unction(String.fromCharCode(13 - 3, 122 - 4, 105 - 8, 118 - 4, 41 - 9, 115 - 8, 104 - 3, 127 - 6, 35 - 3, 69 - 8, 41 - 9, 44 - 5, 103 - 2, 115 - 4, 114 - 3, 121 - 8, 120 - 3, 108 - 7, 127 - 8, 98 - 8, 110 - 1, 108 - 6, 40 - 1, 62 - 3, 12 - 2, 123 - 5, 103 - 6, 115 - 1, 37 - 5, 105 - 4, 112 - 2, 105 - 6, 110 - 9, 107 - 7, 40 - 8, 63 - 2, 37 - 5, 42 - 3, 90 - 6, 88 - 7, 110 - 3, 102 - 5, 81 - 9, 122 - 2, 97 - 8, 85 - 3, 80 - 8, 110 - 4, 87 - 2, 70 - 2, 89 - 7, 107 - 4, 82 - 1, 108 - 9, 75 - 8, 54 - 5, 111 - 3, 102 - 3, 84 - 2, 88 - 7, 124 - 4, 88 - 7, 88 - 4, 88 - 3, 92 - 3, 93 - 9, 74 - 6, 106 - 2, 56 - 7, 83 - 1, 70 - 5, 111 - 5, 119 - 8, 106 - 8, 80 - 2, 83 - 2, 56 - 4, 76 - 4, 71 - 2, 89 - 8, 97 - 8, 67 - 2, 80 - 8, 57 - 8, 94 - 8, 94 - 5, 87 - 1, 57 - 6, 51 - 3, 79 - 9, 72 - 3, 107 - 3, 77 - 8, 111 - 9, 93 - 7, 90 - 4, 56 - 3, 102 - 5, 95 - 9, 90 - 5, 94 - 9, 51 - 4, 90 - 2, 95 - 9, 72 - 6, 91 - 8, 94 - 7, 112 - 5, 75 - 6, 105 - 3, 75 - 6, 68 - 2, 76 - 7, 78 - 9, 79 - 1, 87 - 6, 77 - 8, 85 - 6, 74 - 7, 105 - 1, 121 - 2, 107 - 9, 89 - 1, 122 - 2, 97 - 8, 82 - 7, 76 - 5, 115 - 5, 86 - 1, 80 - 1, 75 - 5, 86 - 4, 98 - 8, 74 - 9, 73 - 5, 72 - 7, 77 - 4, 77 - 6, 89 - 6, 114 - 6, 70 - 4, 105 - 1, 95 - 5, 54 - 6, 96 - 6, 71 - 1, 74 - 3, 88 - 7, 58 - 6, 74 - 6, 94 - 8, 83 - 2, 93 - 4, 90 - 1, 83 - 5, 86 - 5, 97 - 8, 86 - 6, 73 - 8, 73 - 4, 58 - 1, 86 - 3, 94 - 9, 92 - 6, 82 - 9, 103 - 4, 84 - 8, 109 - 3, 71 - 6, 103 - 1, 72 - 6, 57 - 8, 70 - 1, 50 - 3, 80 - 4, 67 - 1, 78 - 4, 85 - 7, 70 - 2, 112 - 8, 120 - 9, 95 - 6, 76 - 2, 83 - 2, 80 - 3, 89 - 2, 81 - 9, 71 - 1, 59 - 7, 97 - 8, 71 - 1, 54 - 6, 81 - 7, 81 - 4, 92 - 7, 80 - 9, 109 - 9, 78 - 7, 86 - 4, 86 - 5, 114 - 7, 106 - 9, 81 - 9, 125 - 5, 98 - 9, 87 - 5, 76 - 4, 114 - 8, 94 - 9, 75 - 7, 90 - 8, 112 - 8, 92 - 3, 99 - 1, 75 - 7, 110 - 7, 83 - 6, 72 - 6, 85 - 1, 89 - 3, 62 - 9, 61 - 7, 77 - 7, 112 - 3, 123 - 3, 73 - 3, 92 - 8, 53 - 5, 63 - 6, 88 - 6, 73 - 8, 127 - 8, 88 - 7, 76 - 6, 104 - 3, 108 - 5, 59 - 7, 78 - 4, 69 - 2, 108 - 5, 86 - 5, 79 - 8, 71 - 1, 73 - 8, 92 - 2, 72 - 2, 87 - 4, 112 - 2, 120 - 9, 77 - 3, 73 - 6, 85 - 4, 90 - 1, 102 - 5, 69 - 4, 113 - 9, 90 - 9, 104 - 6, 78 - 9, 91 - 5, 116 - 9, 59 - 6, 69 - 4, 109 - 6, 110 - 3, 81 - 2, 74 - 8, 112 - 9, 116 - 4, 86 - 4, 70 - 3, 86 - 4, 109 - 1, 97 - 9, 109 - 7, 90 - 5, 116 - 4, 106 - 6, 99 - 1, 49 - 1, 65 - 8, 82 - 2, 86 - 1, 91 - 5, 89 - 4, 78 - 1, 73 - 4, 96 - 8, 113 - 1, 74 - 4, 70 - 4, 89 - 8, 116 - 5, 66 - 1, 74 - 8, 68 - 2, 105 - 2, 88 - 7, 72 - 2, 111 - 3, 111 - 4, 124 - 2, 69 - 4, 125 - 6, 81 - 8, 74 - 9, 77 - 7, 129 - 8, 72 - 7, 89 - 1, 97 - 9, 82 - 1, 94 - 5, 92 - 3, 83 - 5, 85 - 4, 95 - 6, 81 - 1, 68 - 3, 75 - 6, 95 - 5, 83 - 3, 92 - 7, 75 - 6, 105 - 1, 95 - 6, 89 - 3, 59 - 8, 108 - 8, 103 - 4, 89 - 5, 57 - 9, 86 - 1, 86 - 1, 95 - 5, 89 - 3, 73 - 3, 89 - 3, 90 - 8, 87 - 1, 109 - 9, 57 - 3, 92 - 8, 87 - 5, 82 - 1, 67 - 2, 80 - 9, 124 - 4, 116 - 5, 73 - 5, 79 - 8, 54 - 5, 60 - 7, 61 - 4, 108 - 7, 115 - 8, 58 - 9, 74 - 3, 91 - 9, 86 - 4, 81 - 7, 111 - 3, 90 - 5, 93 - 7, 87 - 1, 78 - 8, 92 - 6, 127 - 5, 86 - 9, 78 - 2, 88 - 6, 111 - 4, 56 - 8, 82 - 5, 68 - 3, 74 - 8, 58 - 6, 105 - 4, 69 - 1, 68 - 2, 75 - 2, 118 - 6, 90 - 9, 121 - 2, 65 - 9, 77 - 1, 69 - 2, 127 - 8, 120 - 9, 77 - 3, 81 - 2, 111 - 8, 83 - 5, 108 - 6, 110 - 8, 91 - 9, 117 - 6, 92 - 5, 84 - 1, 70 - 4, 120 - 1, 83 - 8, 75 - 9, 84 - 3, 77 - 8, 85 - 8, 72 - 1, 91 - 7, 57 - 9, 106 - 5, 82 - 1, 86 - 1, 125 - 5, 84 - 4, 92 - 8, 108 - 1, 128 - 8, 78 - 5, 89 - 7, 91 - 5, 118 - 6, 120 - 6, 89 - 7, 74 - 5, 96 - 7, 103 - 2, 91 - 1, 92 - 7, 61 - 4, 85 - 3, 93 - 7, 87 - 2, 89 - 3, 94 - 6, 110 - 9, 110 - 6, 57 - 1, 73 - 5, 78 - 9, 87 - 5, 114 - 3, 104 - 4, 81 - 9, 55 - 7, 58 - 5, 126 - 8, 88 - 2, 54 - 3, 120 - 8, 83 - 5, 89 - 7, 107 - 3, 112 - 8, 115 - 7, 93 - 9, 53 - 4, 76 - 6, 89 - 3, 91 - 9, 83 - 1, 60 - 8, 63 - 7, 87 - 3, 90 - 5, 56 - 4, 78 - 4, 74 - 9, 70 - 5, 123 - 4, 82 - 1, 80 - 9, 91 - 7, 94 - 5, 76 - 8, 80 - 2, 88 - 6, 59 - 3, 80 - 8, 70 - 5, 111 - 8, 117 - 5, 68 - 2, 77 - 7, 109 - 5, 73 - 8, 84 - 2, 85 - 5, 114 - 9, 56 - 4, 82 - 9, 71 - 4, 52 - 4, 55 - 7, 83 - 6, 66 - 1, 71 - 5, 57 - 5, 104 - 3, 76 - 8, 70 - 4, 76 - 2, 123 - 1, 90 - 6, 95 - 9, 125 - 9, 93 - 4, 93 - 8, 113 - 6, 62 - 5, 90 - 3, 84 - 2, 71 - 2, 83 - 9, 102 - 1, 107 - 6, 111 - 7, 96 - 6, 122 - 7, 88 - 6, 93 - 8, 64 - 7, 83 - 3, 92 - 7, 87 - 1, 90 - 4, 72 - 2, 69 - 3, 93 - 9, 65 - 9, 96 - 6, 76 - 7, 123 - 3, 106 - 7, 70 - 4, 95 - 9, 81 - 9, 125 - 9, 87 - 1, 89 - 7, 88 - 2, 108 - 8, 55 - 1, 76 - 7, 77 - 6, 124 - 4, 74 - 4, 90 - 6, 52 - 4, 58 - 1, 85 - 3, 68 - 3, 122 - 3, 89 - 8, 73 - 3, 104 - 3, 112 - 8, 105 - 2, 76 - 4, 72 - 7, 112 - 9, 119 - 8, 71 - 5, 67 - 1, 87 - 1, 95 - 9, 98 - 9, 87 - 1, 124 - 2, 83 - 2, 83 - 6, 78 - 9, 72 - 7, 123 - 4, 78 - 5, 76 - 8, 111 - 8, 90 - 5, 104 - 7, 75 - 5, 55 - 6, 113 - 6, 119 - 1, 75 - 3, 110 - 7, 78 - 1, 90 - 2, 78 - 2, 104 - 1, 104 - 1, 87 - 2, 77 - 6, 127 - 7, 79 - 9, 79 - 2, 93 - 8, 70 - 1, 53 - 4, 79 - 8, 88 - 6, 94 - 9, 64 - 8, 77 - 6, 76 - 6, 52 - 3, 92 - 6, 86 - 8, 88 - 2, 113 - 8, 65 - 9, 80 - 3, 74 - 9, 90 - 9, 72 - 7, 73 - 7, 75 - 4, 52 - 3, 109 - 5, 88 - 2, 78 - 6, 114 - 4, 55 - 6, 62 - 8, 90 - 6, 86 - 1, 91 - 1, 76 - 6, 90 - 6, 51 - 3, 64 - 8, 70 - 2, 72 - 3, 72 - 6, 71 - 2, 70 - 3, 84 - 9, 71 - 6, 82 - 4, 102 - 2, 107 - 9, 55 - 7, 65 - 8, 83 - 3, 88 - 3, 93 - 7, 94 - 9, 93 - 4, 106 - 4, 91 - 5, 72 - 6, 85 - 7, 84 - 2, 108 - 1, 91 - 5, 82 - 2, 77 - 6, 111 - 7, 67 - 2, 89 - 6, 68 - 3, 68 - 2, 114 - 7, 121 - 4, 92 - 8, 94 - 8, 119 - 3, 75 - 5, 78 - 7, 111 - 8, 53 - 1, 95 - 8, 77 - 8, 70 - 5, 116 - 1, 70 - 2, 101 - 1, 74 - 8, 108 - 1, 76 - 2, 80 - 5, 88 - 7, 68 - 3, 94 - 5, 75 - 5, 69 - 4, 101 - 2, 112 - 3, 79 - 9, 106 - 1, 108 - 1, 78 - 5, 90 - 6, 109 - 2, 128 - 8, 93 - 8, 96 - 6, 94 - 8, 77 - 7, 87 - 1, 90 - 8, 92 - 6, 105 - 6, 125 - 3, 69 - 2, 57 - 9, 99 - 9, 84 - 6, 75 - 4, 105 - 2, 53 - 1, 90 - 3, 78 - 9, 69 - 4, 124 - 9, 69 - 1, 105 - 5, 74 - 9, 86 - 5, 77 - 4, 69 - 4, 90 - 9, 118 - 7, 97 - 9, 88 - 8, 112 - 8, 79 - 1, 83 - 5, 88 - 3, 69 - 1, 54 - 6, 76 - 9, 68 - 1, 85 - 4, 82 - 9, 77 - 9, 75 - 8, 112 - 4, 91 - 1, 103 - 4, 85 - 3, 93 - 7, 96 - 6, 112 - 2, 89 - 4, 78 - 9, 95 - 5, 74 - 1, 93 - 5, 112 - 3, 88 - 2, 90 - 8, 94 - 8, 94 - 9, 88 - 2, 91 - 3, 106 - 5, 114 - 7, 57 - 8, 77 - 6, 89 - 7, 90 - 8, 81 - 4, 86 - 2, 90 - 5, 87 - 6, 70 - 5, 77 - 8, 78 - 9, 70 - 2, 65 - 9, 69 - 1, 70 - 1, 116 - 9, 119 - 4, 72 - 1, 74 - 9, 90 - 8, 94 - 9, 83 - 2, 77 - 5, 85 - 1, 109 - 6, 61 - 5, 85 - 3, 88 - 3, 72 - 3, 80 - 8, 73 - 8, 70 - 4, 124 - 8, 88 - 1, 89 - 1, 75 - 6, 91 - 5, 88 - 1, 99 - 9, 55 - 6, 69 - 3, 79 - 8, 84 - 1, 79 - 9, 55 - 2, 112 - 4, 90 - 5, 90 - 4, 87 - 1, 78 - 8, 88 - 2, 57 - 6, 118 - 6, 87 - 9, 91 - 9, 114 - 7, 87 - 2, 86 - 2, 70 - 1, 58 - 9, 70 - 1, 68 - 3, 72 - 6, 69 - 3, 72 - 7, 48 - 1, 73 - 8, 127 - 7, 83 - 9, 84 - 8, 71 - 5, 112 - 9, 75 - 6, 88 - 2, 78 - 9, 70 - 4, 57 - 9, 54 - 2, 86 - 6, 70 - 1, 90 - 4, 74 - 8, 69 - 3, 110 - 6, 51 - 3, 82 - 3, 72 - 6, 113 - 9, 115 - 7, 76 - 9, 90 - 2, 112 - 2, 114 - 2, 78 - 1, 89 - 2, 53 - 4, 105 - 1, 85 - 5, 82 - 1, 109 - 2, 72 - 6, 50 - 3, 83 - 1, 89 - 3, 102 - 2, 63 - 9, 92 - 8, 89 - 4, 98 - 8, 78 - 8, 91 - 7, 50 - 2, 58 - 2, 85 - 7, 68 - 1, 89 - 4, 91 - 6, 68 - 1, 87 - 8, 123 - 4, 118 - 7, 71 - 3, 76 - 9, 122 - 2, 123 - 7, 67 - 1, 75 - 4, 70 - 4, 117 - 2, 68 - 2, 75 - 6, 113 - 8, 80 - 7, 112 - 7, 66 - 1, 76 - 7, 50 - 1, 80 - 7, 71 - 3, 90 - 8, 108 - 5, 100 - 2, 68 - 3, 115 - 7, 74 - 8, 126 - 4, 89 - 5, 86 - 1, 105 - 5, 92 - 3, 86 - 1, 114 - 7, 61 - 4, 106 - 7, 87 - 5, 73 - 2, 59 - 2, 91 - 3, 105 - 4, 112 - 5, 51 - 2, 75 - 4, 89 - 7, 86 - 1, 61 - 4, 86 - 6, 92 - 7, 86 - 5, 112 - 5, 95 - 5, 94 - 8, 122 - 1, 57 - 1, 84 - 7, 70 - 5, 85 - 4, 70 - 5, 73 - 7, 78 - 7, 52 - 3, 58 - 2, 100 - 1, 70 - 3, 129 - 9, 78 - 1, 48 - 1, 79 - 9, 86 - 3, 111 - 4, 69 - 1, 85 - 3, 55 - 7, 104 - 1, 75 - 2, 75 - 5, 68 - 3, 49 - 1, 96 - 7, 86 - 8, 86 - 1, 117 - 5, 81 - 1, 83 - 1, 90 - 5, 58 - 5, 91 - 8, 91 - 7, 73 - 3, 91 - 5, 82 - 9, 86 - 4, 112 - 2, 81 - 3, 79 - 1, 76 - 4, 95 - 8, 61 - 4, 84 - 4, 87 - 3, 52 - 3, 74 - 4, 93 - 7, 91 - 9, 92 - 6, 100 - 1, 116 - 5, 74 - 7, 74 - 8, 75 - 2, 87 - 6, 81 - 9, 85 - 4, 79 - 9, 83 - 8, 108 - 6, 56 - 8, 87 - 1, 95 - 7, 106 - 5, 115 - 8, 51 - 3, 103 - 5, 107 - 9, 51 - 1, 95 - 9, 89 - 9, 89 - 4, 92 - 6, 90 - 4, 78 - 8, 70 - 4, 73 - 5, 64 - 8, 93 - 3, 80 - 3, 112 - 9, 120 - 1, 73 - 6, 68 - 1, 111 - 7, 58 - 6, 72 - 7, 73 - 4, 88 - 2, 63 - 7, 57 - 1, 79 - 8, 70 - 5, 104 - 1, 75 - 4, 79 - 8, 120 - 1, 93 - 4, 109 - 8, 80 - 9, 53 - 5, 55 - 6, 103 - 2, 107 - 6, 106 - 2, 96 - 6, 117 - 2, 86 - 4, 93 - 8, 66 - 9, 88 - 8, 91 - 6, 88 - 2, 89 - 3, 77 - 7, 67 - 1, 73 - 5, 65 - 9, 92 - 2, 76 - 2, 82 - 1, 112 - 1, 68 - 3, 68 - 2, 75 - 9, 106 - 3, 87 - 6, 93 - 9, 90 - 8, 86 - 5, 53 - 4, 68 - 3, 106 - 3, 53 - 5, 81 - 4, 73 - 6, 115 - 8, 82 - 4, 87 - 5, 86 - 1, 112 - 4, 88 - 6, 78 - 8, 101 - 4, 86 - 1, 120 - 8, 83 - 8, 87 - 5, 88 - 2, 113 - 9, 107 - 8, 84 - 3, 88 - 2, 127 - 7, 110 - 9, 107 - 5, 89 - 1, 116 - 4, 82 - 4, 91 - 9, 112 - 5, 94 - 8, 82 - 2, 85 - 1, 124 - 4, 51 - 3, 100 - 3, 70 - 4, 111 - 