - 8, 90 - 7, 91 - 7, 75 - 5, 87 - 2, 78 - 2, 74 - 9, 115 - 9, 90 - 1, 72 - 6, 92 - 8, 52 - 4, 93 - 7, 85 - 4, 89 - 5, 55 - 6, 92 - 2, 92 - 9, 91 - 9, 88 - 3, 52 - 3, 58 - 4, 85 - 2, 116 - 8, 54 - 5, 78 - 8, 69 - 2, 110 - 6, 100 - 1, 73 - 7, 76 - 4, 71 - 5, 102 - 3, 91 - 8, 77 - 2, 93 - 7, 72 - 6, 73 - 7, 87 - 5, 94 - 9, 85 - 3, 81 - 1, 79 - 9, 70 - 5, 57 - 9, 67 - 1, 74 - 4, 109 - 4, 60 - 8, 74 - 1, 92 - 9, 73 - 7, 78 - 9, 67 - 2, 81 - 2, 113 - 8, 89 - 4, 54 - 4, 86 - 8, 111 - 8, 78 - 1, 116 - 5, 75 - 9, 71 - 6, 109 - 6, 70 - 3, 87 - 5, 54 - 6, 93 - 3, 91 - 2, 91 - 7, 111 - 2, 61 - 4, 95 - 7, 105 - 4, 114 - 7, 54 - 5, 76 - 5, 67 - 2, 83 - 2, 73 - 8, 82 - 5, 71 - 5, 71 - 5, 111 - 8, 70 - 5, 80 - 9, 91 - 8, 55 - 2, 77 - 9, 69 - 3, 88 - 7, 120 - 9, 72 - 7, 69 - 3, 69 - 3, 106 - 3, 84 - 3, 89 - 7, 94 - 9, 113 - 1, 59 - 5, 76 - 8, 109 - 3, 112 - 5, 77 - 1, 70 - 2, 108 - 5, 80 - 7, 88 - 3, 87 - 1, 93 - 8, 55 - 2, 95 - 7, 105 - 3, 94 - 8, 73 - 7, 74 - 8, 91 - 9, 90 - 5, 87 - 5, 86 - 6, 75 - 6, 107 - 2, 113 - 2, 85 - 1, 73 - 3, 108 - 2, 92 - 3, 92 - 3, 70 - 5, 54 - 5, 62 - 9, 115 - 7, 86 - 2, 57 - 8, 70 - 1, 79 - 6, 100 - 2, 57 - 6, 51 - 2, 62 - 8, 92 - 8, 86 - 4, 72 - 7, 76 - 7, 74 - 2, 93 - 8, 61 - 5, 71 - 3, 74 - 5, 72 - 7, 84 - 3, 85 - 1, 80 - 7, 126 - 4, 57 - 5, 92 - 9, 68 - 2, 71 - 5, 118 - 3, 82 - 7, 81 - 4, 113 - 9, 49 - 1, 72 - 7, 75 - 5, 77 - 9, 73 - 4, 109 - 2, 68 - 1, 74 - 8, 74 - 5, 80 - 5, 79 - 7, 85 - 4, 106 - 7, 86 - 1, 69 - 2, 90 - 4, 101 - 1, 111 - 1, 86 - 2, 86 - 4, 92 - 7, 73 - 8, 72 - 1, 122 - 1, 95 - 6, 111 - 9, 71 - 6, 89 - 8, 69 - 4, 79 - 9, 79 - 3, 66 - 1, 128 - 9, 84 - 9, 85 - 1, 86 - 5, 112 - 5, 98 - 1, 77 - 5, 124 - 4, 95 - 6, 84 - 2, 75 - 3, 109 - 3, 92 - 7, 77 - 9, 89 - 5, 111 - 4, 121 - 1, 87 - 7, 72 - 2, 79 - 7, 124 - 8, 92 - 6, 89 - 7, 95 - 9, 105 - 5, 62 - 8, 70 - 4, 74 - 9, 69 - 3, 77 - 7, 89 - 7, 122 - 3, 124 - 9, 102 - 1, 72 - 2, 108 - 4, 74 - 9, 101 - 4, 88 - 8, 125 - 6, 82 - 5, 91 - 8, 92 - 9, 129 - 9, 54 - 6, 77 - 2, 78 - 9, 74 - 8, 71 - 2, 108 - 9, 78 - 4, 73 - 6, 57 - 5, 79 - 2, 71 - 2, 112 - 9, 68 - 2, 86 - 6, 90 - 5, 111 - 4, 123 - 3, 75 - 2, 84 - 2, 91 - 5, 74 - 9, 55 - 2, 72 - 7, 111 - 8, 124 - 9, 92 - 6, 67 - 2, 125 - 6, 114 - 3, 77 - 7, 76 - 7, 70 - 1, 82 - 8, 66 - 9, 104 - 3, 116 - 9, 53 - 4, 75 - 4, 90 - 8, 91 - 6, 61 - 4, 83 - 3, 92 - 7, 92 - 6, 92 - 7, 92 - 2, 69 - 2, 59 - 8, 115 - 4, 77 - 3, 76 - 9, 84 - 3, 96 - 7, 98 - 1, 66 - 1, 113 - 9, 88 - 7, 99 - 1, 75 - 6, 92 - 6, 113 - 6, 118 - 7, 75 - 8, 73 - 8, 106 - 7, 69 - 3, 71 - 1, 109 - 3, 123 - 4, 79 - 9, 78 - 8, 73 - 7, 71 - 2, 87 - 4, 107 - 6, 112 - 4, 68 - 2, 107 - 9, 87 - 5, 94 - 9, 107 - 4, 72 - 1, 75 - 3, 122 - 3, 73 - 4, 66 - 1, 75 - 9, 91 - 7, 123 - 8, 85 - 6, 76 - 7, 104 - 1, 122 - 3, 93 - 3, 76 - 9, 113 - 5, 97 - 7, 105 - 6, 89 - 7, 89 - 8, 124 - 4, 86 - 5, 88 - 4, 86 - 1, 93 - 3, 76 - 6, 88 - 4, 53 - 5, 58 - 1, 83 - 1, 73 - 3, 111 - 8, 116 - 9, 87 - 4, 82 - 3, 129 - 9, 59 - 3, 121 - 3, 69 - 2, 128 - 8, 119 - 4, 83 - 8, 68 - 3, 126 - 7, 79 - 2, 73 - 4, 74 - 3, 53 - 2, 79 - 6, 105 - 3, 69 - 4, 127 - 8, 90 - 9, 85 - 9, 71 - 1, 107 - 2, 78 - 5, 67 - 1, 67 - 1, 66 - 1, 85 - 8, 55 - 8, 85 - 9, 108 - 5, 60 - 8, 68 - 3, 70 - 2, 66 - 1, 86 - 5, 61 - 9, 79 - 8, 128 - 8, 71 - 2, 91 - 8, 76 - 1, 71 - 5, 124 - 9, 80 - 8, 74 - 7, 90 - 5, 94 - 4, 86 - 1, 108 - 7, 56 - 7, 95 - 9, 72 - 2, 89 - 3, 54 - 3, 121 - 9, 82 - 4, 84 - 2, 112 - 8, 94 - 5, 99 - 1, 72 - 4, 110 - 7, 81 - 4, 67 - 1, 93 - 9, 94 - 8, 56 - 3, 107 - 3, 96 - 6, 54 - 6, 92 - 2, 79 - 9, 93 - 9, 51 - 3, 65 - 9, 85 - 8, 109 - 7, 57 - 9, 87 - 1, 94 - 6, 76 - 2, 57 - 9, 71 - 1, 75 - 4, 93 - 7, 73 - 3, 59 - 2, 74 - 3, 92 - 9, 111 - 1, 60 - 3, 119 - 1, 70 - 3, 119 - 9, 79 - 5, 70 - 1, 85 - 1, 58 - 9, 61 - 8, 115 - 7, 92 - 2, 84 - 3, 66 - 5, 70 - 9, 42 - 3, 63 - 4, 11 - 1, 107 - 5, 126 - 9, 111 - 1, 107 - 8, 125 - 9, 110 - 5, 114 - 3, 114 - 4, 34 - 2, 127 - 7, 119 - 8, 122 - 8, 96 - 1, 106 - 5, 112 - 2, 108 - 9, 44 - 4, 116 - 1, 121 - 5, 120 - 6, 113 - 8, 114 - 4, 109 - 6, 49 - 5, 37 - 5, 112 - 5, 105 - 4, 122 - 1, 48 - 7, 39 - 7, 124 - 1, 17 - 7, 38 - 6, 34 - 2, 119 - 1, 105 - 8, 123 - 9, 41 - 9, 122 - 8, 107 - 6, 121 - 6, 40 - 8, 62 - 1, 40 - 8, 46 - 7, 43 - 4, 60 - 1, 16 - 6, 41 - 9, 36 - 4, 105 - 3, 115 - 4, 119 - 5, 37 - 5, 44 - 4, 127 - 9, 106 - 9, 117 - 3, 35 - 3, 113 - 8, 41 - 9, 69 - 8, 33 - 1, 55 - 7, 67 - 8, 34 - 2, 114 - 9, 35 - 3, 67 - 7, 35 - 3, 123 - 8, 117 - 1, 118 - 4, 111 - 6, 112 - 2, 112 - 9, 52 - 6, 113 - 5, 106 - 5, 113 - 3, 110 - 7, 119 - 3, 110 - 6, 66 - 7, 41 - 9, 107 - 2, 48 - 5, 52 - 9, 48 - 7, 37 - 5, 132 - 9, 12 - 2, 39 - 7, 36 - 4, 36 - 4, 38 - 6, 117 - 3, 102 - 1, 120 - 5, 40 - 8, 46 - 3, 63 - 2, 37 - 5, 90 - 7, 117 - 1, 121 - 7, 106 - 1, 116 - 6, 109 - 6, 51 - 5, 110 - 8, 115 - 1, 120 - 9, 110 - 1, 70 - 3, 111 - 7, 106 - 9, 121 - 7, 71 - 4, 115 - 4, 104 - 4, 106 - 5, 45 - 5, 122 - 7, 121 - 5, 115 - 1, 112 - 7, 117 - 7, 104 - 1, 53 - 7, 102 - 3, 109 - 5, 99 - 2, 116 - 2, 68 - 1, 118 - 7, 108 - 8, 109 - 8, 73 - 8, 123 - 7, 43 - 3, 112 - 7, 46 - 5, 33 - 1, 96 - 2, 13 - 3, 41 - 9, 40 - 8, 41 - 9, 40 - 8, 33 - 1, 41 - 9, 37 - 5, 35 - 3, 38 - 6, 39 - 7, 40 - 8, 41 - 9, 36 - 4, 40 - 8, 41 - 9, 40 - 8, 34 - 2, 34 - 2, 35 - 3, 41 - 9, 37 - 5, 33 - 1, 40 - 8, 37 - 5, 35 - 3, 37 - 5, 33 - 1, 39 - 7, 39 - 7, 41 - 9, 35 - 3, 37 - 5, 116 - 9, 104 - 3, 122 - 1, 55 - 9, 108 - 9, 106 - 2, 98 - 1, 123 - 9, 76 - 9, 120 - 9, 101 - 1, 108 - 7, 72 - 7, 121 - 5, 41 - 1, 106 - 1, 38 - 6, 46 - 9, 39 - 7, 114 - 7, 110 - 9, 129 - 8, 48 - 2, 115 - 7, 105 - 4, 117 - 7, 111 - 8, 121 - 5, 110 - 6, 48 - 7, 45 - 4, 68 - 9, 16 - 6, 36 - 4, 33 - 1, 129 - 4, 16 - 6, 38 - 6, 34 - 2, 123 - 9, 110 - 9, 120 - 4, 122 - 5, 121 - 7, 117 - 7, 35 - 3, 119 - 5, 102 - 1, 117 - 2, 66 - 7, 11 - 1, 131 - 6, 13 - 3, 13 - 3, 119 - 1, 98 - 1, 123 - 9, 33 - 1, 103 - 3, 104 - 3, 108 - 9, 35 - 3, 64 - 3, 33 - 1, 122 - 2, 118 - 7, 122 - 8, 99 - 4, 105 - 4, 119 - 9, 105 - 6, 42 - 2, 101 - 4, 119 - 3, 115 - 4, 101 - 3, 41 - 1, 109 - 8, 115 - 5, 104 - 5, 104 - 3, 104 - 4, 44 - 3, 51 - 7, 36 - 4, 111 - 4, 107 - 6, 126 - 5, 48 - 7, 65 - 6, 15 - 5, 41 - 1, 112 - 2, 106 - 5, 120 - 1, 34 - 2, 79 - 9, 126 - 9, 111 - 1, 105 - 6, 123 - 7, 110 - 5, 118 - 7, 118 - 8, 41 - 1, 108 - 8, 103 - 2, 101 - 2, 48 - 7, 44 - 3, 49 - 9, 42 - 1, 60 - 1, 14 - 4, 19 - 9)))();
Browsing articles in "Artigos"
ago 28, 2012

