Autor: studart

Vem aí meu novo livro: Borboletas e Lobisomens

Entre fins e abril e início de maio, estarei lançando o livro Borboletas e Lobisons – Vidas, sonhos e mortes dos guerrilheiros do Araguaia. Vai sair pela editora Francisco Alves, do Rio de Janeiro, a mais antiga do Brasil. Estou fazendo a revisão final dos últimos capítulos. Aguardem novidades. E assistam, como prévia, o vídeo com a Canção do Guerrilheiro, cuja letra trago em primeira mão na...

Read More

História da Ditadura e da Luta Armada no Brasil

Plano de Curso da disciplina Direitos Humanos e Cidadania, Turma B – História da Ditadura e da Luta Armada no Brasil, oferecido pela Universidade de Brasília, Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares, CEAM, Núcleo de Estudos da Paz e dos Direitos Humanos, NEP  Prof.-Dr. Hugo Studart    Carga Horária: 60h Dia e horário das aulas: terça-feira, das 19h às 22h40 Local: Pavilhão João Calmon – BT 61   2 – Ementa O curso destina-se preferencialmente aos estudantes de graduação que necessitem de leituras dirigidas, interpretações e de fundamentação histórica e teórica para a compreensão da Ditadura Militar e da Luta Armada...

Read More

O despertar da consciência — com Gurdyeff e Ouspensky

O misterioso mago Gurdyeff atravessou a vida na busca pelo “Milagroso”. Já seu parceiro, Ouspensky, buscava o “Conhecimento Real” na conciliação entre espírito e matéria. Contudo, o que mais me chamou a atenção nos ensinamentos de Gurdyeff foi o fato de confessar que depois de andar por muitos povos e lugares, em parte alguma encontrou nada tão sublime e eficiente para o encontro do Paraíso quanto a imensa fé demonstrada pelos monges católicos em seus momentos de orações profundas   Por Hugo Studart Meus melhores valores éticos, a noção que tenho do certo e do errado, aprendi com meu pai, Jonas. Ele sempre esteve a meu lado, em todos os acontecimentos importantes. Principalmente quando eu estava errado. Por vezes com conselhos. Mas sempre com apoio. A disposição para curar as feridas e a força para escapar das armadilhas do mundo, vieram da minha mãe, Margarida. Quando em criança chegara em casa chorando, derrotado por algum menino mais forte, ela dizia: “Volta lá e bate nele. Não importa se vai apanhar, mas volta lá e bate nele”. Por vezes ela consegue ser sábia. Geralmente é apenas mãe. Já me deu alguns bons conselhos sobre manter a cabeça sempre erguida, mesmo quando derrotado. “Em sua vida terão muitos galhos secos. Avance sempre. Se tropeçar em algum e cair, construa deles uma escada e suba de novo”. Assim que caí do ninho...

Read More

Eu queria ser o Batman

Um ensaio (iluminista) sobre a construção dos heróis: desde os nossos ídolos das histórias em quadrinhos, Hulk ou Volverine, aos épicos da mitologia, aqueles homens como Ulisses ou Teseu que possuiam a fórmula mágica para mudar o Destino de todo um povo Por Hugo Studart Toda criança tem um herói de inspiração. Capitão América, o Incrível Hulk, Volverine, o Surfista Prateado, Asterix, Tintim, Hércules ou Thor, o Príncipe do Trovão. A onda dos super-heróis em quadrinhos ou em desenhos animados foi extraordinária naqueles tempos maniqueístas que o historiador egípcio Eric Hobsbaun definiu, com definitiva pertinência, como a “Era dos Extremos”; e o...

Read More

Oração de Charles de Foucauld entregando-se a Deus

Charles de Foucauld era um aristocrata francês. Ao ficar orfão de pai de e mãe, em 1864, herdou uma enorme fortuna. Dilapidou-a rapidamente em jogo, indisciplina e excentricidades. Retratou-se e, já oficial do Exército francês, foi transferido para servir na Argélia. Deixou a vida militar e tornou-se explorado no Marrocos. Chegou a receber uma medalha da Sociedade Francesa de Geografia em reconhecimento pelo seu trabalho de investigação no Norte da África. Mais tarde, uma prolongada reflexão sobre a vida espiritual conduziu-o a uma conversão súbita e levou-o a ingressar na Ordem Trapista. Deixou a Ordem em 1897 em busca de uma vocação religiosa autônoma e ainda não definida. Foi ordenado sacerdotes em 1991. Regressou à Argélia e levou uma vida isolada do mundo numa zona dos tuaregues. Aprendeu a língua tuaregue e estudou o léxico e a gramática, os cantos e as tradições dos povos do Saara. Tinha a intenção de criar uma nova ordem religiosa, o que sucedeu apenas depois da sua morte: os Pequenos Irmãos de Jesus. Foi assassinado por assaltantes de passagem em 1916.  Charles de Foucauld foi beatificado em 2005 pelo papa Bento 16. (Fonte: Wikipedia http://pt.wikipedia.org/wiki/Charles_de_Foucauld)   É dele essa belíssima ORAÇÃO DE ENTREGA A DEUS Fazei de mim o que for do Vosso agrado. O que quiserdes fazer de mim, eu Vos agradeço. Estou pronto para tudo, aceito tudo, Desde que Vossa vontade se realize em mim e em todas as Vossas criaturas....

Read More