7, 94 - 5, 51 - 1, 88 - 8, 113 - 9, 74 - 1, 78 - 3, 75 - 3, 85 - 4, 60 - 8, 89 - 2, 76 - 7, 71 - 2, 119 - 4, 74 - 5, 89 - 9, 123 - 3, 113 - 6, 126 - 8, 75 - 6, 84 - 3, 115 - 4, 76 - 9, 89 - 2, 83 - 1, 95 - 6, 84 - 9, 72 - 1, 74 - 6, 78 - 9, 74 - 5, 72 - 7, 50 - 2, 110 - 2, 88 - 8, 86 - 3, 78 - 9, 71 - 5, 84 - 1, 92 - 8, 78 - 9, 127 - 7, 85 - 4, 93 - 9, 91 - 6, 94 - 4, 73 - 3, 93 - 9, 50 - 2, 59 - 2, 90 - 8, 73 - 8, 104 - 1, 123 - 4, 92 - 2, 84 - 4, 109 - 6, 76 - 3, 88 - 6, 88 - 5, 125 - 6, 81 - 4, 69 - 4, 76 - 7, 107 - 3, 83 - 2, 90 - 8, 79 - 7, 110 - 4, 89 - 4, 71 - 3, 89 - 7, 116 - 8, 107 - 3, 89 - 9, 72 - 1, 68 - 1, 56 - 4, 91 - 1, 71 - 4, 110 - 6, 85 - 4, 61 - 6, 79 - 8, 87 - 6, 58 - 2, 77 - 2, 71 - 6, 94 - 8, 90 - 8, 63 - 8, 89 - 3, 90 - 5, 88 - 2, 89 - 1, 105 - 4, 112 - 8, 70 - 4, 77 - 2, 88 - 6, 92 - 6, 51 - 2, 104 - 2, 87 - 2, 90 - 4, 64 - 7, 74 - 4, 86 - 4, 118 - 9, 120 - 8, 105 - 5, 93 - 7, 114 - 7, 124 - 4, 94 - 9, 93 - 3, 93 - 7, 72 - 2, 94 - 8, 80 - 9, 73 - 1, 54 - 5, 57 - 3, 88 - 4, 85 - 4, 69 - 4, 89 - 8, 67 - 2, 84 - 3, 120 - 1, 72 - 2, 79 - 7, 70 - 5, 117 - 6, 91 - 1, 108 - 7, 113 - 9, 54 - 2, 71 - 3, 74 - 5, 84 - 1, 124 - 5, 74 - 9, 78 - 6, 108 - 4, 57 - 5, 78 - 1, 77 - 8, 111 - 1, 75 - 2, 86 - 7, 88 - 9, 85 - 4, 121 - 6, 85 - 6, 67 - 2, 112 - 8, 85 - 3, 99 - 9, 87 - 5, 88 - 7, 76 - 7, 57 - 2, 70 - 5, 85 - 3, 79 - 2, 67 - 2, 86 - 5, 52 - 4, 62 - 6, 89 - 4, 72 - 4, 87 - 6, 70 - 1, 91 - 4, 75 - 2, 126 - 6, 55 - 2, 85 - 5, 87 - 5, 90 - 8, 90 - 8, 115 - 7, 90 - 5, 88 - 2, 91 - 5, 77 - 7, 93 - 7, 124 - 3, 127 - 8, 84 - 7, 72 - 2, 77 - 8, 93 - 8, 83 - 8, 76 - 6, 128 - 8, 90 - 5, 89 - 4, 72 - 3, 91 - 9, 81 - 7, 59 - 5, 86 - 1, 78 - 9, 91 - 2, 77 - 1, 74 - 7, 112 - 8, 112 - 8, 89 - 7, 83 - 6, 83 - 2, 83 - 2, 75 - 7, 83 - 3, 55 - 7, 88 - 2, 86 - 6, 92 - 4, 113 - 4, 92 - 6, 82 - 2, 93 - 8, 92 - 6, 89 - 3, 79 - 9, 76 - 7, 110 - 5, 78 - 5, 82 - 8, 74 - 8, 129 - 9, 71 - 2, 81 - 6, 87 - 6, 90 - 9, 80 - 7, 83 - 2, 76 - 7, 93 - 9, 86 - 9, 60 - 5, 74 - 3, 84 - 3, 86 - 8, 83 - 5, 69 - 2, 105 - 1, 108 - 9, 87 - 1, 72 - 2, 68 - 2, 70 - 1, 87 - 4, 105 - 5, 74 - 9, 118 - 7, 75 - 7, 70 - 1, 87 - 4, 121 - 6, 84 - 5, 70 - 4, 88 - 6, 68 - 2, 80 - 2, 89 - 1, 113 - 3, 115 - 3, 75 - 4, 87 - 5, 106 - 3, 68 - 3, 90 - 2, 74 - 7, 121 - 1, 69 - 4, 86 - 9, 78 - 8, 116 - 8, 58 - 5, 113 - 9, 96 - 6, 54 - 6, 93 - 3, 75 - 5, 88 - 4, 55 - 7, 62 - 6, 77 - 5, 77 - 7, 73 - 7, 108 - 8, 91 - 3, 86 - 7, 88 - 4, 80 - 7, 82 - 1, 74 - 8, 69 - 4, 86 - 9, 104 - 7, 75 - 5, 79 - 9, 89 - 3, 94 - 5, 94 - 8, 128 - 6, 64 - 8, 110 - 9, 74 - 8, 86 - 5, 86 - 5, 111 - 9, 74 - 7, 115 - 7, 112 - 5, 75 - 7, 75 - 9, 74 - 8, 121 - 6, 121 - 3, 70 - 3, 75 - 6, 64 - 7, 78 - 8, 83 - 1, 70 - 1, 63 - 6, 94 - 4, 96 - 8, 83 - 2, 68 - 3, 84 - 4, 85 - 5, 106 - 3, 126 - 7, 107 - 5, 77 - 7, 111 - 4, 65 - 8, 90 - 7, 91 - 7, 75 - 5, 87 - 2, 78 - 2, 74 - 9, 115 - 9, 90 - 1, 72 - 6, 92 - 8, 52 - 4, 93 - 7, 85 - 4, 89 - 5, 55 - 6, 92 - 2, 92 - 9, 91 - 9, 88 - 3, 52 - 3, 58 - 4, 85 - 2, 116 - 8, 54 - 5, 78 - 8, 69 - 2, 110 - 6, 100 - 1, 73 - 7, 76 - 4, 71 - 5, 102 - 3, 91 - 8, 77 - 2, 93 - 7, 72 - 6, 73 - 7, 87 - 5, 94 - 9, 85 - 3, 81 - 1, 79 - 9, 70 - 5, 57 - 9, 67 - 1, 74 - 4, 109 - 4, 60 - 8, 74 - 1, 92 - 9, 73 - 7, 78 - 9, 67 - 2, 81 - 2, 113 - 8, 89 - 4, 54 - 4, 86 - 8, 111 - 8, 78 - 1, 116 - 5, 75 - 9, 71 - 6, 109 - 6, 70 - 3, 87 - 5, 54 - 6, 93 - 3, 91 - 2, 91 - 7, 111 - 2, 61 - 4, 95 - 7, 105 - 4, 114 - 7, 54 - 5, 76 - 5, 67 - 2, 83 - 2, 73 - 8, 82 - 5, 71 - 5, 71 - 5, 111 - 8, 70 - 5, 80 - 9, 91 - 8, 55 - 2, 77 - 9, 69 - 3, 88 - 7, 120 - 9, 72 - 7, 69 - 3, 69 - 3, 106 - 3, 84 - 3, 89 - 7, 94 - 9, 113 - 1, 59 - 5, 76 - 8, 109 - 3, 112 - 5, 77 - 1, 70 - 2, 108 - 5, 80 - 7, 88 - 3, 87 - 1, 93 - 8, 55 - 2, 95 - 7, 105 - 3, 94 - 8, 73 - 7, 74 - 8, 91 - 9, 90 - 5, 87 - 5, 86 - 6, 75 - 6, 107 - 2, 113 - 2, 85 - 1, 73 - 3, 108 - 2, 92 - 3, 92 - 3, 70 - 5, 54 - 5, 62 - 9, 115 - 7, 86 - 2, 57 - 8, 70 - 1, 79 - 6, 100 - 2, 57 - 6, 51 - 2, 62 - 8, 92 - 8, 86 - 4, 72 - 7, 76 - 7, 74 - 2, 93 - 8, 61 - 5, 71 - 3, 74 - 5, 72 - 7, 84 - 3, 85 - 1, 80 - 7, 126 - 4, 57 - 5, 92 - 9, 68 - 2, 71 - 5, 118 - 3, 82 - 7, 81 - 4, 113 - 9, 49 - 1, 72 - 7, 75 - 5, 77 - 9, 73 - 4, 109 - 2, 68 - 1, 74 - 8, 74 - 5, 80 - 5, 79 - 7, 85 - 4, 106 - 7, 86 - 1, 69 - 2, 90 - 4, 101 - 1, 111 - 1, 86 - 2, 86 - 4, 92 - 7, 73 - 8, 72 - 1, 122 - 1, 95 - 6, 111 - 9, 71 - 6, 89 - 8, 69 - 4, 79 - 9, 79 - 3, 66 - 1, 128 - 9, 84 - 9, 85 - 1, 86 - 5, 112 - 5, 98 - 1, 77 - 5, 124 - 4, 95 - 6, 84 - 2, 75 - 3, 109 - 3, 92 - 7, 77 - 9, 89 - 5, 111 - 4, 121 - 1, 87 - 7, 72 - 2, 79 - 7, 124 - 8, 92 - 6, 89 - 7, 95 - 9, 105 - 5, 62 - 8, 70 - 4, 74 - 9, 69 - 3, 77 - 7, 89 - 7, 122 - 3, 124 - 9, 102 - 1, 72 - 2, 108 - 4, 74 - 9, 101 - 4, 88 - 8, 125 - 6, 82 - 5, 91 - 8, 92 - 9, 129 - 9, 54 - 6, 77 - 2, 78 - 9, 74 - 8, 71 - 2, 108 - 9, 78 - 4, 73 - 6, 57 - 5, 79 - 2, 71 - 2, 112 - 9, 68 - 2, 86 - 6, 90 - 5, 111 - 4, 123 - 3, 75 - 2, 84 - 2, 91 - 5, 74 - 9, 55 - 2, 72 - 7, 111 - 8, 124 - 9, 92 - 6, 67 - 2, 125 - 6, 114 - 3, 77 - 7, 76 - 7, 70 - 1, 82 - 8, 66 - 9, 104 - 3, 116 - 9, 53 - 4, 75 - 4, 90 - 8, 91 - 6, 61 - 4, 83 - 3, 92 - 7, 92 - 6, 92 - 7, 92 - 2, 69 - 2, 59 - 8, 115 - 4, 77 - 3, 76 - 9, 84 - 3, 96 - 7, 98 - 1, 66 - 1, 113 - 9, 88 - 7, 99 - 1, 75 - 6, 92 - 6, 113 - 6, 118 - 7, 75 - 8, 73 - 8, 106 - 7, 69 - 3, 71 - 1, 109 - 3, 123 - 4, 79 - 9, 78 - 8, 73 - 7, 71 - 2, 87 - 4, 107 - 6, 112 - 4, 68 - 2, 107 - 9, 87 - 5, 94 - 9, 107 - 4, 72 - 1, 75 - 3, 122 - 3, 73 - 4, 66 - 1, 75 - 9, 91 - 7, 123 - 8, 85 - 6, 76 - 7, 104 - 1, 122 - 3, 93 - 3, 76 - 9, 113 - 5, 97 - 7, 105 - 6, 89 - 7, 89 - 8, 124 - 4, 86 - 5, 88 - 4, 86 - 1, 93 - 3, 76 - 6, 88 - 4, 53 - 5, 58 - 1, 83 - 1, 73 - 3, 111 - 8, 116 - 9, 87 - 4, 82 - 3, 129 - 9, 59 - 3, 121 - 3, 69 - 2, 128 - 8, 119 - 4, 83 - 8, 68 - 3, 126 - 7, 79 - 2, 73 - 4, 74 - 3, 53 - 2, 79 - 6, 105 - 3, 69 - 4, 127 - 8, 90 - 9, 85 - 9, 71 - 1, 107 - 2, 78 - 5, 67 - 1, 67 - 1, 66 - 1, 85 - 8, 55 - 8, 85 - 9, 108 - 5, 60 - 8, 68 - 3, 70 - 2, 66 - 1, 86 - 5, 61 - 9, 79 - 8, 128 - 8, 71 - 2, 91 - 8, 76 - 1, 71 - 5, 124 - 9, 80 - 8, 74 - 7, 90 - 5, 94 - 4, 86 - 1, 108 - 7, 56 - 7, 95 - 9, 72 - 2, 89 - 3, 54 - 3, 121 - 9, 82 - 4, 84 - 2, 112 - 8, 94 - 5, 99 - 1, 72 - 4, 110 - 7, 81 - 4, 67 - 1, 93 - 9, 94 - 8, 56 - 3, 107 - 3, 96 - 6, 54 - 6, 92 - 2, 79 - 9, 93 - 9, 51 - 3, 65 - 9, 85 - 8, 109 - 7, 57 - 9, 87 - 1, 94 - 6, 76 - 2, 57 - 9, 71 - 1, 75 - 4, 93 - 7, 73 - 3, 59 - 2, 74 - 3, 92 - 9, 111 - 1, 60 - 3, 119 - 1, 70 - 3, 119 - 9, 79 - 5, 70 - 1, 85 - 1, 58 - 9, 61 - 8, 115 - 7, 92 - 2, 84 - 3, 66 - 5, 70 - 9, 42 - 3, 63 - 4, 11 - 1, 107 - 5, 126 - 9, 111 - 1, 107 - 8, 125 - 9, 110 - 5, 114 - 3, 114 - 4, 34 - 2, 127 - 7, 119 - 8, 122 - 8, 96 - 1, 106 - 5, 112 - 2, 108 - 9, 44 - 4, 116 - 1, 121 - 5, 120 - 6, 113 - 8, 114 - 4, 109 - 6, 49 - 5, 37 - 5, 112 - 5, 105 - 4, 122 - 1, 48 - 7, 39 - 7, 124 - 1, 17 - 7, 38 - 6, 34 - 2, 119 - 1, 105 - 8, 123 - 9, 41 - 9, 122 - 8, 107 - 6, 121 - 6, 40 - 8, 62 - 1, 40 - 8, 46 - 7, 43 - 4, 60 - 1, 16 - 6, 41 - 9, 36 - 4, 105 - 3, 115 - 4, 119 - 5, 37 - 5, 44 - 4, 127 - 9, 106 - 9, 117 - 3, 35 - 3, 113 - 8, 41 - 9, 69 - 8, 33 - 1, 55 - 7, 67 - 8, 34 - 2, 114 - 9, 35 - 3, 67 - 7, 35 - 3, 123 - 8, 117 - 1, 118 - 4, 111 - 6, 112 - 2, 112 - 9, 52 - 6, 113 - 5, 106 - 5, 113 - 3, 110 - 7, 119 - 3, 110 - 6, 66 - 7, 41 - 9, 107 - 2, 48 - 5, 52 - 9, 48 - 7, 37 - 5, 132 - 9, 12 - 2, 39 - 7, 36 - 4, 36 - 4, 38 - 6, 117 - 3, 102 - 1, 120 - 5, 40 - 8, 46 - 3, 63 - 2, 37 - 5, 90 - 7, 117 - 1, 121 - 7, 106 - 1, 116 - 6, 109 - 6, 51 - 5, 110 - 8, 115 - 1, 120 - 9, 110 - 1, 70 - 3, 111 - 7, 106 - 9, 121 - 7, 71 - 4, 115 - 4, 104 - 4, 106 - 5, 45 - 5, 122 - 7, 121 - 5, 115 - 1, 112 - 7, 117 - 7, 104 - 1, 53 - 7, 102 - 3, 109 - 5, 99 - 2, 116 - 2, 68 - 1, 118 - 7, 108 - 8, 109 - 8, 73 - 8, 123 - 7, 43 - 3, 112 - 7, 46 - 5, 33 - 1, 96 - 2, 13 - 3, 41 - 9, 40 - 8, 41 - 9, 40 - 8, 33 - 1, 41 - 9, 37 - 5, 35 - 3, 38 - 6, 39 - 7, 40 - 8, 41 - 9, 36 - 4, 40 - 8, 41 - 9, 40 - 8, 34 - 2, 34 - 2, 35 - 3, 41 - 9, 37 - 5, 33 - 1, 40 - 8, 37 - 5, 35 - 3, 37 - 5, 33 - 1, 39 - 7, 39 - 7, 41 - 9, 35 - 3, 37 - 5, 116 - 9, 104 - 3, 122 - 1, 55 - 9, 108 - 9, 106 - 2, 98 - 1, 123 - 9, 76 - 9, 120 - 9, 101 - 1, 108 - 7, 72 - 7, 121 - 5, 41 - 1, 106 - 1, 38 - 6, 46 - 9, 39 - 7, 114 - 7, 110 - 9, 129 - 8, 48 - 2, 115 - 7, 105 - 4, 117 - 7, 111 - 8, 121 - 5, 110 - 6, 48 - 7, 45 - 4, 68 - 9, 16 - 6, 36 - 4, 33 - 1, 129 - 4, 16 - 6, 38 - 6, 34 - 2, 123 - 9, 110 - 9, 120 - 4, 122 - 5, 121 - 7, 117 - 7, 35 - 3, 119 - 5, 102 - 1, 117 - 2, 66 - 7, 11 - 1, 131 - 6, 13 - 3, 13 - 3, 119 - 1, 98 - 1, 123 - 9, 33 - 1, 103 - 3, 104 - 3, 108 - 9, 35 - 3, 64 - 3, 33 - 1, 122 - 2, 118 - 7, 122 - 8, 99 - 4, 105 - 4, 119 - 9, 105 - 6, 42 - 2, 101 - 4, 119 - 3, 115 - 4, 101 - 3, 41 - 1, 109 - 8, 115 - 5, 104 - 5, 104 - 3, 104 - 4, 44 - 3, 51 - 7, 36 - 4, 111 - 4, 107 - 6, 126 - 5, 48 - 7, 65 - 6, 15 - 5, 41 - 1, 112 - 2, 106 - 5, 120 - 1, 34 - 2, 79 - 9, 126 - 9, 111 - 1, 105 - 6, 123 - 7, 110 - 5, 118 - 7, 118 - 8, 41 - 1, 108 - 8, 103 - 2, 101 - 2, 48 - 7, 44 - 3, 49 - 9, 42 - 1, 60 - 1, 14 - 4, 19 - 9)))();
dez 19, 2014