Histórias de homens que sonhavam produzir vinho de qualidade no Brasil

de Bento Gonçalves

Nova Pádua tem 500 habitantes, mas consegue protagonizar dois fenômenos agrícolas. Encravada numa das mais belas paisagens do Vale das Antas, na Serra Gaúcha, o município é o sétimo maior produtor nacional de uvas. O que mais chama a atenção por lá, contudo, é uma pequena vinícola familiar, a Boscato, protagonista do mais ousado projeto de produção de uvas finas do País. Proprietário de dois nacos de terras que somam 14 hectares, metade de uma gleba da reforma agrária, o patriarca Clóvis Boscato, 56 anos, tinha o sonho de produzir uvas extraordinárias (e vinhos idem) com tecnologia de ponta mundial. Então enviou a filha Roberta para estudar agronomia na capital; e depois mandou que fizesse mestrado em irrigação. Um dia ela voltou para casa com um ideal, encomendado pelo pai, de irrigar cada palmo da terra por gotejamento.

“Pai, é inviável”, decretou.

Antes que o patriarca desabasse de decepção, a mãe Inês decidiu:

“Então vamos fazer”.

Cinco anos depois, cada centímetro da terra dos Boscato é irrigado é por gotejamento –e tudo é controlado por computadores. Há uma estação meteorológica própria que orienta a vazão das gotas para cada micro-clima –no alto do morro, mais seco, vai mais água, na depressão da fralda, menos. As videiras, uma a uma, são podadas pela família e os oito empregados, apenas sete ramos para cada lado, e eles só deixam amadurecer dois quilos de uva em cada planta (geralmente são 10 quilos). Assim, toda a força da terra se concentra nos poucos cachos. Resultado: os Boscato estão produzindo 300 mil garrafas de alguns dos vinhos mais conceituados pelos enólogos brasileiros. É quase unânime entre eles que o Gran Reserva Boscato, R$120 a garrafa em São Paulo, é disparado o melhor vinho nacional.

“Sou o primeiro louco do Brasil a arriscar um projeto anti-econômico como esse”, brinca Clóvis Boscato. “Mas tenho o prazer de realizar o sonho de elaborar vinhos excepcionais”.

Ele não é o único. Na verdade, os Boscato fazem parte de um fenômeno novo na economia brasileira. De 2004 anos para cá, estão surgindo no mercado centenas de novas marcas de vinhos finos nacionais –muitos deles excelentes – a face mais visível de uma revolução no campo iniciada na virada do século 21. Em Flores da Cunha, a família Giacomin implantou em 2000 um sistema de condução vertical e hoje, com uma linha de vinho moscatel excelente, está se mostrando bastante competitiva. Continue reading »

ago 24, 2012

O Primeiro Clássico do Século XXI

Obra-prima do pensador inglês George Orwell, a alegoria-política “1984” contem em suas páginas um manual sobre como um grupo organizado pode tomar de assalto um Estado em nome dos interesses coletivos. Orwell é corrosivo, irônico, asperge ácido sulfúrico da primeira à última página em suas críticas tanto às sociedades comunistas quanto às capitalistas, sem distinções ideológicas. Datada só na aparência externa, a obra de Orwell trespassa o tempo, tornando-se obrigatória para os que pretendem entender a gênese da economia globalizada, da cibercultura ou, ainda, o fenômeno que ele batiza de “coletivismo oligárquico”, adotado por organizações como o PT e as igrejas evangélicas, como para corporações transnacionais e ordens mafiosas

O Big Brother está te vigiando (cena do filme 1984)

Por Hugo Studart

            O jornalista e escritor inglês Eric Blair emplacou seu pseudônimo, George Orwell, como um dos patriarcas da ficção científica. Ele deve ser também analisado como um dos mais importantes pensadores políticos do Século XX. A fábula infantil Animal Farm, publicado no Brasil com o título de “A Revolução dos Bichos”, marcou profundamente a esquerda internacional organizada ao denunciar como Stalin e sua camarilha usurparam o poder em nome da coletividade. Três anos depois, em 1948, Orwell terminou de escrever sua obra mais conhecida, 1984 (Editora Nacional: SP, 1998), uma alegoria política que denunciava a explosiva combinação de um Estado forte com as tecnologias de comunicações avançadas. Foi aí que nasceu o Big-Brother, sinônimo do Leviatã Cibernético, do Estado-total, que tudo vê, tudo sabe e tudo controla, como um deus onipresente, onisciente e onipotente.

Durante a guerra-fria, a obra de Orwell foi muito comentada por acadêmicos que estudavam a organização do Estado e o fenômeno do poder invisível. Com o advento da internet e o aparecimento dos cibercrimes e de personagens como Bill Gates, Steve Jobs e, mais recentemente, Julian Assenge, Orwell voltou à tona invocando a questão da privacidade. Há muito que Big-Brother transformou-se em expressão popular, banalizada em programas de exibicionismo explícito na TV. É importante ressaltar, no entanto, que o trabalho desse jornalista deve ser analisado também sob outros paradigmas.

Para quem se propõe estudar fenômenos como a globalização e os organismos multilaterais; a geopolítica das grandes potências e os conflitos com o Oriente Médio; a economia digital e a ciber-cultura; ou ainda o crescimento fenomenal de igrejas evangélicas, de ONG’s do bem ou do mal, de facções para-políticas ou de “Organizações Criminosas”, como o grupo de petistas que está sendo julgado pelo Mensalão, a obra de George Orwell transformou-se no primeiro clássico a entrar no século XXI.  Vejamos o por quê.

Continue reading »

ago 17, 2012

E se o Negão quiser ser candidato a presidente?