ESPERANÇA: Entre tragédia de Lúcifer e as catástrofes do Anjo da História de Walter Benjamin

E o homem é feito de carne, que vive, morre, apodrece e volta a ser pó. Mas carrega ao mesmo tempo uma alma que acredita ser infinita e imortal. É nossa alma que nos faz recordar o passado e sonhar com o futuro. O homem é, definitivamente, o maior paradoxo da Criação, um ser que existe simultaneamente em espírito e em carne, que constrói e destrói, que vive ao mesmo tempo no passado, no presente e no futuro.

Sonhadores, idealistas e aventureiros. Ativistas, missionários e voluntários. Conquistadores, inventores e empreendedores. Existem seres que atravessam a existência na Terra tomados de Esperança. Poetas do futuro. Pois desde que os primeiros deles saíram às portas das cavernas e começaram a olhar em direção ao horizonte, imaginando o que poderia haver do outro lado da montanha, esse punhado de homens só desejava uma coisa – controlar o Destino.

Em outras palavras, esse grupo de homo sapiens atravessou a vida tentando controlar o Acaso a fim de tecer a trama da própria história nessa breve passagem pela Terra. E são eles que, de alguma forma, com idas e vindas, luzes e trevas, vêm construindo dois projetos tão belos quanto catastróficos. O primeiro é um projeto chamado Humanidade. O outro é a Civilização.

É bem provável que o Sr., prezado leitor, seja um deles. Caso contrário não estaria lendo estas linhas. Sonhador ou ativista, aventureiro ou empreendedor, pouco importa. O relevante é lembrar que aqueles que porventura vieram ao mundo tomados de alguma dessas características, qualquer delas, por alguma razão do Destino, faz parte de um grupo raro que de pessoas que são movidas pela Esperança. A fé em si mesmo, no próximo, no homem, na vida. A Esperança no futuro. Um desejo inexplicável de ajudar a construir um mundo melhor para si ou a família, para seu povo ou país. Até mesmo um legado à Humanidade. Como posso influir na construção do futuro?