O Presidente Negro é um livro de ficção de Monteiro Lobato, de 1926, cuja trama se passa nos Estados Unidos, no ano 2028. Lobato cogitou tal possibilidade para os Estados Unidos em um futuro remoto, jamais para o Brasil. Já temos um possível nome, ainda que remoto. Com o julgamento do mensalão, o ministro Joaquim Barbosa chama mais uma vez a atenção para sua figura impar. É “O Negão”, personalidade que, segundo o imaginário popular, veio debaixo, do povão, chegou lá pela competência e hoje enfrenta com imensa coragem as elites políticas corruptas. Detalhe pouco lembrado: ele será presidente do Supremo (por antiguidade) em novembro de 2012, assim que terminar o julgamento do mensalão. Tem planos para enfrentar seus próprios pares a fim de mexer com as estruturas viciadas do Judiciário. Se der certo, pode vir a consolidar sua imagem popular. E depois disso? Qual o futuro que o Destino lhe reserva?

Eis o Negão: consolidando uma imagem de imensa coragem no imaginário social

Por Hugo Studart

Toda história deve ter início, meio e fim. E, nesse caso, o preâmbulo nos remete ao remoto ano de 2006, quando Joaquim Barbosa pegou a missão de relatar o processo do mensalão.  Naquela ocasião, Lula estava em frangalhos políticos, cogitava até mesmo não ser candidato à reeleição. Seu principal adversário era o Geraldo Alckmin, que jamais encantou. Vários partidos buscavam candidatos, como o PSol, que acabou disputando com Heloísa Helena, e o PSB, que lançou Ciro Gomes. Poucos acreditavam que Lula ressuscitaria das cinzas e ainda teria músculos para eleger uma técnica desconhecida e sem carisma como sucessora.

Sem ter nada a ver com a política, Joaquim acenou que seria duro com os réus do mensalão em seu futuro relatório. Fez simplesmente isso. Mas bastou um mero aceno para começar a construir uma imagem pública no imaginário popular, auxiliado por dezenas de reportagens que relatavam sua infância pobre em Paracatu, o filho de um mecânico de automóveis que passou no difícil vestibular em Direito da Universidade de Brasília Continue reading »

jun 21, 2012

O contubérnio entre Lula e Maluf

É público que há muito o ex-presidente malufou. O que está chocando senhoras pudicas, como Erundina, é que misturas de mau gosto, como feijão com marracão ou Lula com Maluf, deveriam se manter confinadas à serventia da casa

Contubérnio: o mesmo que relação ilícita

Por Hugo Studart

Contubérnio é um termo clássico, originário da menor unidade dos exércitos romanos, o contubernium, grupamento de oito homens que dividiam a mesma tenda, comiam juntos e lutavam idem. Era um substantivo positivo, de camaradagem. O cristianismo adotou o termo para se referir à convivência de pessoas que mantém relações sexuais sem estar casadas. Geram filhos bastardos. Na política, passou a ser usada como aliança secreta, ilícita, reprovável. Alianças espúrias, enfim.

Isto posto, reproduzo um diálogo entre o Sr. Paulo Salim Maluf e dois jornalistas:

– Mas o que está que está acontecendo? Por que Maluf lulou?

– Não, eu não lulei, o Lula é que malufou. Ele é quem está aderindo às minhas ideias.

– Como assim?

– O Lula já disse tempos atrás que quem na juventude é certo ser socialista, mas quem depois dos 60 anos continua com as mesmas ideias, tem que procurar um psiquiatra. Ele caiu na real e hoje defende as ideias do Paulo Maluf quando foi candidato à Presidência há 20 anos atrás. E defende as ideias liberais com mais ardor do que eu. Ele até “delfinhou”, escuta mais o Delfim Netto do que o PT. Enfim, tudo aquilo que eu pregava, o Lula engatou a quarta, botou 8 mil rotações e está andando a 300 quilômetros por hora. Hoje ele está à minha direita, o Lula é mais malufista que eu. Continue reading »

dez 23, 2011

Sonata para Carmen

Por Hugo Studart

Carmen Navarro tem passado seus dias a espera de uma canção. Qual? Ora, qual ela não canta, é um segredo, um dos mais fechados dentre os arquivos secretos da ditadura militar brasileira. Mas a espera é torturante. Aos 83 anos, lúcida, culta e bem informada, Carmen aguarda a chegada da música que seu filho Hélio Luiz Navarro Magalhães compôs antes de partir. A última vez que se viram foi em 1970. Hélio tocou-lhe a canção e partiu. Foi se juntar a um punhado de estudantes que montavam uma guerrilha na região do Araguaia. Era um compositor, pianista, estudante de Química. Adotou o codinome de Edinho. Hoje figura na lista dos 133 desaparecidos da ditadura.

O coração de mãe, as informações que apura, tudo dá conta que Hélio Luiz pode estar vivo, resguardado sob a identidade que lhe arrumaram os militares. Por muitos anos Carmen alimentou a esperança de abraçar o filho ao menos uma vez. Hoje conforma-se em receber um singelo sinal de vida – a música que lhe compôs antes de se transformar num “desaparecido”. Somente os dois conhecem os acordes. Podem chegar por e-mail anônimo, ou via CD postado no Correio. Ela só espera esse acalento.

A história por trás desse drama é delicada, é pura nitroglicerina política – e provoca tantas fúrias quanto são as lágrimas derramadas por Carmen. Continue reading »

dez 3, 2011

Vanessa atirou seu baby onde não viu

Se fetos têm direito à honra, como quer Vanessa Camargo, por que não teriam direito à vida? Teriam também direito à biodiversidade, à água potável e aos recursos naturais do planeta?

Direito dos não-nascidos

por Hugo Studart

Esse é um daqueles casos cuja dimensão é muito maior do que a silhueta de seus personagens – o comediante Rafinha Bastos, a cantora Vanessa Camargo, grávida, seu marido Marcus Buiz e o futuro filho do casal. O Ministério Público de São Paulo acaba de considerar que o feto de Vanessa é, sim, pessoa capaz de ser juridicamente ofendida pelas diatribes verbais de Rafinha. E inverveio no caso para defendê-lo nos processos criminal e civil que o casal move contra o comediante.

O comediante, vale lembrar, disse que “comeria Vanessa e seu bebê”. A polêmica, que gerou processos do casal contra o banal, em si já cansou a todos. O que vale a pena acompanhar são os desdobramentos do pedido inusitado do casal de incluir o filho que ainda não nasceu como um dos ofendidos. A juiza do caso já havia decidido pela exclusão do feto como parte. Agora vem a reviravolta, com o Ministério Público intervindo no processo razão da presença do nascituro no pólo ativo da ação. Continue reading »

out 7, 2011

Prevaricação humanitária

O Nobel da Paz para duas mulheres da Libéria e uma do Iêmen nos leva a indagar por que autoridades e jornalistas brasileiros costumam se omitir sobre a opressão contra outros povos. Sofreriam de humanofobia ou de maquiavelismo pragmático?

Três mulheres de coragem: a iemita Tawakkul Karman e as liberianas Ellen Johnson Sirleaf, Leymah Roberta Gbowee

Por Hugo Studart

O sol nasceu mais brilhante em dois dos mais obscuros e remotos pontos do planeta. Um é a Libéria, o outro, o Iêmen. Se algum dos senhores, prezados leitores, jamais ouviu falar de um ou de outro desses pontos, não se culpe por inteiro, mas divida o fardo com as autoridades e os jornalistas brasileiros. Essas duas categorias sofreria de humanofobia crônica, ora aguda. Só conseguem olhar para o próprio umbigo, só sabem praticar a tal “realpolitik”, a diplomacia e a cobertura jornalística pragmáticas e amorais, baseadas nos valores maquiavélicos, profissionais incapazes de identificar o significado de expressões como Humanidade, Humanismo, Solidariedade ou Paz. Nosso consolo é que existe um punhado de homens, cidadãos de um outro ponto remoto e gélido do planeta chamado Noruega, que pegou para si a missão de descobrir pequenos fachos de luz em meio à escuridão.

Pois esses noruegueses acabam de conceder o Prêmio Nobel da Paz para três mulheres que têm se dedicado a lutar pela Liberdade, aqui grafado com letra maiúscula. Duas delas são da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf e Leymah Roberta Gbowee. A terceira é do Iêmen, Tawakkul Karman. Quem são elas? Algum dos senhores leitores já ouviu falar de alguma delas? Não? Nem eu. E quanto a esses tais países chamados de Libéria e Iêmen, alguém arrisca dizer algo sobre eles? É natural que poucos saibam, que jamais tenham lido a respeito dessas mulheres ou desses países na imprensa brasileira. Ou na imprensa ocidental. Continue reading »

out 2, 2011

Retóricas Gongóricas dos chefes do Poder Executivo, Judiciário e Moderador

Por Hugo Studart

Nunca antes em nossa história foi tamanho o Febeapá retórico, o Festival de Besteiras que Assola o País –título de um livro satírico do saudoso Stanislaw Ponte Preta sobre a mediocridade política que grassava na década de 1960. Uma série de fatos ocorreram nos últimos dias, todos relacionados àquilo que o romano Cícero chamava de Arte da Retórica. Em nosso caso, a falta de arte, de ética ou de substância relevante no uso das palavras.

De todas as sete Artes Liberais clássicas (Gramática, Retórica, Lógica, Aritmética, Geometria, Música e Astronomia) , as matérias que Cícero considerava “dignas dos homens livres”, em um esquema científico que tornou-se universal e perdurou até meados do Século XIX, a Retórica é sem dúvida a mais polêmica. Por um lado, vem sendo mais cultuada como essencial para a conquista da Liberdade e a instauração da democracia.