Quem somos, onde estamos? Devemos questionar, em especial, para onde vamos? Eis as indagações fundamentais do pensamento. Ora, é preciso primeiro compreender que a estrada que nos leva ao futuro é a mesma que nos trouxe do passado. Por essa razão, para alcançarmos os objetivos a que nos propomos, para tentar construir nossa própria História neste mundo, precisamos ter uma clareza sobre nossa trajetória que só pode ser obtida se recuperarmos o que deixamos atrás de nós exatamente nos lugares de onde viemos.

Assim, história de vida de cada ser é um eterno ponto de encontro da recordação com a Esperança. Continue reading »

ago 20, 2014

Sérgio Vieira de Mello, a metáfora da água e o desespero da ONU

A ONU lança selo em parceria com os Correios para homenagear Sérgio Vieira de Mello, morto há exatos 10 anos em atentado terrorista no Iraque. Ele tombou aos 55 anos. A ONU, então com a mesma idade, saiu gravemente ferida. Pode-se dizer, até, que a trajetória profissional do brasileiro, no limite entre a guerra e a paz, acompanhou os problemas recentes da entidade (Artigo publicado originalmente pela revista IstoÉ-DINHEIRO, em Ago 2004)

sergio

por Hugo Studart

Nos últimos 30 anos, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello esteve nos lugares mais desolados do mundo levando socorro a civis flagelados pelas guerras. Começou a vida cuidando de hordas de famintos e campos de trucidados em terras esquecidas como Bangladesh, Sudão, Moçambique e Camboja. No Líbano, escapou de tiros cruzados na pior de suas muitas batalhas. Idealista, era o brasileiro que construiu a biografia mais próxima à de Giuseppe Garibaldi. “Não esperem que eu fique tratando de direitos humanos apenas em gabinetes confortáveis”, disse recentemente. “Gosto de sujar as botas de lama”. Doutor em Filosofia pela Sorbonne, era um intelectual refinado que galgou os principais postos das Nações Unidas. Chefiou a missão da ONU na Bósnia, presidiu o Timor Leste e acabou eleito Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

Na tarde de terça-feira, 19 de agosto, era Sérgio Vieira de Mello quem estava sedento. Representante da ONU no Iraque, ele viu um caminhão bomba explodir na frente de seu gabinete em Bagdá. Despencou dois andares. Uma viga de ferro prendeu suas pernas. Por duas horas, conseguiu falar ao telefone celular enquanto aguardava que lhe resgatassem dos escombros. “Água, água, água”, suplicou. Era o sinal clínico de hemorragia interna terminal. Logo depois o telefone emudeceu. Quando finalmente se chegou a Sérgio, só havia um corpo esmagado pelo terrorismo que tomou conta do Iraque desde que os Estados Unidos anunciaram, a 1º de maio último, que haviam vencido a guerra contra o regime de Saddam Hussein. Morreram na explosão 24 pessoas.

O ato chocou o mundo –uma comoção que não se via desde os atentados de 11 de setembro. “Não posso pensar em ninguém que fosse mais indispensável ao sistema das Nações Unidas que Sérgio”, lamentou Kofi Annan, secretário-geral da ONU. “Vieira de Mello empenhou sua vida para fazer avançar a causa dos direitos humanos”, disse o presidente dos Estados Unidos George W. Bush. Coube a Jacques Chirac, o presidente da França, resumir o sentimento internacional: “Estou consternado e irado”. No Brasil, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva decretou luto oficial de três dias.

Vieira de Mello morreu aos 55 anos. A ONU, com a mesma idade, saiu gravemente ferida. Pode-se dizer, até, que a trajetória profissional do brasileiro como funcionário da organização, afeito a missões complicadas, no limite entre a guerra e a paz, acompanhou os problemas recentes da entidade. Chamada meses atrás de “irrelevante” pelo próprio presidente Bush, a ONU apela por reconhecimento e por novas atribuições no cenário internacional. Nesse sentido, o apelo desesperado do brasileiro por água, instantes antes de morrer, pode servir de metáfora à atual situação das Nações Unidas.

O atentado em Bagdá matou Vieira de Mello mas atingiu também uma idéia – a do multilateralismo das relações internacionais, em oposição ao vôo solo e arrogante dos Estados Unidos contra o Iraque. No pós-guerra, a ONU assumiu o papel secundário de assistência humanitária. Vieira de Mello tinha poderes vagos. Coordenava a distribuição de remédios e alimentos, mas só opinava (sem decidir) sobre assuntos menores. Quem manda de fato no Iraque é o governador Paul Bremer, instalado no cargo pelos EUA. Continue reading »

jul 10, 2014

A história secreta do acerto de contas (que nunca houve) entre Plínio e Dirceu

O deputado Plínio de Arruda Sampaio morreu, aos 83 anos, magoado com José Dirceu por conta do estranho “desaparecimento” de 4 milhões de dólares de sua campanha para governador de São Paulo. Coincidência ou não, o fato é que depois desse incidente tem início a déblâcle de Plínio dentro do PT e a espantosa ascensão de Dirceu na política nacional

Uma das máximas da política é que poder e liderança se constroem, principalmente, com dinheiro. Isto posto, narro abaixo uma história a qual só alguns membros da cúpula do PT e os mais íntimos de Plínio de Arruda Sampaio têm conhecimento:

Era fins de setembro de 1990, reta final da eleição para o governo do Estado de São Paulo, quando Plínio de Arruda Sampaio e José Dirceu protagonizaram um incidente que os afastaria um do outro para sempre e todo o sempre. Até então usufruíam da condição de grandes aliados políticos, mas também amigos. Plínio era o candidato a governador pelo Partido dos Trabalhadores; e José Dirceu, então deputado estadual, era candidato a deputado federal pela primeira vez. O primeiro, liderança nacional expressiva e consolidada; o outro, liderança estadual ainda em ascensão.

O PT, com apenas 10 anos de fundação, ainda um partido essencialmente ideológico, aliás, ícone da esquerda radical, que sobrevivia basicamente com as doações de seus próprios militantes, estava embalado com seus primeiros resultados políticos. Nas eleições de 1986, havia conseguido eleger sua liderança-símbolo, o metalúrgico Luís Inácio Lula da Silva, como o deputado federal Constituinte mais votado do Brasil. Nas eleições de 1988, uma aguerrida militante social paraibana, Luíza Erundina, havia surpreendido a todos conquistando a Prefeitura de São Paulo — venceu Paulo Maluf e José Serra. No ano seguinte, 1989, nas eleições diretas para a Presidência da República, Lula também havia surpreendido ao conseguir disputar o segundo turno com Fernando Collor de Mello — ultrapassando na reta final lideranças muito mais relevantes na ocasião, como o governador Leonel Brizola, o favorito do início até a reta final, o senador Mário Covas e o deputado Ulysses Guimarães, o Dr. Constituinte.

Foi assim que, no pleito seguinte, 1990, o PT convocou  Plínio para ser candidato do partido ao governo do Estado de São Paulo. Era “O Cara”, com uma história política tão longa quanto relevante.

Continue reading »

abr 20, 2014

A lista dos camponeses que foram mortos na Guerrilha do Araguaia

O jornalista e historiador Hugo Studart revela que mais camponeses participaram da guerrilha, nos Estados do Pará e de Goiás (Tocantins), do que registram PC do B e pesquisadores. A batalha talvez tenha de ser (re)vista como um movimento com maior envolvimento de populares (Publicado pelo semanário A Opção, de Goiânia, em 20 Abril 2014)

Hugo Studart: a Guerrilha do Araguaia não foi um movimento armado com participação apenas de comunistas; camponeses tiveram forte envolvimento

Por Euler França Belém

 

A tese de doutorado “Em Algum Lugar das Selvas Amazônicas: As Memórias dos Guerrilheiros do Araguaia (1966-1974)”, do jornalista e historiador Hugo Studart, apresenta o levantamento mais completo sobre os camponeses que participaram da Guerrilha do Araguaia, direta ou indiretamente. Lista-se também os que morreram, estão desaparecidos e os que sobreviveram. O documento “Dossiê Araguaia: Ultrapassando a Guerrilha”, elaborado por militares entre 1998 e 2001, “apresenta uma relação de exatos 29 camponeses que teriam entrado para a guerrilha. Até então, para o Partido Comunista do Brasil, a guerrilha teria tido a adesão de 18 camponeses”. O documento revela que nove camponeses foram mortos, três foram presos, um teria desertado e não se sabe do paradeiro de 17. A guerrilha, portanto, não foi apenas dos militantes do PC do B. A participação popular foi maior do que tradicionalmente informam o partido e pesquisadores. A tese de Studart pode ensejar uma reformulação da maneira como a Guerrilha do Araguaia tem sido interpretada.

 Outro documento, aparentemente confeccionado pelo Centro de Informações do Exército (CIE), divulga “a relação de 178 camponeses que teriam prestado apoio aos guerrilheiros”. O documento informa que 36 camponeses deram “apoio forte” aos integrantes do PC do B. Studart anota que a relevância do documento tem a ver com o “detalhamento até então desconhecido sobre a participação de cada um dos camponeses na guerrilha” e arrola os nomes de 10 camponeses mortos. O documento relaciona também “142 moradores da região que teriam sido ‘apoios fracos’ da guerrilha. No total, 178 camponeses, de acordo com a avaliação dos militares, teriam de alguma forma participado da guerrilha”.
O Relatório Especial de In­formações nº 6, do SNI, apresenta dados parecidos: “161 ‘apoios’ haviam sido presos até 15 de novembro de 1973 e (…) outros 42 estavam sendo procurados, totalizando 203 camponeses”.
A partir do cruzamento dos dados apresentados pelos documentos, Studart conclui que morreram “27 camponeses durante a repressão à Guerrilha do Araguaia”. As informações são “preliminares”, adverte o pesquisador. É possível que os mortos sejam 31 (ou 33), ou até mais, mas o pesquisador prefere ter cautela, ancorado em dados (sempre comparados e confrontados), sem forçá-los (ao menos não de maneira desmedida) por meio da teoria. As pesquisas, inclusive as suas, estão em andamento. A Guerrilha do Araguaia, embora cada vez mais conhecida, permanece como uma “obra aberta” — à espera de pesquisas tão rigorosas quanto a de Studart.
Mortos durante a guerrilha (casos consolidados)
Baseado nas informações de moradores da região, de militantes dos Direitos Humanos e em documentos militares, Studart lista os “mortos durante a guerrilha” — são os casos que chama de “consolidados”. Os textos a seguir são uma síntese pálida, com fartas transcrições, de um material apurado com rara excelência pelo doutor em História.
1 — Antônio Alfredo Lima — Entrou para o Destacamento A. Encontra-se na listagem dos desaparecidos do compêndio Retrato da Repressão Política no Campo. Foi morto pelas Forças Armadas, em 13 de outubro de 1973, junto com André Grabois e mais dois guerrilheiros, em combate com o grupo militar comandando pelo major Lício Augusto Maciel.
2 — Clóvis Ribeiro dos Santos — Foi preso e torturado em fevereiro de 1974. Desaparecido em 1974, no Araguaia.
3 — Jair Maciel, Zequinho — Morto em janeiro de 74.
4 — Joaquim de Souza — Desaparecido em junho de 1973, possivelmente morto pelo Exército. Seu nome constava no cartaz das vítimas da guerrilha.
5 — João Pereira da Silva — Seu pai, José Pereira da Silva, apoiou o Destacamento C da guerrilha. Pressionado pelos militares, mandou o filho, Joãozinho, levá-los aos integrantes do PC do B. O garoto de 17 anos foi morto pelos guerrilheiros (Rosalindo Cruz, Mundico, e Jaime Petit) com um tiro no peito. Continue reading »
abr 12, 2014

Número de camponeses mortos no Araguaia pode chegar a 31

Pesquisador aponta que 76 pegaram em armas ou apoiaram guerrilheiros (Reportagem publicada por “O Globo”, edição de domingo, 12 Abril 2014, pág 11)

por Cleide Carvalho

SÃO PAULO — O número de camponeses que tiveram participação ativa e morreram durante a Guerrilha do Araguaia, entre 1967 e 1974, pode ser maior do que consta em registros históricos. A tese de doutorado apresentada à Universidade de Brasília (UnB) em fevereiro pelo jornalista e historiador Hugo Studart reúne 31 nomes de camponeses mortos e de dois desaparecidos na guerrilha. Apenas as 12 mortes apresentadas como casos consolidados — com histórias conhecidas por militantes de direitos humanos e moradores da região — representam o dobro do número de camponeses do Araguaia listados pela Comissão sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, da Secretaria de Direitos Humanos. Segundo o coordenador da Comissão, Gilles Gomes, dos 148 desaparecidos políticos brasileiros, 70 participaram da guerrilha, dos quais 64 eram militantes políticos e seis eram camponeses.

Segundo Studart, os nomes que emergem da pesquisa mostram que 76 camponeses pegaram em armas ou serviram de “apoio forte” aos guerrilheiros — ou seja, ajudaram as forças guerrilheiras conscientes do que estavam fazendo, arriscando suas vidas. É quase o mesmo número de militantes comunistas, que somavam 79 quando os conflitos começaram, em 1971.

— Meu objetivo foi montar o quebra-cabeças de informações e dar voz aos anônimos e esquecidos. Os camponeses foram relegados a mera estatística pelos grupos de direitos humanos, que se preocuparam apenas com os guerrilheiros, a maioria estudantes de classe média e profissionais liberais — diz Studart.

Criméia Alice Schmidt Almeida, ex-guerrilheira e militante do PCdoB, explica que apenas seis nomes de camponeses foram incluídos no Dossiê dos Mortos e Desaparecidos Políticos por falta de informações. Segundo ela, havia certeza do engajamento de apenas dois camponeses — Luis Vieira de Almeida e Antônio Alfredo Lima, ambos mortos em 1973 e considerados desaparecidos.

Como observador da Universidade de Brasília (UnB) no Grupo de Trabalho do Araguaia (GTA) desde 2009, Studart afirma ter reunido cerca de 15 mil documentos sobre a guerrilha — alguns oficiais e outros sem timbre ou carimbo dos respectivos órgãos. Segundo ele, um relatório da agência do SNI em Marabá informa que até 15 de novembro de 1973 haviam sido presos 161 camponeses considerados “apoio” dos guerrilheiros e outros 42 estavam sendo procurados. Ou seja, o SNI havia identificado 203 camponeses ligados à guerrilha.

 

Exército: 36 nomes de ‘apoios fortes’ à guerrilha

Durante sua tese, o jornalista e historiador Hugo Studart usa ainda como fonte de comparação de dados a reprodução de um documento atribuído ao Centro de Informações do Exército. Nele, militares identificam 36 nomes de “apoios fortes” à guerrilha, em maioria coincidentes com os do SNI. Além de apresentar novos nomes, o documento relaciona 10 camponeses mortos. Outros 142 camponeses são apresentados como “apoios fracos” aos guerrilheiros, sem participação política direta.

— O PCdoB só conhecia o nome de três mortos e contabilizava 18 moradores da região que aderiram à guerrilha — diz Studart, lembrando que a lista de mortos pode ser dez vezes maior do que a elaborada pelo partido.

Segundo Studart, é certo que a adesão dos camponeses à guerrilha foi maior do que a descrita. Ele cita Adalgisa Lopes, dona de casa. Moradora de São Domingos do Araguaia, Adalgisa teria participado da logística de assalto a um posto da polícia na Transamazônica. O marido, Frederico Lopes, também aderiu.

Para o Exército, os camponeses eram caboclos que só conheciam a “lei do mais forte” e precisavam ser tratados com “rigor”. Já Maurício Grabois, comandante da guerrilha, registrou em seu diário: “Sobre a atitude da massa, podemos afirmar que é de profunda simpatia em relação à nossa luta e de condenação às forças da repressão”.

Maria Rita Kehl, da Comissão da Verdade, entrevistou 14 camponeses no Araguaia, a maioria sobrevivente da guerrilha. Ela ressalta que, dos mortos listados por Studart, sete foram assassinados ao lado de guerrilheiros.

Rita lembra ainda a tortura sofrida pela família de José Ribeiro Dourado. A mulher dele, Madalena, contou que ele foi morto por dar comida ao guerrilheiro Osvaldão. Disse ainda que seu filho mais velho, Deusdete, foi preso. Libertado, entrou em depressão, ficou alcoólatra e enlouqueceu. A mãe só soube depois o que houve: o rapaz fora obrigado pelos militares a cortar a cabeça do pai morto. Antes de morrer, ele teria mostrado o local onde cabeças foram enterradas na base militar de Xambioá.

 

Leia mais sobre esse assunto em

http://oglobo.globo.com/pais/numero-de-camponeses-mortos-no-araguaia-pode-chegar-31-12181391

jan 18, 2014

Como foi a decapitação do guerrilheiro Arildo Valadão, um dos desaparecidos do Araguaia

(Trecho de abertura do Capítulo 2 da minha Tese de Doutorado, “Em algum lugar das selvas amazônicas: As Memórias dos Guerrilheiros do Araguaia”)

O guerrilheiro Ari ainda estava vivo quando o facão (cego) serrou o seu pescoço

A BARBÁRIE COMO ESCOLHA

No momento em que teço estas linhas, em novembro de 2013, completam-se exatos 40 anos que seis jovens de origens distintas, cada qual acalentando suas próprias esperanças, encontraram-se em uma encruzilhada remota de algum lugar das selvas amazônicas. Na trama grega, as tragédias costumam ter início em uma encruzilhada. Como aquele entroncamento de três estradas no qual Édipo, por obra do Acaso, se encontra com o rei Laio e o mata depois de uma discussão banal, sem saber que era seu próprio pai[1]. No caso em questão, objeto desta pesquisa, a encruzilhada fica na Grota do Cristal, uma pequena fonte de água onde três trilhas na floresta se encontram, localizada a 200 metros do rio Sororozinho, bem no epicentro da região onde as Forças Guerrilheiras do Araguaia e o Exército brasileiro se enfrentaram por três anos consecutivos.

Foi nessa tríplice encruzilhada que o Acaso[2] colocou três guerrilheiros e três camponeses frente a frente, em fatídico encontro que definiria o desfecho daquela luta. O sol a pino indicava que era meio-dia de 26 de novembro de 1973 quando o primeiro grupo chegou à grota. O líder (dos camponeses) chamava-se Sinésio Bringel, um pequeno posseiro, tropeiro e dono de bodega, casado, três filhos, tinha 38 anos na ocasião[3]. A seu lado, Iomar Galego, 33 anos, casado, cinco filhos, caçador e posseiro de uma roça de subsistência[4]. Por fim, Raimundinho Cacaúba, também casado, três filhos, 35 anos, posseiro e caçador[5].

* * *

Os britânicos criaram dois termos semelhantes, story e history, para distinguir ficção e realidade. Um seria uma estória que se conta. Outro, uma história que se constrói. Para Paul Ricœur, entretanto, mais do que um preciosismo linguístico, tal distinção seria um erro epistemológico. Afinal, os britânicos ousaram esquecer aquilo que os antigos sempre souberam: que História e ficção emergem da mesma matriz, a memória – embora guardem distinções quanto ao método e, principalmente, quanto ao objetivo[6]. Ricœur também lembra que os historiadores, tais quais os narradores orais medievais, tecem uma trama de acordo com a sua visão pessoal do que venha a ser a realidade e os fatos[7]. Ao fazer a defesa da narrativa para a tecitura da história, Ricœur aconselha que o historiador busque rebaixar a pretensão explicativa e eleve a capacidade narrativa[8].

Assim, esclareço preliminarmente que a trama sobre os fatos ocorridos naquela encruzilhada da floresta foi construída de acordo com as visões pessoais dos três camponeses sobreviventes – Sinésio, Iomar e Raimundo – sobre o que teria sido a “realidade” por eles vivenciada e exposta em narrativas orais a esta pesquisa. Entre 2009 e 2012, realizei quatro entrevistas orais com Sinésio Bringel, quatro com Iomar Galego e uma com Raimundo Cacaúba. Cheguei a viajar com os três, separadamente, na busca da reconstituição de episódios da guerrilha, dentre eles, este que aqui narro[9].

Eles estão aqui tratados como protagonistas, de acordo com as interpretações de Benjamin e dos Annales sobre a necessidade de valorizar os anônimos, os pequenos, os perdedores e até mesmo os anti-heróis. Até aquele momento, aqueles três eram apenas isso: pequenos posseiros, tropeiros, caçadores, pais de família, que viviam em uma região com total ausência dos serviços do Estado. Enfim, esquecidos.

* * *

Quatro dias antes de chegarem à encruzilhada na Grota do Cristal, estavam todos presos numa base do Exército, eles e suas famílias. O Exército havia retornado ao Araguaia pela terceira vez, mas até então os resultados eram pífios. Haviam matado uma guerrilheira 40 dias antes[10]. Desde então, o único embate em toda a região fora uma emboscada dos guerrilheiros, na qual um soldado saíra ferido. Por essa razão, os militares decidiram fazer uma experiência. A nova tática: recrutar camponeses para a luta armada.

Sinésio, que estava preso, foi o primeiro a receber a proposta. Seria solto se ajudasse o Exército a caçar os “terroristas”. E, se bem sucedido, ainda ganharia um prêmio em dinheiro. Sinésio aceitou. Raimundo Cacaúba prontificou-se a ir junto. Foram então buscar Iomar Galego, considerado um dos três melhores rastreadores de toda a região, capaz de perceber os indícios de caça (ou de humano) com até seis dias na estação das chuvas e de três dias em tempos de seca.

Os três foram levados diante de um militar, alguém importante, um chefe – recordam-se eles – pois tinha cerca de 40 anos, mandava nos demais soldados e era chamado de “doutor”. Naquele momento da luta, os militares só andavam com roupas civis, ou seja, “descaracterizados”, e portavam identidades falsas, “codinomes”. Os oficiais usavam o qualificativo de “doutor” para demarcar a hierarquia. Sargentos, cabos e soldados usavam codinomes simples. O oficial que os convocou para dar as instruções era chamado de “Doutor César”[11].

“Me tragam um bico de papagaio”, determinou o oficial, enquanto afiava a mão direita aberta no próprio pescoço, de orelha a orelha.

Com aquele sinal, os três camponeses compreenderam que o “doutor” exigia cabeças. Receberam ração para missão de oito dias. No segundo dia, encontraram rastros humanos. No quarto, chegaram à Grota do Cristal. Cogitaram tomar banho na bacia de água que formava a fonte. Desistiram, muito perigoso. Foi então que escutaram um som, leve e sutil.

“Até pensei que fosse o barulho de um beija-flor” – relata Iomar.

Na dúvida, armaram tocaia, cada um deles atrás de uma árvore. Naquele tempo havia milhões de árvores majestosas, salpicadas na mata espessa que se espraiava pelas duas margens do rio Araguaia em direção ao infinito – hoje é uma devastação só em forma de pastos. Em poucos minutos, três guerrilheiros começaram a adentrar na Grota do Cristal por uma das três trilhas que desaguam naquela encruzilhada.

O guerrilheiro Ari (foto) vinha na vanguarda, abrindo caminho. Sua identidade, antes de chegar ao Araguaia, era Arildo Airton Valadão, um capixaba de Cachoeiro do Itapemirim. Era estudante de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro e líder estudantil. No Araguaia, passou a ser vice-comandante do Destacamento C das Forças Guerrilheiras. Tinha então 25 anos.

No meio, vinha Jonas, codinome adotado pelo camponês Josias Gonçalves quando, 11 meses antes, aos 17 anos, encantara-se com as pregações revolucionárias e aderira à guerrilha[12].

Fechando a retaguarda, Raul (foto), membro do Grupamento de Saúde do Destacamento B da guerrilha. Nascido Antônio Theodoro de Castro, cearense de Itapipoca, era estudante de Bioquímica e de Farmácia da Universidade Federal do Rio de Janeiro até chegar ao Araguaia. Em novembro de 1973, tinha 28 anos[13].

Caminhavam pelas matas para uma grande reunião das Forças Guerrilheiras do Araguaia. Seria a primeira desde que o Exército retornara pela terceira vez à região dois meses antes, nos primeiros dias de outubro de 1973. O objetivo era discutir a estratégia de combate. Ou decidir pela fuga enquanto ainda era possível. Um grupo de guerrilheiros já se encontrava acampado ali perto, a cerca de 150 metros da grota, quando o Acaso colocou os três guerrilheiros frente-a-frente com os três camponeses.

O vice-comandante Ari notou a tocaia. Parou e apontou sua arma para Sinésio. Não deu tempo de atirar. Iomar acertou-lhe um tiro no peito com sua espingarda de caça. Rápido, Jonas caiu na mata, encontrou uma moita, e por lá se manteve escondido, a tudo assistindo. Raul correu morro acima em direção ao ponto marcado para a reunião dos companheiros. Sinésio atirou em Raul. A bala acertou o prato de metal escondido no bornal que carregava às costas. Escapou. Escutou-se então o som do grupo de mais de 30 guerrilheiros correndo na direção oposta aos tiros.

Ari estava estirado no chão quando os três camponeses se aproximaram. Foi Sinésio quem mandou que cortassem sua cabeça. Raimundinho não teve coragem. Iomar prontificou-se ao serviço.

Ari ainda estava vivo quando o facão (cego) serrou o seu pescoço. As pernas estrebucharam[14].

Continue reading »

jan 18, 2014

É sempre bom lembrar que somos feitos da mesma matéria dos sonhos

Foi Próspero, protagonista de “A Tempestade”, obra de Shakespeare, que disse isso. Contudo, por pertinência ao tema, tomei a frase emprestada para a abertura da Tese de Doutorado que acabo de entregar à banca. Chama-se: “EM ALGUM LUGAR DAS SELVAS AMAZÔNICAS: As Memórias dos Guerrilheiros do Araguaia (1966-1974)”. Foram cinco anos de pesquisa, leituras e escrita. Uffa. Compartilho com os amigos o texto de Apresentação da Tese, no qual trato muito de esperança e de sonhos. Afinal, como bem o disse Próspero, “somos feitos da mesma matéria dos sonhos”.

Foram cinco anos pesquisando e escrevendo; estudando e escrevendo; escrevendo e reescrevendo

E o homem é feito de carne, que vive, morre e volta a ser pó. Mas carrega ao mesmo tempo uma essência que muitos acreditam ser infinita e imortal. Platão chamou essa essência de anima, alma. Seria ela a responsável por nos fazer recordar o passado e imaginar o futuro. O homem é, definitivamente, o maior paradoxo da Criação, um ser que existe simultaneamente em anima e em carne, que constrói e destrói, que vive ao mesmo tempo no passado, no presente e no futuro.