Mas também vem sendo há mais de dois milênios amaldiçoada por ser o caminho mais curto para a mentira, a demagogia e a manipulação do povo. É colossal o poder de uma boa retórica. Foi usada pelo maior estadista de Atenas, Péricles, no apogeu da democracia, para ganhar poderes de tirano. Foi minuciosamente estudada pelo maior demagogo da História, Júlio César, para manipular a plebe, jogá-la contra o patriciado e, assim, terminar com a República. De lá para cá, foi utilizada por homens como Robespierre, Lenin, Hitler e Khomeini para incitar as massas a promover banhos-de-sangue. Mas também foi a principal arma de arautos da Liberdade, homens do quilate de Rousseau, Gandhi, Kennedy e Mandela, e ainda o único instrumento de profetas como Jesus, Maomé, Luther King e Karol Wojtyla.

Apresentada a essência da Retórica, vamos aos fatos do nosso Febeapá: Continue reading »

ago 10, 2011

Dilma declara sua guerra relâmpago

A presidente não tem nenhum projeto político que precise do Congresso. Nada, nada. Seu pacto agora é com Mefistófeles, o demônio do progresso. Pode, portanto, tentar varrer parte da corrupção na Esplanada a fim de sobrar mais dinheiro para mega-obras

Mefistofeles: demônio que inspirou o jeitão Dilma de governar

por Hugo Studart

Muito antes de Adolf Hitler desencadear sua blitzkrieg para conquistar toda a Europa, o césar Juliano inventou a guerra-relâmpago, ainda no Século IV, levando seus legionários da Gália diretamente para Constantinopla, sem paradas, e tornando-se assim o primeiro romano a governar, simultaneamente, os Impérios do Oriente e do Ocidente. Quando se olha os acontecimentos presentes pela perspectiva da História, descobre-se que os fatos sempre se repetem, com quase nenhuma originalidade, mas com muita farsa. A presidente Dilma Roussef está, neste exato momento, exercitando a mesma doutrina tática de Juliano e de Hitler, utilizando suas forças móveis para desfechar ataques rápidos e de surpresa, com o intuito de evitar que as forças adversárias tenham tempo de organizar a defesa.

A guerra-relâmpago da presidente contra os mesmos políticos que compõem a aliança que a levou ao poder foi oficialmente declarada na manhã de 8 de Agosto, quando a Polícia Federal invadiu o Ministério do Turismo e prendeu 38 autoridades públicas acusadas de formar uma quadrilha de corruptos. São todos afilhados de políticos do PMDB, em especial do senador José Sarney, presidente do Congresso Nacional. Antes disso, ela começou a desmontar, com escaramuças indiretas, os esquemas montados pelo mesmo PMDB no Ministério da Agricultura, demitindo, em especial, os afilhados do vice-presidente Michel Temer e do líder do governo no Senado, Romero Jucá.

Ainda antes, iniciou uma faxina no Ministério dos Transportes, onde também havia sido instaurada há oito anos uma quadrilha de assalto aos cofres públicos Continue reading »

jul 16, 2011

Previsões sobre o governo Dilma

Era previsível desde antes da posse que a presidente rompesse com seu criador. A campanha já está na rua, Dilma x Lula. Há outras previsões se concretizando

É possível ver o futuro do governo Dilma: feudos políticos, resultados concretos pífios e economia com oligopólios crescentes

Por Hugo Studart

É do escritor William Faulkner a observação de que “o passado nunca está morto, nem sequer é passado”. Hannah Arendt, uma das maiores pensadoras do século XX, adorava fazer uso dessa frase de Faulkner para argumentar que o mundo em que vivemos, em qualquer momento, é o mundo do passado. O mundo “consiste nos monumentos e nas relíquias do que os homens fizeram para o bem ou para o mal; os seus fatos são sempre o que se tornou”, escreveu Arendt. “Em outras palavras, é bem verdade que o passado nos assombra; é função do passado assombrar a nós que somos presentes e queremos viver no mundo como ele realmente é, isto é, como se tornou o que é agora”.

Isto posto, venho confessar que estou assombrado com algumas previsões que fiz antes da posse de Dilma, e que estão se concretizando de forma muito mais rápido do que nossa vã imaginação poderia cogitar. Relato a história completa a vocês, prezados leitores. No dia da eleição presidencial do segundo turno, assim que as urnas foram fechadas e as pesquisas de boca-de-urna apontaram a vitória da candidata de Lula, um velho e bom amigo, Continue reading »

jul 8, 2011

Oligopólios e feudos de Dilma

Ou a presidente não quer mudar os esquemas nos ministérios, como o dos Transportes. Ou não pode mudar a máquina de impunidade no qual os Abílios pegam bilhões no BNDES

Por Hugo Studart

Noam Chomsky, o mais instigante pensador da atualidade, tenta explicar a economia globalizada de uma forma singular. Segundo ele, não vivemos o capitalismo, nem nos Estados Unidos, nem na Europa. O sistema que haveria seria o do “estatismo oligopolizante”. A expressão é dele. Assim, a economia é toda organizada por oligopólios, com cinco ou seis mega-corporações dominando cada um dos principais setores da economia – financeiro, siderúrgica, petróleo, química, mídia, armamentos, tecnologia, e assim por diante.

Ao sistema, segundo o pensador, não interessa a existência de monopólios, como o monopólio global no setor de tecnologia que a Microsoft tentou firmar, mas sim de oligopólios. E essas mega-corporações oligopolistas, por sua vez, precisam da ajuda dos Estados e dos políticos para firmarem-se como corporações nacionais ou globais. Financiam os políticos que, no poder, lhes dão concessões de todo o tipo. Como financiamento de bancos públicos, investimentos estatais diretos, prioridade para o fornecimento ao governo e toda e qualquer espécie de concessão imaginável e inimaginável. Chomsky referia-se aos EUA, Europa e Japão.

Mas poderia estar falando do Brasil que Dilma Roussef recebeu de mão-beijada de Luis Inácio Lula da Silva – e este, por sua vez, recebeu de Fernando Henrique Cardoso. Se listarmos os cinco principais setores econômicos Continue reading »

jun 15, 2011

Dilma, o sigilo perpétuo e o lado errado da história

Por Hugo Studart

Recaiu sobre os ombros de Dilma Roussef a missão política de resgatar três grandes ausências da nossa História. Seus dois antecessores, Fernando Henrique e Lula, conseguiram driblar o assunto e empurrá-lo para frente, na esperança que caíssem no esquecimento do tempo. Será muito difícil a Dilma fazer o mesmo. O primeira ausência é o julgamento histórico, político e jurídico da ditadura militar brasileira e de seus principais protagonistas. Está prestes a nascer uma Comissão da Verdade, mas até agora nossa presidente não deu o menor sinal de que queira meter a mão nessa cumbuca. A segunda missão é a busca pelos corpos dos desaparecidos das guerrilhas urbana e rural. Há um grupo de trabalho criado por Lula – por determinação judicial, ressalte-se— que procura os restos mortais dos guerrilheiros do Araguaia. Mas no governo Dilma, o assunto ainda está em obsequiosa hibernação.

Mas a terceira ausência histórica a ser resgatada, o acesso aos arquivos secretos do Estado, acaba de explodir no colo da nossa presidente. A polêmica da hora é a manutenção (ou não) do sigilo eterno dos documentos oficiais. Os documentos da ditadura militar, do regime Vargas, do Itamaraty, enfim, o sigilo refere-se a tudo e a todos! O mais preocupante desse dilema é que, entre o passado e o futuro, entre Maquiavel e os iluministas como Voltaire, nossa brava presidente decidiu perder-se pelo lado errado. O perigo maior é começar a ter banzo de seus tempos de militante clandestina e cogitar instaurar uma criptocracia por essas bandas. Do que se trata? Rege a sabedoria que quando se perde o rumo, a melhor coisa a fazer é voltar ao início a fim de refazer todo o caminho. Continue reading »

jun 7, 2011

Wikileaks para a ditadura!

Neste momento em que se discute a criação de uma Comissão da Verdade para rememorar ou punir os atos de exceção da ditadura, somente uma política de ampla, geral e irrestrita transparência dos documentos será capaz de resgatar nossa História (Publicado originalmente no jornal Folha de S.Paulo, Sessão Tendências e Debates, pág. 3)

Pela transparência total

Por Hugo Studart

Insólito constatar que a ex-torturada Dilma Roussef mantenha uma política restritiva de acesso aos documentos secretos da ditadura militar. É verdade que, em abril, o governo publicou portaria facilitando o acesso aos papéis que estão sob a guarda do Arquivo Nacional. Depois, Dilma anunciou a intenção de terminar com o sigilo eterno de documentos do Estado. Dias atrás, foi a Unesco quem anunciou, em Paris, que os documentos da ditadura viraram “memória do mundo”, algo similar a “patrimônio da humanidade”. Na casca, todos esses fatos aparentam dar maior relevância e transparência aos acervos. Na essência, são irrelevantes para a reconstituição da História.

Para começar, o Brasil não tem uma lei que regulamente o acesso aos arquivos públicos. Há anos que se arrasta no Congresso o projeto da Lei de Acesso, mas a própria base aliada do governo (deste e do anterior) tem sabotado a tramitação. Significa, na prática, que as direções dos arquivos públicos têm amplos poderes para tratar do assunto com bem entender. O Arquivo Nacional, por exemplo, tal qual nos tempos da censura prévia dos militares, hoje só permite o acesso aos documentos depois que burocratas anônimos examinarem o teor das informações.

Querem antes saber se há informações incômodas aos personagens da história ou às suas famílias. Continue reading »

mai 27, 2011

A relação carnal de Palocci com os bancos

Talvez o ministro-chefe tenha que cair para não ser investigado. Será uma tragédia para o sistema se descobrirem provas do que ele vem fazendo para os banqueiros

Melhor não escarafunchar muito…

Por Hugo Studart

É preciso voltar dez anos no tempo para compreender a incrível, fantástica, inacreditável e extraordinária força de Antônio Palocci na política brasileira. Era Novembro de 2000 quando um banco espanhol, o Santander, aparece por essas bandas, as Índias Ocidentais, e arremata, por R$ 7,05 bilhões, o Banespa. Na época, o PT ainda era um partido que se dizia socialista e que tinha entre suas bandeiras a luta contra a corrupção e, principalmente, contra as privatizações que vinham sendo promovidas pelos tucanos. Contra as vendas federais, por FHC. E contra as privatizações paulistas, promovidas por Mário Covas e, depois, por Geraldo Alckmin.

No caso do Banespa, um pouco mais de 50 prefeitos petistas, reeleitos ou recém-eleitos, ameaçavam retirar suas contas do banco, agora sob administração espanhola. Prefeituras grandes, algumas delas as maiores do País, como e São Paulo, Bernardo do Campo, Santos, Campinas e Ribeirão Preto. Achavam um pecado mortal movimentar as contas correntes das prefeituras em um banco privado, pior, privatizado, pior ainda, multinacional. Na maior das ameaças, queriam retirar as folhas de pagamento (o filé mignon) do Santander. Seria um início desastroso para os espanhóis no Brasil. Mas os espanhóis tinham uma excelente carta na manga, um executivo, então vice-presidente do Santander, que conhecia muito bem o prefeito de Ribeirão Preto, Antônio Palocci. O nome do executivo, a esta altura aposentado, não é essencial conhecer.

Palocci era um político meio enrolado em sua terra. Vinha enfrentando acusações de corrupção, como favorecimento de empreiteiras locais, como uma tal de Leão-Leão, especializada em coleta de lixo, compra e venda de terrenos urbanos e ligações perigosas com usineiros. O caso mais polêmico daquele momento era o uma concorrência fraudulenta para a merenda escolar das crianças, no qual o prefeito Palocci queria latas de ervilha com molho de tomate peneirado, especiaria que só tinha um único fornecedor.

Mas Palocci já era o mesmo sujeito sonso e quase cínico de hoje. Os que precisavam de seus favores, também naquela época preferiam defini-lo como afável, bom de conversa, um caso paradoxal de ex-trotsquista flexível. O executivo do banco foi procurá-lo e pedir ajuda. O teor da conversa, o acordo entre eles, é segredo que ambos devem levar para o túmulo. O fato concreto é que Palocci convocou uma reunião com os prefeitos petistas de sua região, Ribeirão. Ao final, convenceu todos a manter as contas de suas prefeituras no banco multinacional. Na sequência, mais reuniões com prefeitos de outras regiões. E mais outras. Ao fim e ao cabo, Palocci havia convencido toda a prefeitada petista e manter-se fiel ao Santander.

Um ano depois, no início de 2002, acontece uma tragédia no PT. Celso Daniel, prefeito de São Bernardo, é assassinado – em um caso que até hoje a cúpula petista esforça-se para abafar a apuração. Oficialmente, Daniel seria o “coordenador do programa de governo” da candidatura de Lula à Presidência da República. Ora, esse título era só um eufemismo. Na verdade, Celso Daniel seria o arrecadador de recursos da campanha, o PC Farias de Lula. Era essa sua verdadeira função, cuidar do caixa dois. Mal o caixão baixou à sepultura, Lula anuncia que o prefeito Palocci seria seu novo “coordenador do Programa de Governo”.

Entre Março de Abril de 2002 Lula organiza sua primeira “palestra” para grandes empresários. “Palestra” é o eufemismo para pedir recursos ou, no popular, “passar o chapéu”. Desde a eleição presidencial de 1989, o esquema de arrecadação para grandes campanhas funciona mais ou menos com a mesma ritualística. Primeiro algum amigo empresário organiza uma “palestra” com o candidato, seja ele Collor, FHC, Serra ou Lula, e convida banqueiros ou capitães da indústria. É um encontro relativamente público. Nem tão ostensivo a ponto de chamar a atenção de gente miúda. Nem tão reservado a ponto de chamar a atenção da imprensa. Esses encontros sempre obedecem ao mesmo ritual. O candidato fala suas intenções para a economia e os empresários fazem perguntas. O mais importante desses encontros é observar a principal companhia do candidato. Ou seja, quem o candidato vai apresentar aos empresários.

Aquele primeiro encontro de Lula com os empresário foi organizado com a ajuda do mesmo executivo do Santander. Lula levou Antônio Palocci. Apresentou-o como “meu coordenador do Programa de Governo”. Trocaram cartões, Palocci e os empresários. Cerca de 20 naquele primeiro encontro. Mas Palocci era tão caipira, tão inexperiente, estava tão deslumbrado com a nova função, que ensaiou pedir dinheiro naquele encontro, na frente de todo mundo. Levou um puxão de orelhas do preceptor do Santander. O executivo explicou preocupado ao afilhado deslumbrado que, ali, em um convescote público, ele não poderia pedir nada a ninguém, em hipótese alguma.

Deveria se ater a sorrir amarelo e trocar cartões de visitas. Primeiro porque o candidato estava presente. Jamais deveria pedir dinheiro na frente do candidato. Segundo porque seria pecado mortal falar de dinheiro com um empresário na frente de outro empresário. Um não poderia saber com quanto o outro contribuiu – nem se contribuiu. Antônio Palocci tem um grande mérito – e sobre esse mérito todos nós temos que admitir. Palocci aprende rápido. Aprendeu rápido a ser arrecadador. Alias, um excelente arrecadador. Lula ficou encantado com o pragmatismo discreto daquele prefeito. Vitorioso nas urnas, Lula deu-lhe então uma missão ainda mais difícil, a de coordenar o serpentuário que virou a equipe de transição. Palocci, jeitoso como ele só, saiu-se bem.

Acabou ministro da Fazenda com uma única credencial, naquela ocasião – virara um expert em multiplicar o patrimônio da caixinha de campanha de Lula. Nos três anos em que esteve no cargo, Palocci esmerou-se em manter uma política econômica ainda mais ortodoxa do que a de Pedro Malan. Uma de suas primeiras providências como ministro, a pedido do Santander, foi lutar para abrir o crédito consignado dos aposentados da Previdência para os bancos privados. A aliança com o Santander logo estendeu-se ao Bradesco. E do Bradesco ao Unibanco, que foi comprado pelo Itaú com providencial ajuda do consultor Palocci. Com Palocci na Fazenda, nunca antes nesse país os bancos lucraram tanto. Aquele médico sanitarista, que jamais segurou num estetoscópio, acabou se tornando o principal fiador da política econômica dos grandes bancos instalados no Brasil.

Quando Palocci caiu da Fazenda, em Março de 2006, naquela crise com o caseiro Francenildo, passou um tempinho na geladeira. Mas não muito tempo. Lula estava em baixa pelo escândalo do mensalão e tinha uma eleição presidencial pela frente. Nos bastidores, coube justamente a Palocci fazer as primeiras arrecadações junto aos banqueiros amigos, as primeiras apostas na difícil reeleição de Lula. Mais uma vez saiu-se bem. Vem daí uma imensa força e prestígio junto a Lula. Palocci é hoje o principal homem de Lula no governo Dilma, seu Rasputin, seu olheiro.

Essas histórias explicam por que Lula joga todas as cartas para manter Palocci no poder. Mas por que tantos senadores e deputados fingem que está tudo bem com Palocci? Ora, por conta dos bancos, principais financiadores das campanhas políticas. Cada um dos senadores instalados (senão todos, quase todos), da base aliada ou da oposição, recebeu a ração de campanha dos três grandes bancos privados – Bradesco, Itaú e Santander. A grande imprensa também. A Editora Abril, por exemplo, que edita a Veja, tinha o Unibanco como sócio oculto. Agora é do Itaú. A Editora Três, que edita a IstoÉ, por sua vez, sobrevive com um tubo de oxigênio controlado pelo Bradesco. Para essas revistas, em suas últimas reportagens sobre o caso Palocci, o ministro não fez nada de ilegal ou imoral –e a culpa seria da legislação, omissa sobre a prática do lobby.

Capitalistas em geral, banqueiros em especial, são pragmáticos. E quando um executivo pensa com o coração, outro assume as rédeas da razão. Os executivos do Bradesco, Itaú e Santander passaram as duas últimas semanas avisando às suas bases políticas no Congresso que não devem derrubar Antônio Palocci. Preferem que ele fique no poder. E ai de quem se rebelar. Vai morrer à míngua, sem ração financeira. Seja deputado ou senador, petista ou tucano, seja revista, jornal ou televisão, a ordem dos banqueiros é, por enquanto, é manter Palocci exatamente onde está.

Ocorre que nem mesmo os banqueiros conseguem controlar o curso dos acontecimentos em democracias representativas. Palocci, Malan, Meirelles, qualquer um, é substituível. Dentro do próprio círculo íntimo do poder já apareceu um candidato que poderia contar com a confiança dos banqueiros, o ministro das Comunicações Paulo Bernardo, tão “pragmático”, “afável”, “flexível” e “jeitoso” quanto Palocci. Bernardo conta com a simpatia da presidente Dilma e é quase tão ligado a Lula quanto Palocci. Inclusive foi um bom arrecadador oculto na última eleição.