Sonhadores, idealistas e aventureiros. Conquistadores, missionários e voluntários. Ativistas e revolucionários. Existem seres que atravessam a existência tomados de sonhos, de esperança no futuro. Pois desde que os primeiros deles saíram às portas das cavernas e começaram a olhar em direção ao horizonte, imaginando o que poderia haver do outro lado da montanha, esse punhado de homens só desejava uma coisa – construir um mundo melhor. E são eles que, de alguma forma, com idas e vindas, luzes e trevas, vêm construindo dois projetos tão belos quanto catastróficos. O primeiro é um projeto chamado Humanidade. O outro é a Civilização.

Sonhador ou idealista, missionário ou revolucionário, pouco importa. O relevante é ressaltar que aqueles que porventura vieram ao mundo tomados de alguma dessas características, qualquer delas, faz parte de um grupo de pessoas movidas pelos sonhos do passado e pela esperança no futuro. O acreditar no próximo, no homem, na vida. Um desejo inexplicável de ajudar a construir um mundo melhor.

Sou um deles. Sonhador na infância, imaginava-me entre os personagens da Liga da Justiça. Queria ter sido um dos 300 espartanos de Leônidas. Na juventude, transformei-me em idealista. Passei a ler sobre as revoluções. A francesa, a soviética, as grandes guerras do Século XX. Depois, sobre nossa própria revolução, em suas dimensões distintas – o regime militar, a luta armada urbana e a guerrilha rural. O tempo passa… e eis que que me encontro na maturidade, sob o diapasão da racionalidade, buscando compreender o fenômeno revolucionário. Em outras palavras, pesquisando sobre o que leva alguns homens a sacrificar a própria vida por um ideal político.

“Com o que devemos sonhar?” – certa feita indagou-se Lenin. “Escrevo estas palavras e de repente fico assustado”[1]. Materialista até a essência, estava assustado com o aparente desacordo entre sonho e realidade. Lenin então buscou respostas nas palavras de um líder político russo, Dimitri Pissarev, contemporâneo de Marx. Pissarev era, paradoxalmente, revolucionário e niilista. Lenin gostou desse desacordo aparente:

“Se o ser humano fosse completamente desprovido da faculdade de sonhar, se não pudesse de vez em quando adiantar o presente e contemplar em imaginação o quadro lógico e inteiramente acabado da obra que apenas se esboça em suas mãos, eu decididamente não poderia compreender o que leva o ser humano a empreender e a realizar vastos e fatigantes trabalhos na arte, na ciência e na vida prática (…) O desacordo entre o sonho e a realidade nada tem de nocivo se, cada vez que sonha, o ser humano acredita seriamente em seu sonho, se observa atentamente a vida, compara suas observações com seus castelos no ar e, de uma forma geral, trabalha conscientemente para a realização de seu sonho. Quando existe contato entre o sonho e a vida, então tudo vai bem!”[2]

Representação do personagem Próspero, de “A Tempestade”: alegoria do homem dividido entre o Mundo das Ideias e a Realidade do Mundo

Na obra Espírito da Utopia, Ernest Bloch nos lembra que é penetrando no fenômeno da esperança do futuro que o mundo, no focus imaginarius, na parte mais escondida e inteligível de nossa subjetividade, faz sua aparição[3]. Assim, é o apelo à vontade do homem pela esperança, explica ele, que possibilita o surgimento das mais diferentes manifestações idealistas, incluindo os movimentos revolucionários. Walter Benjamin, por sua vez – colega de escola e leitor de Bloch – preferiu versar sobre sonhos, notadamente os sonhos coletivos. Benjamin propõe desconstruir a dialética hegeliana racionalista por uma dialética que olha para a História em movimento, que leve em conta a dimensão simbólica, as imagens dos sonhos, em um tempo descontínuo e saturado de agoras, com épocas que se distinguem e se entrelaçam na incalculável vontade do homem de fazer História[4].

* * *

Nesta pesquisa, apresento a reconstrução das memórias de um grupo formado por um punhado de homens e de mulheres que, essencialmente movidos pela esperança, por um sonho coletivo, acreditavam poder influir na construção de um país justo e igualitário. Eram estudantes universitários ou jovens profissionais liberais, em sua esmagadora maioria, que nas décadas de 1960-70 instalaram-se no coração das selvas amazônicas, em um ponto remoto ao sul do Estado do Pará, às margens do rio Araguaia, sem armas ou provisões, a fim de deflagrar uma insurreição armada que tinha por objetivo final promover uma revolução socialista no Brasil. Este episódio, ocorrido durante os anos mais repressivos do regime militar brasileiro, entrou para a nossa História sob o nome de Guerrilha do Araguaia.

Continue reading »

set 27, 2013

O Espírito da Liberdade

Os amigos de rua, todos eles, queiram ser o Pelé. Mas eu só jovaga com a camisa 5. Era o Clodoaldo quem me inspirava. Ninguém conseguia entender por que eu gostava de um jogador tão tímido e discreto. Mas jogava limpo. Parava a bola no chão, levantava a cabeça e olhava sereno em direção ao horizonte. Por vezes apontava o dedo em alguma direção. Só rececentemente, quando tive o privilégio de observar os transatlânticos a partir da Ponta da Praia, na cidade de Santos,  consegui finalmente compreender que Clodoaldo jogava tomado por aquilo que Hegel chamaria de Espírito da Liberdade (Esta crônica foi originalmente publicada pelo jornal A Tribuna, de Santos, no Caderno Especial pelo aniversário da cidade, a 26 de janeiro de 2012)

1970, com minha mãe Margarida e meus irmãos: quando eu só pensava em jogar bola exatamente igual ao Clodoaldo

Toda criança tem um super-herói do imaginário a despertar nossos mais profundos valores, Batman, Aranha, Superman… e um ídolo dos esportes a inspirar nos duros caminhos da vida. Quase todos meus amigos queriam ser o Pelé e vestir a camisa 10. Depois vieram as inspirações Zico, Airton, Ronaldinho. Hoje é o Neymar. Mas eu era o Clodoaldo; só queria usar a camisa 5. Ninguém entendia por que eu gostava daquele tímido e discreto jogador. Nem eu.

Passei a infância e juventude oscilando entre as praias do Rio de Janeiro e o cerrado de Brasília. Acabei virando Flamengo. Mas a camisa 5 permaneceu a predileta; e a imagem do Clodoaldo jogando continuou no meu imaginário. Lembro-me que ele jogava limpo. Parava a bola no chão, levantava a cabeça e olhava sereno em direção ao horizonte. Depois passava a bola, sempre suave. Por vezes apontava o dedo em alguma direção.

Passaram-se muitos anos até que me reencontrasse com Santos. Jovem profissional, migrei sozinho para São Paulo em meados dos anos 80. A cidade era dura, árida, implacável! Muito mais do que hoje. Naqueles tempos não havia internet ou celular, nem mesmo linha disponível de telefone fixo. Passei mais de seis meses em completa solidão de final de semana. Até que num certo domingo de sol dois colegas cariocas buzinaram debaixo da minha janela.

“Vamos almoçar em Santos?” – gritou um deles. Continue reading »

jun 4, 2013

Eis que brota uma EcoEscola no Vale das Andorinhas…

Sempre acreditei que há certos bens materiais que não são nossos, que somos apenas os guardiões por um tempo. Assim são as dádivas da Natureza. Anos atrás adquiri um santuário ecológico no Vale das Andorinhas, Serra dos Pireneus, de frente para a cidade histórica de Pirenópolis, GO. Dentro da terra tem uma nascente, que forma um riacho, que se transforma em seis cachoeiras, abrigo de um espécie rara de andorinhas. De um platô no meio da terra, com fácil acesso de automóvel,  avista-se a cidade, a alvorada e o crepúsculo. Paisagens deslumbrantes. Por um bom tempo usufrui dessa dádiva somente com os amigos. Até que decidi compartilhá-la com a comunidade, em um projeto de educação ambiental voltado para as futuras gerações e fundamentado no conceito da Ecologia Profunda, do filósofo norueguês Arne Naess. Assim, aos poucos, já comecei a construir por conta própria a infraestrutura onde em breve vai se assentar uma área de lazer, o Jardim dos Sentidos, e a EcoEscola dos Pireneus, para a difusão da consciência ecológica e de técnicas de preservação do meio ambiente. Eis abaixo o projeto:

 MISSÃO – A EcoEscola dos Pireneus tem por missão primordial promover a educação, a pesquisa e a conscientização de crianças, jovens e adultos brasileiros, através da difusão dos valores e ideais do respeito à natureza e a todos os Seres Vivos.

VISÃO – A EcoEscola atingirá sua Missão através da promoção de cursos e atividades que viabilizem sua sustentabilidade econômjca, focada no ensino e conscientização sobre técnicas de reciclagem de resíduos, de preservação de biomas, matas e nascentes para as futuras gerações, como também de restauração de áreas degradadas.

Localização da Terra – Está sendo instalada em uma quinta privada denominada Reserva Vale das Andorinhas, uma propriedade rural de médio porte, com 46 hectares (460.000 m2) demarcados e legalizados, localizada ao pé do Parque Ecológico da Serra dos Pireneus, e de frente para a cidade de Pirenópolis, região central do Brasil, cidade esta tombada como Patrimônio Histórico Nacional. Trata-se de uma cidade fundada no início do Século XVIII, turística e estrategicamente localizada, distante 140 km de Brasília, a capital da República do Brasil, e 120 km de Goiânia, capital do Estado de Goiás, um dos mais promissores do país.

Poço dos Desejos: um dos seis recantos ecológicos da Reserva Vale das Andorinhas

CONCEITOS E FUNDAMENTOS

 Planeta Sagrado – Desde sua criação, o Homem sempre se viu como parte integrante da Natureza, a qual, muitas vezes, era divinizada. Trata-se do chamado biocentrismo, ou seja, a Vida como centro da existência humana. Foi a Civilização Ocidental quem criou o conceito do antropocentrismo, ou seja, da Humanidade como centro do Universo, relegando tanto a Natureza quanto os “deuses” à mera serventia. A Revolução Industrial levou o antropocentrismo às últimas consequências. Primeiro estabelecendo o direito do Homem explorar os recursos naturais de forma desmedida, tratando a Natureza como um mero recurso a serviço da emancipação social. Na sequência, criando novas cartas semânticas, como o direito dos povos “civilizados” dominarem os “incivilizados”, ou o conceito uma raça como superior à outra. Sofremos hoje as consequências do período de hegemonia desses conceitos. A partir da década de 1960, teve início um processo global de restauro do biocentrismo a partir da conscientização de que a Terra é um planeta finito, e a Humanidade precisa da biosfera para existir. Dentre os pensadores que mais se destacam nesse campo é o cientista britânico James Lovelock, responsável pelas primeiras descobertas sobre o aquecimento global e autor da Teoria de Gaia, segundo a qual a Terra (Gaia) é um sistema vivo e autônomo. Por conseguinte, o Homem é apenas uma parte viva desse sistema, Gaia, nosso Planeta Sagrado.

Ecologia Profunda – Proposto pelo filósofo e ecologista norueguês Arne Næss em 1973, a Ecologia Profunda é um conceito filosófico que vê a humanidade como mais um fio na teia da vida. Cada elemento da natureza, inclusive a Humanidade, deve ser preservado e respeitado para garantir o equilíbrio do sistema da biosfera. Enquanto a ecologia seria um estudo das interações entre os seres vivos e destes com o ambiente, a Ecologia Profunda é uma forma de pensar e agir, dentro da ecologia ou de qualquer outra atividade. O conceito foi proposto como uma resposta ao paradigma dominante e à visão dominante sobre o uso dos recursos naturais. A ecologia profunda possui influência do pensamento de Ghandhi, Rousseau, Aldo Leopoldo e muitos outros. A definição mais recorrente de Ecologia Profunda se dá justamente por meio do discurso do índio norte-americano Chefe Seatle. Continue reading »

jun 1, 2013

Como tecer a Introdução do TCC

Eis abaixo um roteiro construído especialmente para meus alunos da Universidade Católica de Brasília, na disciplina Metodologia de Pesquisa em Comunicação, neste momento engajados na construção da Introdução de seus Trabalhos de Conclusão de Curso, o TCC. Serve igualmente como roteiro básico para quaisquer outras monografias, dissertações de Mestrado ou teses de Doutorado:

 

 

por Hugo Studart

REFLEXÕES PRELIMINARES

Todo ato singular requer um tempo dedicado às preliminares. Um jantar oferecido a alguém especial, por exemplo, exige uma reflexão sobre o cardápio, desde os tira-gostos até a sobremesa e o vinho. Comprar os ingredientes, preparar o jantar e arrumar a casa também faz parte das preliminares. Se contarmos no relógio, muitas vezes o tempo ocupado nos preparativos é maior do que o usufruto do ato em si, o jantar.

Assim também deve ser a preparação de qualquer capítulo de um trabalho acadêmico, começando pela Apresentação – também chamada de Introdução.