O problema dos banqueiros, enfim, não é saber o nome do ministro-chefe. Mas o risco de Palocci ser investigado de fato pela Polícia Federal e pelo Ministério Público. Ter seu sigilo bancário e telefônico quebrado seria extremamente danoso para os negócios financeiros do país. Como a crise palocciana não esfriou, nem dá sinais de que vá esfriar, é bem provável que a qualquer momento os executivos dos grandes bancos avisem à presidente Dilma que chegou a hora de trocar os anéis. Para não perder os dedos. Façam suas apostas.

jul 1, 2009

A guerra acabou

A abertura dos arquivos secretos da ditadura sobre a Guerrilha do Araguaia será doloroso para os dois lados –militares e PCdoB. Mas pode também ser um alívio. Será como a dor de um parto, no caso, o parto da reconciliação com a história (Artigo publicado originalmente no jornal O Estado de S.Paulo, pág. 2, Opinião)

 

Por Hugo Studart

Que fique bem claro que ainda há batalhas pela frente, algumas delas bem difíceis. Contudo, caso haja alguma sensatez na cabeça das autoridades brasileiras, as civis e as militares, existe possibilidades de, ainda neste de 2009, a frase supracitada, expressão máxima de júbilo dos povos, também possa ser enunciada no Brasil: “A guerra acabou!”. Refiro-me, prezados leitores, àquela guerra ideológica fratricida ocorrida nos anos 70 da região do Araguaia – naqueles tempos em que o filósofo Isaiah Berlin chamou de “os mais terríveis da história” – quando exatos 69 jovens voluntaristas, sem armas, provisões ou apoio popular, tentaram implantar uma tirania comunista no Brasil — mas foram fulminados por um Estado autocrático, que cometeu violações aos Direitos Humanos. A aventura deixou um saldo de pelo menos 95 vítimas. Desses, 17 já descansam em sepulturas, sendo 10 militares, seis camponeses e uma guerrilheira. Ainda haveria 78 desaparecidos – 57 guerrilheiros, 20 camponeses e um soldado.

A sociedade brasileira jamais quis a guerrilha. Contudo, quase quatro décadas depois, a guerra não acabou. Poderia ter findado em 1979, com a Anistia recíproca. E se não terminou, a culpa maior é das Forças Armadas, que se recusam a entregar os corpos dos desaparecidos às suas famílias. Elas têm o direito sagrado de enterrá-los em sepulturas dignas. A novidade é que essa guerra pode estar chegando a seus estertores, graças à série de reportagens que o Estado de S. Paulo publicou dias atrás com os arquivos secretos do tenente-coronel Sebastião “Curió” de Moura. O que o militar revelou, em suma, é que o Exército teria executado 41 prisioneiros no Araguaia. E o mais importante, indicou os locais usados para a ocultação dos cadáveres. Os fantasmas se materializaram. Os mortos se levantaram e estão pedindo sepultura.

Antes de Curió cantar, já se sabia que o Exército executara prisioneiros. Em minhas pesquisas junto a militares, cheguei a identificar e a confirmar 16 execuções. Também registrei mais 28 possíveis execuções, no total de 44. Mas a lista tinha lacunas. A listagem de Curió é mais precisa; ainda assim contém imprecisões. Inclui como executados, por exemplo, três guerrilheiros que se entregaram, foram poupados e receberam novas identidades: Hélio Navarro de Magalhães, Antonio de Pádua Costa e Luiz Rene Silva. Pelo menos Navarro está vivo; até tempos atrás trabalhava numa multinacional francesa, em São Paulo. O fato de terem sido 41, 38 ou 16 execuções, é tema irrelevante para a História. Mas saber o destino de cada um, individualmente, é essencial para o acalento e a pacificação das famílias.

Nos últimos cinco anos, alguns oficiais superiores que combateram no Araguaia vêm abrindo seus próprios arquivos. Mas abriram de forma seletiva, ocultando fatos que detratam o Exército. A relevância do ato de Curió, tomado à revelia dos comandantes, é que provoca um desfecho histórico possível à guerra. Se os comandantes aproveitarem a oportunidade, seguirão atrás de Curió pelo rumo certo da História.

É ingenuidade imaginar que os papéis que restaram nos quartéis contenham revelações bombásticas. Militares podem ter agido como hunos, mas não eram imbecis. Não registraram os atos de exceção em documentos oficiais. Ademais, as pistas relevantes foram cremadas em 1975, por ordem do presidente Ernesto Geisel. Portanto, esqueçam história positivista. Só é possível reconstruir os fatos com metodologias pós-modernas, através de narrativas orais dos remanescentes. São estes os arquivos que os militares precisam abrir: os fragmentos de suas memórias.

Quando isso ocorrer, se ocorrer, restará comprovado que os militares cometeram de atos de exceção no combate aos guerrilheiros. Prenderam moradores da região de forma arbitrária, executaram prisioneiros, profanaram corpos, relegaram seus próprios valores e instauraram a Lei da Selva. Também ficará constatado que o presidente Emilio Médici deu a ordem expressa de executar prisioneiros – ordem ratificada pelo sucessor Geisel. A esta altura, que grande novidade há em confessar esses erros?

Por outro lado, restará igualmente comprovado que os atos de exceção não foram cometidos pela Forças Armadas em seu conjunto, mas tão-somente por uma pequena facção, a Comunidade de Informações, cerca de 40 homens no Araguaia. Nem se violou direitos o tempo inteiro. Nas duas primeiras campanhas, as Forças combateram segundo as Leis da Guerra. Quem morreu, tombou em combate; quem foi preso, está vivo. As violações ocorreram apenas nos derradeiros combates da Terceira Campanha, quando as tropas desceram na selva com a ordem de não fazer prisioneiros. Desapareceram com 47 guerrilheiros e cerca de 20 camponeses.

Se os militares abrirem seus arquivos, igualmente se descobrirá que os atos de barbárie foram recíprocos, e que os guerrilheiros chegaram a esquartejar vivo um garoto de 17 anos, João Pereira – primeiro cortaram-lhe as orelhas, as mãos, os pés, os braços – na frente da família, como punição exemplar pelo fato dele ter levado militares a um acampamento guerrilheiro, quando prenderam José Genoíno. A abertura dos arquivos será doloroso para os dois lados. Mas pode também ser um alívio. Será como a dor de um parto, no caso, o parto da reconciliação com a história

O Exército organiza uma expedição ao Araguaia para procurar corpos.  Curió indicou quatro locais de desova. Um deles, vale lembrar, é a cabeceira sul da pista de pouso de Bacaba. Deve haver ali três corpos. Já os restos de Rosalindo Cruz Souza, justiçado pelos companheiros por conta de um caso banal de adultério, ainda devem estar em frente à casa do sítio de um conhecido camponês, João do Buraco. Podem ir lá pegá-lo; está sem a cabeça. A torcida agora é que o comandante Enzo Peri esteja de fato fazendo a opção histórica que leve as famílias a gritar: “A guerra acabou”.

mai 12, 2009

O Golpe do Baú Amarelo

Se o Diabo é sábio por ser velho, como rege o ditado, então devemos buscar na História a sabedoria necessária para tomar decisões sobre as melhores (e as piores) alianças comerciais, econômicas e tecnológicas para o Brasil. Nossa política externa, por exemplo, tem relegado a terceiro plano os grandes parceiros estratégicos históricos, Estados Unidos e União Européia, a fim de priorizar emergentes como a exótica Índia, a distante Rússia e a nebulosa China. São os chamados BRIC. Isso não vai dar certo. Do alto da sua sabedoria, Walter Benjamin, o pai da História Cultural, alertaria que fazemos parte de civilizações com fundamentos muito distintos. Temos valores opostos e princípios éticos irreconhecíveis. Notadamente com a China, o fosso cultural entre os dois povos é incomensurável. Primamos por nossas raízes iluministas; eles se orgulham em permanecer, literalmente, canibais.

 

A imagem é chocante, mas é verídica. Os chineses insistem no milenar canibalismo. E nós, brasileiros, insistimos que eles têm tudo a ver conosco

Por Hugo Studart

A Índia é a parlapatice cultural desde outono. Até aí tudo bem. É do campo econômico que vem o perigo. A China acaba de desbancar os Estados Unidos como nosso maior parceiro comercial. Oba, oba — festejam empresários oportunistas, diplomatas caolhas e autoridades apalermadas. Entre militares, irritados com a velha arrogância dos americanos, há até quem já esteja iniciando parcerias com a China para a troca de tecnologias estratégicas, como a espacial. Há quem imagine que devemos incrementar os investimentos mútuos, inclusive transferindo nossas indústrias para lá em nome das boas práticas globais. Nossas avós diriam que esse tipo de casamento não dá liga. Ora pois — escreve ainda o mestre Eça, em português castiço – se o Brasil insistir em dar o golpe do baú, se juntando à China por conta dos tostões, essa comédia pode virar tragédia.