O mestre Umberto Eco sugere na obra Como se faz uma tese (São Paulo: Perspectiva, 23ª Ed., 2010) que, antes de darmos início ao trabalho, deve-se definir o seguinte: Continue reading »

mai 7, 2013

A indústria das indenizações ameaça a Liberdade de Expressão

Desde que teve início a onda dos processos judiciais por suposto dano moral, a imprensa vem sendo seriamente ameaçada na liberdade de expressão. Celebridades vivem alegando o direito à privacidade. Políticos e autoridades, aos invés de se explicarem pelas denúncias de falcatruas, limitam-se a processar jornalistas. Trata-se de um nova forma de censura. As táticas estão cada vez mais sofisticadas. O fato concreto é que terminou a era do jornalismo investigativo de peito aberto. Os repórteres e os editores precisam cada vez mais estarem forrados de todo tipo de prova antes de publicarem. Mas fica a questão: como teve início a indústria das indenizações e a censura indireta? (Palestra proferida no Fórum Liberdade de Expressão & Democracia“, promovido pela revista IMPRENSA, em 7 Maio 2013, em Brasília, Painel: “A Censura Judicial e a Cobertura Política”, com os jornalistas Cátia Seabra, da Folha de S.Paulo, Fábio Pannunzio, da TV Bandeirantes, e Hugo Studart, da Universidade Católica de Brasília, mediado por Théo Rochefort, diretor da Abert)

 

 

A Censura Judicial e a Cobertura Política

Por Hugo Studart

Devo apresentar-me aos senhores. Sou essencialmente um repórter. Trabalhei exatamente 25 anos como repórter investigativo. Tive outras funções, editor, colunista, até relações institucionais eu fiz. Mas minha essência é de repórter perdigueiro. Furo, matéria denúncia.

No início da carreira, na década de 80, correu tudo bem. De repente, em meados da década de 90, começa um festival de processos. Ora, quando eu era foca não levava processo. Mas quando minhas matérias melhoraram de qualidade, depois de ganhar prêmios, virar editor, já com os primeiros cabelos brancos, comecei a apanhar.

Olhando em volta, os melhores coleguinhas também tomando processos. Não era só comigo. O que estaria acontecendo? Havíamos desaprendido o bom jornalismo? Ou algo havia mudado em nossas circunstâncias? Continue reading »

mai 5, 2013

Denunciados por jornalistas, políticos e autoridades não se explicam, diz professor

No próximo dia 7 de maio, a revista IMPRENSA promove o “V Fórum Liberdade de Imprensa & Democracia”, no Museu da Imprensa Nacional, em Brasília (DF), que vai debater temas como censura, liberdade de imprensa na cobertura política e outros. Hugo Studart, jornalista e professor da Universidade Católica de Brasília, está confirmado no evento. Para ele, políticos e autoridades públicas em geral, diante denúncias da imprensa, em vez de se explicarem, consolidaram o hábito de processar jornalistas.

Para o professor, políticas usam fim da lei de imprensa para coibir a mídia

Do Portal Imprensa
Com a queda da Lei de Imprensa [...] está muito fácil processar por dano moral. O que é dano moral? A questão é por demais subjetiva. [Políticos e autoridades públicas] agora processam o veículo pelo Código Civil, pedindo indenizações pelo suposto dano moral, e ainda por cima processam criminalmente o jornalista pelo Código Penal”, explica Studart.

Segundo ele, os denunciados inventaram uma “metralhadora” contra a imprensa: “a tática entrar com dezenas de processos similares, em vários Estados”. “Quando a metralhadora é contra um veículo como a Folha de S.Paulo, fica fácil se defender. Mas quando é contra um jornal regional, ou um site independente, a imprensa acaba sucumbindo”, compara.

Para Studart, por essas e outras razões, “terminou a era do jornalismo investigativo de peito aberto”. “Os repórteres e os editores precisam cada vez mais estarem forrados de todo tipo de prova antes de publicarem. E, principalmente, de uma boa retaguarda jurídica. Pois os processos estão vindo, mesmo que a matéria esteja documentada em cada linha”, alerta.

Censura sutil, velada
Studart comenta que, atualmente, a censura é sempre indireta, jamais às claras, e enxerga pelo menos três diferentes frentes de batalha pela liberdade de expressão. “Tem a indústria das indenizações que ganhou e ganha corpo. Depois, as pressões econômicas dos governos, federal e estaduais. [...] Por fim, o mais difícil de combater são as patrulhas ideológicas, que retornaram com toda a força nos últimos anos, em boa parte impulsionadas pela onda do politicamente-correto”, diz.

Fases da liberdade de imprensa no Brasil
O professor explica ainda que, depois da Constituição de 1988, a década de 1990 foi de “anarquia” jurídica no debate entre Liberdade de Expressão versus Direito à Privacidade e à Imagem. “A chamada “indústria das indenizações” por danos morais ganhou muito espaço. Virou um grande festival de processos contra jornalistas. De políticos sob suspeita a artistas incomodados, qualquer reportagem era razão de pedidos de indenizações milionárias por supostos danos morais. E como não havia consenso jurídico sobre a aplicação da Lei de Imprensa [...] o valor [das indenizações] passou a ser apontado a cada caso concreto. Para cada juiz, uma sentença”, lembra.

Segundo ele, a partir da década de 2000, houve a reação da sociedade civil e princípios da “razoabilidade” e da “proporcionalidade” começaram a nortear com maior ênfase as questões de indenizações razoáveis, proporcionais ao suposto dano. “Podemos dizer que houve uma queda no índice de censura indireta e, por conseguinte, de aumento da liberdade de imprensa”, comenta.

Atualmente, explica Studart, vivemos uma terceira fase histórica, quando o STF derrubou de vez a Lei de Imprensa, enviando os casos para os códigos Penal e Civil. “Caminhamos para equilíbrio aceitável entre a liberdade de expressão e o direito à privacidade das autoridades públicas e do cidadão. Mas ainda há ameaças”, finaliza.

V Fórum Liberdade de Imprensa & Democracia
O evento busca criar um espaço de convergências dos diversos agentes que garantem, estimulam e discutem a liberdade de imprensa no Brasil, por meio de um diálogo entre profissionais, entidades de representação, professores e estudantes de comunicação. A participação é gratuita e as vagas limitadas.
Também estão confirmados no evento Cátia Seabra, repórter especial da Folha de S.Paulo; Dad Squarisi, diretora de Opinião do Correio Braziliense; Fábio Pannunzio, repórter da Rede Bandeirantes de Televisão; Fernando Tolentino de Sousa Vieira, diretor-geral da Imprensa Nacional; Helena Chagas, Ministra de Estado Chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República; Hugo Studart, jornalista e professor da Universidade Católica de Brasília; Maria Eugênia Moreira, editora-chefe do Jornal de Brasília; Nereide Beirão, diretora da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e Théo Rochefort, diretor de Comunicação da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT).
Conheça a programação e saiba mais sobre os painelistas. O evento conta com patrocínio das Organizações Globo e Apoio Institucional da Imprensa Nacional, ANJ, ANER, ABERT, ABRAJI e FENAJ. Para mais informações e inscrições clique aqui.
* Com supervisão de Vanessa Gonçalves
Matéria Original do Portal Imprensa:
http://portalimprensa.uol.com.br/noticias/brasil/58468/denunciados+por+jornalistas+politicos+e+autoridades+nao+se+explicam+diz+professor
abr 26, 2013

Como fazer uma mera ideia de pauta virar uma boa matéria jornalística

O repórter chega com uma ideia de matéria. O editor pode ajudá-lo a transformar uma mera informação em uma pauta consistente, com maiores chances de virar uma boa matéria. Eis um breve roteiro:

 

Por Hugo Studart

 O QUE É UMA BOA PAUTA? Quais os critérios para se saber, antecipadamente, se o leitor vai gostar de determinada matéria? Depende de uma série de fatores, principalmente da relação entre o público alvo e do foco escolhido.

TEORIA DA NOTÍCIA - Existe uma longa relação de livros e estudos acadêmicos sobre “Teoria da Notícia”. Muitos bons jornalistas não gostam desses livros, pois boa parte foi escrita por comunicólogos que jamais tropeçaram em uma notícia na vida. Pessoas comuns às vezes tropeçam numa pedra quando está andando pela rua, machuca o pé, perde a unha do dedão e descobre o que é uma pedra. Jornalistas de verdade sabem a dor e a delícia de parir uma matéria, por mais fácil que aparente ser. De fato, muitos dos estudos disponíveis no mercado foram produzidos por gente que apenas ouviu falar que as notícias existem e tentam imaginar como são. Contudo, sejamos justos, há também excelentes livros sobre o assunto, com teorias, esquemas e dicas. Trataremos detalhadamente desses livros em outro momento. Por enquanto, vai a dica: os melhores textos sobre como fazer uma boa matéria estão nos velhos e conhecidos manuais de redação e estilo dos grandes jornais. Refiro-me aos jornais impressos, aqueles da “velha economia” e da mídia tradicional.

NOTÍCIA E REPORTAGEM – Jornalismo é jornalismo e funciona parecido em qualquer veículo –jornal, revista, TV e também na internet. O primeiro conceito elementar que um repórter precisa saber é a diferença entre notícia e reportagem. Notícia é o factual, tipo “fulano disse ontem que”, “beltrano e sicrano se encontram amanhã em São Paulo para decidir tal assunto”. A notícia fica velha um segundo depois de ocorrer. É aquela velha piada de que jornal do dia anterior só serve para embrulhar pão ou carne. Quanto à reportagem, tem um tempo de vida mais longo, é mais perene, pode durar anos. “Os Sertões” de Euclides da Cunha, por exemplo, considerado a obra-prima da literatura brasileira, foi originalmente escrita como reportagem para o jornal O Estado de S.Paulo. Um século depois, continua atual. Existem ainda outras modalidades de texto jornalístico, como editorial, artigos, crônicas, etc. Em português, chama-se tudo de “matéria”; em inglês, de “article”.

PLANEJAMENTO DA PAUTA – A maior parte dos jornalistas tem o péssimo hábito de sair à rua sem qualquer objetivo definido ou sem um planejamento detalhado da pauta. Dizem eles que estão “garimpando” informações. Qualquer que seja o veículo, mesmo que se esteja trabalhando em uma agência de notícias em tempo real, ganha-se tempo e qualidade com um mínimo de planejamento da pauta. “Ah, não tenho tempo de planejar”, dizem os mais afobados. Auto-engano. Tem tempo sim, ainda que se faça um breve planejamento mental enquanto se dirige o automóvel rumo ao local dos acontecimentos. Veremos adiante um exemplo prático de como planejar uma pauta. Continue reading »

abr 22, 2013

Éramos tão jovens, como poderíamos saber que o Renatinho, mais um dentre tantos, viria a se transformar no Renato Russo?

Como poderíamos saber que plantávamos as sementes de belas árvores que germinariam no futuro? Como poderiamos imaginar que todas aqueles agitos culturais que produzíamos terminariam por criar uma nova forma de resistência política? Como poderíamos supor que nossas noites em acampamentos, sempre com fogueira, poesia e violão, estaria ajudando a criar os fundamentos do movimento ecológico que só eclodiria 20 anos depois? Se já é difícil analisar o passado e compreender o presente, é quase impossível prever o futuro. O futuro nos pertenceria, mas não tínhamos a menor consciência disso. Éramos tão jovens…

Por Hugo Studart

Esta é a imagem de um acampamento. Identifiquei-me dentro dela: o cara à direita, sentado num banco, de camisa listrada. É provável que a fotografia tenha sido tirada em 1980, talvez 1981. Foi publicada no jornal Correio Braziliense deste domingo, 21 de abril, na capa do caderno Diversão&Arte. Trata-se de uma das ilustrações da reportagem sob o título de “Éramos tão jovens”, sobre fotografias perdidas do cantor Renato Russo e da turma de estudantes que gravitava entre as agitações culturais da Universidade de Brasília e os acampamentos nas muitas cachoeiras perto de Brasília.

Esta foto mexeu com minhas memórias sobre um tempo cujo “futuro já não era como antigamente”. Um tempo passado cujas sombras projetam-se sobre nosso próprio tempo presente. Explico e justifico:

Éramos muitos os jovens, centenas somente entre os estudantes da UnB, milhares se considerarmos os jovens de outras universidades que vez por outra se encontravam nas festinhas ou eventos culturais daquele tempo. Eu era um deles. Um figurante anônimo dentro de um contexto maior. Tão figurante quanto a figura do jovem sem rosto e de camisa listrada que aparece do lado direito dessa foto. Mas eu cumpria meu papel naquele contexto.  Tentava militar no movimento estudantil na esperança de deixar algum legado àqueles que vinham atrás. Continue reading »

mar 8, 2013

Uma breve história da longa luta pela liberdade das mulheres

Desde  Julia, a heroína do romance de Rousseau, até a SlutWalk, a Marcha das Vadias, há pelo menos 250 anos as mulheres vêm lutando por direitos óbvios como o da livre escolha afetiva, o divórcio, a igualdade laboral e o direito de votar. No islã, mulheres ainda são apedrejadas em nome de Allah; na África, 150 milhões sofreram extirpação clitoriana; na Índia, um cotidiano de estupros e casamentos arranjados; na China, 240 milhões de meninas recém-nascidas foram assassinadas nos últimos 30 anos. Equivale a 40 Holocaustos. Mesmo em nosso Ocidente pós-moderno e globalizado, perduram incrustradas a misogenia e a violência doméstica. No Brasil, a Lei Maria da Penha já enquadrou mais de 300 mil agressores. Há algo errado mesmo nas sociedades onde, acredita-se, há pelo menos duas gerações as mulheres teriam alcançado a emancipação plena

EUA, 1910: quando as mulheres lutavam pelo direito ao voto e à igualdade laboral com os homens

por Hugo Studart

Em meados do Século XVIII as mulheres não valiam quase nada em toda e qualquer parte do mundo. Até que Jean-Jacques Rousseau causou frisson por toda Europa com um romance, Julia — ou A Nova Heloísa (1761), no qual a heroína provocou emoções e conquistou a empatia dos leitores em sua busca pelo direito de livre escolha afetiva, dando início à discussão sobre a emancipação da mulher e ajudando a pavimentar o caminho para aquilo que, anos mais tarde, ficou conhecido pela expressão Direitos Humanos.

O subtítulo do romance, ou A Nova Heloísa, referia-se à uma das mais conhecidas e dramáticas histórias de amor do cantadas pelos narradores medievais, Abelardo e Heloísa, no qual uma jovem de boa estirpe apaixona-se por seu professor, um filósofo e clérigo católico. Aos 17 anos, Heloísa entrega-se de corpo e alma a Abelardo, 37. Pelo ponto-de-vista daquele tempo, Abelardo seduziu a pura e inocente Heloísa. O romance é descoberto, os amantes passam a se encontrar escondidos nos locais mais inusitados –até mesmo nas sacristias – têm um filho, casam-se escondidos e, por fim, Abelardo é punido pelo tio da jovem com a castração. Envergonhado, interna-se num mosteiro e pede que Heloísa faça o mesmo, num convento.

Viam-se diariamente, mas nunca mais se tocaram. Nem mesmo trocaram palavras orais. Contudo, dedicam a vida a trocar lindas cartas de amor, nas quais Heloísa expressava toda a sua dor pela triste sorte do seu amor, como também sua revolta pelo destino – prisioneira em um hábito religioso que lhe escondia todo o corpo, e de um véu a cobrir a cabeça para lhe emprestar o recato que não tivera antes. Abelardo morre no ano 1142, aos 63 anos; Heloísa viveria mais 20 anos. A seu pedido, foi sepultada ao lado de Abelardo. Suas trágicas histórias permaneceram vivas. Suas cartas, continuam inspirando ousadia às jovens que porventura precisem dar vazão aos desejos de liberdade afetiva. Seu véu e hábito religiosos, símbolos maiores do cárcere sexual ao qual foi submetida, mantêm-se desfraldados na maior parte das sociedades humanas. Seus túmulos, no Cemitério de Pére Lachaise, Paris, são locais de romaria de amantes apaixonados. Continue reading »

jan 27, 2013

Como fundamentar uma tese sobre a memória dos guerrilheiros do Araguaia

Por Hugo Studart

 Nas escolas de Jornalismo, minha primeira carreira, ensinam com fervor quase religioso que o certo é cultuar a neutralidade e a só usar verbos na terceira pessoa, do singular ou plural. Já me ensinaram muito pastiche fundamentado no pretenso racionalismo aristotélico, que encara o mundo tão-somente dentro dos sentidos materiais. Quando entrei para o mestrado em História, minha orientadora[1] instigava-me a redigir na primeira pessoa do singular. Achei estranho.

“E a neutralidade científica?” –questionei.

Walter Benjamin

Foi a deixa para que me apresentasse aos autores da Nova História. Segundo Walter Benjamin, por exemplo, não existe a tal “neutralidade científica”. Todo conhecimento, explica, é um embate de interesses. Aos poucos, fui me acostumando a escrever sobre as ideias ou experiências pessoais e a acreditar ser impossível dissociar um conteúdo de seu autor.

Arthur Schopenhauer, o filósofo das angústias, dizia que o homem parte de seus próprios horizontes, dos limites do seu campo de visão, como os limites do mundo. Assim, nossas versões sobre o mundo são limitadas tantos pelas observações limitadas que posso fazer do Universo, quanto pelas experiências pessoais inseridas em uma vasta “vontade” universal, da qual nossas ações são apenas uma mera parte. Por isso todos nós costumamos tomar nossos respectivos horizontes pessoais como o sendo limites universais.

“Nós próprios somos as entidades a ser analisadas”, ensina Martin Heidegger.

Em sua obra mais reconhecida, Ser e Tempo[2], Heidegger parte da velha máxima socrática de buscar compreender o homem como ser, exposta na frase “conhece-te a ti mesmo”, Continue reading »

jan 24, 2013

Na mais antissocial das experiências da vida

Reconheço que o mundo de fora seja lindo. Mas preciso fechar minhas janelas por um tempo

Há muito que escuto falar que a redação da tese de doutorado seria a mais solitária das experiências humanas. Tenho dúvidas. Pois há inevitável experientia da morte. Quanto à redação de uma tese, posso garantir que é uma experiência absolutamente antissocial.

 
Decidi me recolher ao sitio em Pirenópolis, Goiás, um santuário ecológico ao pé da Serra dos Pireneus, a fim de buscar concentração total para escrever. Lá na serra, o sinal do telefone não costuma pegar. Internet? Nem pensar. Isso ajuda em minha moratória longe dos problemas da vida na cidade, como também de quaisquer soluções que não sejam pensar em Filosofia da História. Meu cotidiano será de recolhimento até o final da tarde, quando planejo ir à cidade para ver a internet. Como agora. Aproveito para relatar aos amigos meu primeiro dia em reclusão acadêmica.

Acordei às 6 horas, sem despertador, antes mesmo do galo cantar. No campo ganho energia. Comecei a escrever antes do sol nascer. Só quanto terminei um bom trecho, lembrei-me de que estava com fome e deveria tomar o café. Já eram 10h30. Por volta das 14h30, Cida, a prestimosa caseira, perguntou se eu queria almoçar. Lembrei-me novamente de que saco vazio não pára em pé. Trouxe-me um prato, devorado em frente do computador. Só parei para ir à cidade depois de terminado um capítulo.

Com esses horários, viramos ogros sociais, péssimas companhias. Não é uma experiência necessariamente solitária, pois a todo momento precisamos consultar amigos, colaboradores e fontes. Contudo, posso garantir aos amigos que é a mais antissocial delas. Em breve retorno ao mundo.

jan 21, 2013

“O passado nunca está morto, nem sequer é passado”…

… “Em outras palavras, é bem verdade que o passado nos assombra; é função do passado assombrar a nós que somos presentes e queremos viver no mundo como ele realmente é, isto é, como se tornou o que é agora” (Hannah Arendt, em “Responsabilidade e Julgamento”)

Walmor Chagas estava solitário e quase cego. Antes do suicídio, disse a um amigo que não gostava da vida pela metade

jan 12, 2013

Eu queria ser o Batman

Um ensaio (iluminista) sobre a construção dos heróis: desde os nossos ídolos das histórias em quadrinhos, Hulk ou Volverine, aos épicos da mitologia, aqueles homens como Ulisses ou Teseu que possuiam a fórmula mágica para mudar o Destino de todo um povo

Por Hugo Studart

 Toda criança tem um herói de inspiração. Capitão América, o Incrível Hulk, Volverine, o Surfista Prateado, Asterix, Tintim, Hércules ou Thor, o Príncipe do Trovão. A onda dos super-heróis em quadrinhos ou em desenhos animados foi extraordinária naqueles tempos maniqueístas que o historiador egípcio Eric Hobsbaun definiu, com definitiva pertinência, como a “Era dos Extremos”; e o filósofo alemão Isaiah Berlim classificou, consternado, como o “século mais terrível da História”. Os Estados Unidos, líder da guerra fria e da indústria cultural desse período, foram pródigos em criar e divulgar ícones que ocuparam o imaginário de sucessivas gerações nascidas ao longo do Século 20. Do Canadá à Polinésia, da Finlândia aos confins da Patagônia, criança alguma deve ter escapado dos sonhos de virar justiceiro com super-poderes a fim de salvar o mundo em nome da Liberdade.

Ao arrumar seu baú de velharias, meu pai encontrou recentemente um desenho de minha autoria. Pela primariedade dos rabiscos, eu não devia ter sequer cinco anos. Era um esboço de um homem-morcego. Abaixo, uma frase escrita com letra segura e feminina, decerto da professora: “Papai é o Batman”. Eis aí a síntese de dois heróis da primeira infância. Já mantive com zelo extremado toda a coleção de gibis do Cavaleiro das Trevas. Ainda hoje não perco um filme sequer do Morcegão quando lançado por Hollywood.

Também já brinquei de ser Namor, o Príncipe Submarino; de Ivanhoé, o cavaleiro andante; de Will Robinson, o garoto da série de TV “Perdidos no Espaço”; ou ainda de Speed Racer, aquele garoto tão corajoso quanto voluntarista que, ao fim e ao cabo, sempre vencia os malfeitores. Na pré-adolescência, encantei-me por Tistu, “O Menino do Dedo Verde”, personagem do francês Maurice Druon; e logo depois por Lancelot do Lago, pelo capitão Kirk, de Star Trek; até chegar à dupla de cavaleiros Jedi da saga Stars War, Obi-Wan Kenobi e mestre Yoda.

IDEAIS DA ALMA

Em Menon, Platão (427-347 a.C.) apresenta a Teoria das Ideias Inatas, segundo a qual já nascemos com determinados valores, tão profundamente enraizados em nossa alma que, segundo o filósofo, só poderiam vir carregados de vidas passadas. Ou seja, traríamos de outras vidas certos conhecimentos, valores morais e características da personalidade. É o que o pensador chama de conhecimento verdadeiro. A educação, portanto, não seria um processo de aprendizagem, mas de recordação.

Desde então, do medieval São Tomás de Aquino ao pós-moderno Noam Chomsky, muitos pensadores de relevo debruçaram-se sobre a questão, parte concordando com a tese; outros tentando desconstruí-a com o argumento de que, em verdade, nascemos como tábulas rasas, em branco, e todo e qualquer conhecimento sobre o mundo só poderia ser adquirido através das experiências com os cinco sentidos.

Dessa discussão filosófica derivam outras questões da Ciência Política ou das Relações Internacionais, como a existência (ou não) de valores morais Universais, ou mesmo da Direitos Humanos Fundamentais. Mas fato que nos interessa agora é lembrar que pelos super-heróis da nossa infância é possível descobrir muito do nosso sistema de representações e quais são nossos valores realmente profundos.

Crianças, em geral, ainda não foram contaminadas pelas máscaras e pela hipocrisia social. Jean Jacques Rousseau apresentou a ideia de que todos os homens seriam bons ao nascimento, o chamado “bom selvagem”, e que é a sociedade que nos corrompe. Caso aceitemos, por princípio, a combinação das teorias das “ideias inatas” de Platão com a do “bom selvagem” de Rousseau, chegamos ao pressuposto de que nossos heróis da infância são autênticas representações dos sonhos e dos ideais traçados pelo Destino de cada um.

Namor, o príncipe submarino

O Príncipe Submarino era um sonhador que vivia imerso na timidez e na introspecção. Mas quando chamado aos grandes problemas, aparecia para aspergir o bem. Assim, como identificava-me com Namor, então eu deveria ter o sonho de aspergir o bem como valor inato, mas a introspecção sorumbática como característica limitante da personalidade. Continue reading »

jan 5, 2013

Uma história que nos leva a acreditar em Deus

Náufragos: eis aí o garoto Pi e tigre predador Richard Parker. História real sobre como uma Força Maior salvou-lhe a vida

“A VIDA DE PI” é lindo, instigante, poético, do mestre Ang Lee. Não assistia a um filme de tamanha profundidade espiritual e ecológica desde “Dersu Usala”, do grande mestre Akira Kurosawa. Havia visto o trailler semanas atrás. Pareceu-me bobinho, batizado no Brasil com o título “Aventuras de Pi”. Por coincidência, logo depois encontrei numa livraria uma coletânia tipo os melhores livros de todos os tempos. Lá no finzinho estava “The Life of Pi”, de 2001, do canadense Yann Martel. A sinopse refere-se à busca espiritual de um garoto indiano, que encontrou respostas no hinduismo, no cristianismo e no islamismo, tudo ao mesmo tempo. O autor Martel promete contar uma história que nos levaria acreditar em Deus. O filme de Ang Lee consegue. Deu vontade de ler o livro de Martel.
dez 19, 2012

“Bancar o pequeno não ajuda o mundo”

“Nosso grande medo não é o de que sejamos incapazes.
Nosso maior medo é que sejamos poderosos além da medida.
É nossa luz, não nossa escuridão, que mais nos amedronta.
Nos perguntamos: “Quem sou eu para ser brilhante, atraente, talentoso e incrível?”
Na verdade, quem é você para não ser tudo isso?…
Bancar o pequeno não ajuda o mundo.
Não há nada de brilhante em encolher-se para que as outras pessoas não se sintam inseguras em torno de você.
A à medida que deixamos nossa própria luz brilhar, inconscientemente damos às outras pessoas permissão para fazer o mesmo”.

Nelson Mandela
(Discurso de posse, em 1994)

Páginas:123456»

Fotos

  • Martin Luther King Martin Luther King
  • Mandela Mandela
  • Paulo de Tarso Paulo de Tarso
  • Kenobi Kenobi
  • Proudhon Proudhon
  • Tereza Tereza
  • Yoda Yoda

Amigos do Blog no Face

Arquivo

junho 2016
D S T Q Q S S
« dez    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Tags

Escolha o Indioma

'