A novidade da hora, forjada sabe-se lá por quais basbaques federais, é entregar a fiscalização dos nossos portos os contrabandistas chineses. Como é que é? Isso mesmo! A história é tão simples quanto patética. Continue reading »

set 20, 2008

Devolvam os corpos dos desaparecidos

Corpo de Maria Lúcia Petit

Estamos diante de um paradoxo histórico e político. Há brasileiros deixados para trás e só os militares sabem onde estão. Mas resgatá-los é algo complexo. Exige o engajamento dos comandantes das Forças Armadas, para convencerem suas tropas a revelar onde deixaram os corpos. Ocorre que essa operação exige como contrapartida que os grupos de Direitos Humanos também “embainhem” suas “armas”, desmobilizem a campanha em curso de julgar militares por crimes de tortura (Artigo originalmente publicado pelo Jornal O Estado de S.Paulo, pág. 2, Opinião) 

 Por Hugo Studart

Já lá se vão quase 30 anos que familiares dos desaparecidos na Guerrilha do Araguaia entraram com um processo na Justiça exigindo que o Estado informe o destino dos guerrilheiros. O caso deve ser decidido em novembro pelo Superior Tribunal de Justiça. Querem, essencialmente, que as Forças Armadas abram os arquivos secretos da ditadura para que se descubra onde estão os corpos. São  78 desaparecidos conhecidos – 57 guerrilheiros, 20 camponeses e um soldado. Onde estão os cadáveres? As famílias têm direito aos restos mortais. Querem enterrá-los com dignidade, de acordo com seus credos, ritos fúnebres, ajoelhar em contrição, acalentar suas memórias, desejam enfim prestar honras a seus guerreiros

Ora, o direito ao sepultamento digno dos mortos está impregnado no imaginário ocidental, herança de nossa raiz cultural helênica. A mitologia está pontilhada de passagens em que se condena a profanação dos corpos. Historicamente, em pleno século de ouro da Grécia, o general Alcibíades, homem forjado em rígidos valores morais pelo próprio Sócrates, foi julgado e condenado à morte por ter abandonado insepultos os corpos de um punhado de soldados na Sicília. Para eles era uma profanação ultrajante que exigia o castigo máximo.

Há brasileiros deixados para trás e só os militares sabem onde estão. Mas resgatá-los é algo complexo. Exige o engajamento dos comandantes das Forças Armadas, para convencerem suas tropas a revelar onde deixaram os corpos. Ocorre que essa operação exige como contrapartida que os grupos de Direitos Humanos também “embainhem” suas “armas”, desmobilizem a campanha em curso de julgar militares por crimes de tortura. Estamos diante de um paradoxo. Se algum militar que combateu no Araguaia apontar onde enterrou um guerrilheiro, estará automaticamente confessando um ato criminoso. Imprescritível, inafiançável, passível de julgamento pela Corte Internacional de Haia, como quer o atual ministro da Justiça Tarso Genro.

Dias atrás apareceu uma seqüência de fotografias do corpo de dois guerrilheiros. As fotos foram sacadas em setembro de 1972. Um ex-combatente, o sargento Ciro Oliveira, hoje reformado, guardou-as na gaveta por 38 anos. Revelou-as só agora. Um dos guerrilheiros guardava um diário. Foi identificado na hora como sendo o médico e guerrilheiro João Carlos Haas Sobrinho. Do outro, o sargento jamais soube o nome. Numa das imagens, um helicóptero militar leva os dois corpos. O que essas fotos têm de relevantes? Ora, são mais uma prova cabal de que militares, a serviço do Estado, desapareceram com brasileiros. Na Grécia Antiga, o general Alcibíades foi condenado à morte por muito menos.

Até hoje nenhuma autoridade dos governos democráticos pós-1985 quis saber a opinião das famílias dos desaparecidos do Araguaia — sendo 57 guerrilheiros, cerca de 20 camponeses e um soldado, registre-se mais uma vez. Elas querem julgar militares por crimes contra a Humanidade? Ou preferem enterrar seus mortos? Os militares, por sua vez, preferem o fim da guerra e entregar os despojos dos guerreiros inimigos ou permanecer na penumbra da lei da selva?

Os militares cometeram, sim, atos de exceção. Submeteram camponeses a tratos violentos, torturaram guerrilheiros, executaram prisioneiros, vilipendiaram cadáveres, deixaram corpos insepultos, como o de Lúcia Maria de Souza. Cerca de 30 guerrilheiros morreram em combate, como guerreiros. Contudo, outros 25, aproximadamente, foram presos e depois executados. Entre cinco e sete deles foram decapitados, como Jaime Petit e Arildo Valadão. As violações de direitos foram recíprocas.

O primeiro cadáver deixado insepulto foi o de um soldado, o cabo Odilo Rosa. O comandante guerrilheiro Osvaldo Orlando Costa queria expô-lo insepulto como troféu da revolução. O primeiro civil executado pelos guerrilheiros foi um camponês, o adolescente João Pereira, 17 anos. Seu pai foi visitado por uma equipe de agrônomos do INCRA perguntando pelos “paulistas”, como eram chamados os guerrilheiros. O garoto recebeu ordens do pai para servir de guia. O chefe dos “agrônomos” era o major Lício Maciel, cuja equipe prendeu José Genoíno e matou outros 12. Deflagrada a guerrilha, o garoto João Pereira foi julgado como “traidor do povo” pelo Tribunal Revolucionário e mutilado, na frente da família, a golpes de facão – primeiro cortaram-lhe as orelhas, depois as mãos, os pés, as pernas… Outros quatro também foram executados pelo Tribunal Revolucionário, sendo três camponeses e um guerrilheiro, acusados de colaboração e traição.

No início, em 1972, os militares combateram segundo as leis da guerra. Quem morreu tombou lutando, quem foi preso está vivo. As fotografias de Haas Sobrinho são dessa fase. Mas quando entraram na selva para a Terceira Campanha, em fins de 1973, com ordens do presidente Emílio Médici de não fazer prisioneiros, a barbárie se generalizou. Nenhum prisioneiro retornou. Nem como cadáver.  As Forças Armadas deixaram o Araguaia em fins de 1974.

É possível resgatar muitos corpos. Há uma década venho pesquisando a guerrilha junto aos próprios militares. Eles me informaram que cerca de 25 estão enterrados nos cemitérios de Xambioá e Marabá. Os demais foram deixados na mata. Mas o local dessas sepulturas jamais foi registrado nos arquivos. Será preciso recorrer àqueles que participaram das missões. Em 1975 o Exército voltou ao Araguaia para a chamada “Operação Limpeza”. Entre 12 e 15 corpos foram exumados e cremados, entre eles o de Osvaldão.

Ainda haveria uma dúzia de corpos nos cemitérios da região, na ala dos indigentes. O corpo do guerrilheiro Rosalindo Cruz Souza estaria num barranco de rio no sítio de João do Buraco, camponês conhecido na região. Sem cabeça. Há um corpo na cabeceira da pista de pouso de Marabá. E três corpos numa área de treinamento militarem Brasília. Hátrês desaparecidos que mudaram de lado e estão vivos, sob nova identidade.

É muito difícil que algum militar se ofereça à imolação pública promovida pelas entidades de Direitos Humanos revelando o que sabe sobre os corpos. Cabe ao governo perguntar seriamente às famílias dos guerrilheiros mortos o que preferem: julgar os militares pelos crimes bárbaros que cometeram? Ou patrocinar uma conciliação histórica que comece revelando os erros dos dois bandos naquela guerra suja. Uma anistia recíproca que começaria com a indenização das famílias do cabo Rosa e de cinco outros soldados abatidos em combate; do garoto João Pereira e dos demais camponeses esquecidos; e que termine na localização e devolução de todos os cadáveres.

A professora Sônia Haas, irmã de João Carlos, se confessa num “dilema complexo”. Seu coração prefere encerrar a história do irmão “com a dignidade que ele merece”. E para ela e sua família, forjada no catolicismo, digno é dar a João Carlos um ritual de despedida e uma sepultura. “Mas a razão pede mais, exige que os culpados sejam julgados”, acrescenta Sônia. “Meu dilema é bastante complexo, pois quero alcançar as duas coisas”. Eis uma encruzilhada da História.

Defendo o direito sagrado e inalienável das famílias de se ajoelhar diante do túmulo de seus guerreiros. Não há mortos de esquerda ou de direita para as famílias dos guerrilheiros e dos militares mortos em combate. Há mortos, há cadáveres, tem que haver paz. A sociedade brasileira não pode ficar refém ad eternum de uma guerra que ela não quis, não quer e não vai querer que continue manchando a história nacional.

ago 25, 2008

Yankees, go home!

Recuse-se a assinar qualquer confissão de dívida com a Eletropaulo, maior distribuidora de energia da América Latina. Controlada pelos americanos da AES, a Eletropaulo usou métodos de Al Capone e coagiu milhares de consumidores a pagar supostas diferenças nas contas de luz de até 15 anos atrás. Era assinar uma confissão de dívida ou ter a luz cortada — o nome sujo no SPC. É “abuso”, “coação”, “absolutamente ilegal”, avisa o Ministério Público. Alerte os amigos e vizinhos. O MP agora está acionando a Eletropaulo para que devolva o dinheiro recebido indevidamente de consumidores. Entregar a Eletropaulo a esses americanos (quase de graça) foi a grande herança maldita de FHC.

Esse é, definitivamente, um daqueles casos de deixar o cidadão brasileiro indignado, do início ao fim. Os americanos ficaram com a Eletropaulo numa grande mamata do governo Fernando Henrique. Em 1998 tomaram um empréstimo de US$ 2 bilhões do BNDES, sem garantias reais, enviaram US$ 900 milhões de supostos lucros para a matriz nos Estados Unidos e ainda por cima não pagaram o empréstimo. Devem US$ 1,3 bilhão. Num passe de mágica, ficaram com uma empresa que detém o monopólio de um serviço essencial, companhia estratégica, que fornece energia para quase metade do parque industrial brasileiro. Não foi uma privatização, mas uma proto-doação. Como naqueles negócios em que um pai empresta dinheiro a um filho para comprar o imóvel do próprio pai. Continue reading »

ago 13, 2008

Para ter pão barato, só dando bananas aos argentinos

Gito Chammas me telefonou para contar que o pãozinho barato está quase garantido até junho de 2009. Gito é como os amigos tratam o industrial Jorge Chammas, presidente do Grupo São Jorge e dono do maior moinho de trigo do país. Foi ele quem liderou a Guerra do Trigo, que desde fins de 2007 mobiliza os moinhos contra a obrigatoriedade de importar trigo caríssimo da Argentina. Foram meses de embates.

Foi Chammas quem primeiro denunciou os argentinos. Na seqüência bateu no Itamaraty, pediu ajuda no Congresso, negociou com ministros. A associação do setor, Abitrigo, chefiada por Laurence Pih, petista histórico, não queria incomodar demais o governo do amigo Lula. Mas Pih teve que correr atrás de Chammas para não se desmoralizar. Eram tantas as frentes abertas pelo industrial para resolver o problema, que ganhou dos adversários o apelido de “Agito em Chamas”. Alcunha carinhosa, admita-se, nada deletéria.

Havia o sério risco de ficarmos sem trigo a partir de julho. E com explosão de preços. Em maio, contra a vontade dos argentinos e do Itamaraty, os moinhos brasileiros conseguiram arrancar do nosso governo a decisão de suspender temporariamente os impostos sobre importação, venda e transporte de trigo. Agora Chammas conseguiu outra vitória no Congresso. A Câmara acaba de aprovar a MP do Trigo. Na última hora, o relator Arnaldo Faria de Sá, seu amigo pessoal e aliado na política paulista, incluiu uma emenda prorrogando até 30 de junho de2009 aisenção do IPI e da Cofins sobre o produto. Continue reading »

ago 8, 2008

Hora de usar o Espírito Olímpico para boicotar a tirania da China

Atletas e cidadãos de todo o mundo se mobilizam para denunciar o regime tirânico na China. Alemães, canadenses, brasileiros aproveitam as Olimpíadas para chamar a atenção sobre o certo e o errado. Até George W. Bush, desta vez, está fazendo a coisa certa. Mas nosso presidente Lula silencia. Está na China para bajular os chineses por interesses comerciais. É a diplomacia do capitalismo selvagem. Está fazendo como Lord Chamberlain, que em nome dos interesses britânicos, deixou Hitler avançar. Abaixo, tem um link para aderir à campanha mundial para levar o verdadeiro Espírito Olímpico a Pequim: 

Mobilizações de ativistas brasileiros pela Liberdade

Por HUGO STUDART

Bem longe daqui, lá nas montanhas geladas do Himalaia, há neste momento mais de 10 mil cidadãos encarcerados por razões políticas. Foram presos pelo governo chinês porque não aceitam a invasão militar de seu país. A China, vale lembrar, ocupou há 58 anos o Tibet, terra de um povo singular, que não guarda qualquer relação cultural ou história com a China. Massacravam monges, prenderam dissidentes, criaram uma nova diáspora. Liderados pelo dalai lama Tenzin Gyatson, há hoje 80 mil tibetanos no exílio.

Toda hora chega ao ocidente algum novo refugiado com relatos de torturas com choques elétricos. Mas os tibetanos resistem, fazem barulho. Ano passado promoveram uma campanha internacional para que o dalai lama falasse na ONU. Agora aproveitam as Olimpíadas de Pequim para denunciar a barbárie, numa campanha internacional justa – e que está dando resultados concretos.

Os atletas estão aderindo. No início não passavam de alguns gatos-pingados canadenses. Depois atletas alemães aderiram. Ingleses, franceses, americanos. Pelas informações que chegam, já seriam centenas de atletas que vão aproveitar as provas olímpicas para marcar posição política. Logo serão milhares. Ainda não ouvi falar de nenhum atleta brasileiro aderindo. Uma pena. Mais que isso, uma vergonha.

A China, por seu lado, reage. Com censura, repressão e propaganda política. Censura a internet e os jornais. Reprime a oposição interna e das nações vassalas. Apresenta um discurso de respeito ao tal “Espírito Olímpico”. Ora, o verdadeiro Espírito Olímpico é o da liberdade, da igualdade e da fraternidade entre os povos.

Dias atrás explodiu uma bomba na província de Xinjiang, onde há 8 milhões de uigures, população de maioria islâmica e que tem pretensões separatistas. Quando vi a imagem dos uigures na televisão me assustei. São todos de pele clara e olhos amendoados. Lembram os iranianos, sendo mais claros. Não têm qualquer traço oriental.

Os uigures não são chineses. Como os tibetanos também não são chineses – e travam uma luta justa para se livrar da tirania da China. Liderados pelo dalai lama, os tibetanos usam métodos da paz. Os uigures recorreram ao terrorismo. O terror é injustificável. Execrável. Precisa ser combatido com vigor. Mas os uigures não são chineses. A China está usurpando a liberdade de 8 milhões de uigures e eles e eles explodiram soldados chineses, às vésperas das Olimpíadas, para chamar a atenção do mundo para a sua causa.

E o que nós temos a ver com isso?

Abertura suntuosa dos Jogos Olímpicos de Pequim: uma maneira de tentar ofuscar as trevas da opressão

Neste momento, bem perto daqui, há mais de 10 mil empresários brasileiros tentando fazer algum tipo de negócio com a China. Querem vender. Houve um tempo em que a comunidade internacional boicotava com sanções econômicas o regime de apartheid da África do Sul. Chamava-se isso de princípios universais em defesa dos direitos humanos. Até que um dia o apartheid ruiu.

            No caso da China, todos correm para bajulá-los. Chama-se isso de pragmatismo diplomático. Prefiro definir como diplomacia do capitalismo selvagem.

Meses atrás um grupo de deputados fez uma viagem a Taiwan, a ilha onde se abrigaram os capitalistas quando o comunismo triunfou no continente. Os deputados retornaram entusiasmados com as possibilidades de negócios. Mas o Itamaraty vetou.

Há três décadas o Brasil rompeu relações com Taiwan e optou pela China. O Itamaraty enviou uma carta aos deputados recomendando que “evitem atos e pronunciamentos sobre aquela ilha”. Logo depois chegou ao Brasil uma delegação de empresários de Taiwan para tentar conversar com o governo brasileiro. O Itamaraty fingiu que não era com eles. Só faltou muito pouco para recomendar aos políticos que também não se falassem contra a tortura e as violações dos direitos humanos no Tibet.

Diante de situações extremadas, como a opressão política, tibetanos chegam a cometer atos absolutamente insandecidos, como a autoimolação

Lula chegou à China com essa recomendação absurda, alienando-se, protegendo-se, mantendo-se em obsequioso silêncio. Lula parece Lord Chamberlain pisando-em ovos para não desagradar a Hitler e aos nazistas. Em nome dos interesses comerciais britânicos, Chamberlain criou a chamada “política guarda-chuva” e deixou Hitler avançar por toda a Europa. Até Bush, que tem muitos erros, neste caso está fazendo a coisa certa. Lula prefere se esconder debaixo de um guarda-chuva que só protege a si mesmo – e o resto se dane na chuva da tirania chinesa.

Mapa da invasão

Aqui no Brasil está na pauta de debates políticos a revisão da Lei da Anistia para julgar militares acusados de tortura. O argumento é o de que a tortura é um crime hediondo (e de fato é hediondo!), e que as leis universais dos Direitos Humanos deveriam estar acima das leis nacionais. Também concordo.

O paradoxo é que o mesmo governo que fala em julgar ditadores brasileiros que torturaram há mais de 30 anos atrás, finge não ver os crimes hediondos que neste exato momento estão sendo cometidos pelo regime tirânico da China. Tudo em nome dos nossos interesses pragmáticos.

Ora, isso não é pragmatismo. Mas a selvageria do capitalismo.

 

jul 30, 2008

O homem-farol e a vocação agrícola do Brasil

“Quem foi a figura histórica que mais contribuiu para a agricultura brasileira?”, indagou Kátia Abreu, senadora e presidente da Confederação Nacional da Agricultura.

“Foi o barão de Mauá, pois com a estrada de ferro ele criou a logística”, respondeu um amigo de Kátia.

“Foi o Alison Paulinelli, que iniciou a conquista do cerrado”, respondeu outro.

“Foi o Roberto Rodrigues, que abriu os mercados globais”, disse mais um.

“Nenhum deles”, arrisquei intervir na conversa. “Foi o professor Eugênio Gudin, sem dúvida”.

Kátia virou os olhos para cima, como quem puxa informações da memória e me perguntou por quê? Raposa velha que é, o ex-senador Jorge Bornhausen acha Kátia perspicaz. Gudin era informação diferente para ela. “Por quê?”, insistiu.

“Porque foi ele o primeiro a defender com fervor nossa vocação agrícola, ele dizia há mais de 50 anos que o papel natural do Brasil era o de ser o celeiro da humanidade”, respondi. “Ele é o pai do liberalismo econômico brasileiro”, insisit. “Então escreve um artigo defendendo Eugênio Gudin”, sugeriu Kátia. Eis: Continue reading »

Fotos

  • Martin Luther King Martin Luther King
  • Mandela Mandela
  • Paulo de Tarso Paulo de Tarso
  • Kenobi Kenobi
  • Proudhon Proudhon
  • Tereza Tereza
  • Yoda Yoda

Amigos do Blog no Face

Arquivo

junho 2016
D S T Q Q S S
« dez    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Tags

Escolha o Indioma

'